Influência da variedade e número de parto em parâmetros reprodutivos numa exploração de ovinos serra da estrela com utilização da inseminação artificial

  • Jorge Belarmino Oliveira
  • Fernando Esteves
  • Márcia Sobral
  • Rui Dinis

Abstract

A utilização da inseminação artificial (IA), bem como de outras técnicas
reprodutivas, associadas à correcta identificação dos progenitores, são um meio eficaz
para conseguir, de uma forma mais rápida, o melhoramento genético e selecção dos
animais com valores superiores das características produtivas, reprodutivas e
morfológicas – de interesse económico, de acordo com o(s) objectivo(s) proposto(s).
Assim, é necessário incrementar o estudo e a utilização desta técnica nas raças
ovinas autóctones em Portugal, nomeadamente na raça Serra da Estrela.
Com a realização deste trabalho pretendemos avaliar a influência (1) da
variedade da raça e da idade dos machos nas características do sémen utilizado (volume,
mobilidade massal, concentração e número de espermatozóides – SPZ - por dose) e (2) da
variedade da raça e do número de parto das fêmeas sobre a duração da gestação e o
número de borregos nascidos por parto, utilizando registos de uma exploração de ovinos
da raça Serra da Estrela.
Após a sincronização de cios (esponjas com 40 mg de acetato de fluorogestona
+ 500 UI de gonadotropina de soro de égua gestante - PMSG), foram inseminadas 134
fêmeas (81 da variedade preta e 53 da variedade branca). Destas, pariram 77
(fertilidade=57,5%), originado 108 borregos (prolificidade=1,4).
Relativamente aos machos, verificamos que a idade não influenciou
significativamente qualquer das variáveis em estudo (P³0,05). No entanto, a variedade
influenciou significativamente os valores da concentração e do número de
espermatozóides por dose (P<0,05), mantendo constante o volume de dose utilizada.
Relativamente às fêmeas, a variedade apenas influenciou significativamente a
duração da gestação (P<0,05), enquanto o número do parto influenciou significativamente
o número de crias por parto (P<0,05).
A limitação na quantidade de informação restringe as conclusões. No entanto,
os resultados obtidos evidenciam a importância cada vez maior da utilização da IA.

References

• ANCOSE (s/d). Associação Nacional de Criadores de Ovinos Serra da Estrela. 4 pp.

• BETTENCOURT, E. M. V., Bettencourt, C. M. V., Simões, J. P. C. e Matos, C. A. P. (s/d). Utilização da Inseminação Artificial em Raças

Ovinas Autóctones do Sul de Portugal. 5 pp.

• DGP (1991). Recursos genéticos – raças autóctones: espécies ovinas e caprinas. Direcção Geral de Pecuária. 2.ª edição. 141-151.

• EVANS, G. e Maxwell, W.M.C. (1990). Inseminación Artificial de ovejas y cabras. Editorial Acribia. Zaragoza. 192 pp.

• GUERREIRO, R.T.C. (1946). Reprodução dos Animais domésticos – Fecundação Artificial in A Terra e o Homem (4ª secção). Livraria Sá

da Costa. 330 pp.

• HAFEZ, E. S. E. (1996). Reproducción e Inseminación Artificial en Animales (6ª edição). Interamericana. MacGraw – Hill. México. 493

pp.

• SPSS (Statistical Package for Social Sciences), 1998. SPSS-Base 8.0: Application Guide. SPSS Cop. Chicago. 372 pp.

• STEEL, R. G. D. e Torrie, J. H. (1980). Principles and procedures of statistics. A Biometrical Approach. 2nd Edition. McGraw-Hill, Inc.

pp.

• VELASQUEZ, E.E. (1997). Tecnicas reprodutivas y control de la reproduccion en ovinos. Revista Portuguesa de Zootecnia. 2: 35-45.

Published
2016-02-04
Section
Articles