Determinação do peso maduro de caprinos da raça serrana ecótipo transmontano através de modelos de crescimento

  • António Monteiro
  • Álvaro Carvalho
  • Severiano Silva
  • Jorge Azevedo
  • Alfredo Teixeira

Abstract

As curvas de crescimento reflectem as inter-relações entre um impulso individual inato para crescer e
atingir a maturação de todas as partes do corpo e o ambiente no qual este impulso se expressa. Este ambiente é
composto pelo nível individual de produtividade, a quantidade e qualidade de alimento ingerido e o esforço
despendido para o localizar, consumir e digerir (Fitzhugh, 1976).
As curvas de crescimento são modelos matemáticos que tentam descrever as alterações do peso corporal
por unidade de tempo ou em relação à idade. No primeiro caso, obtêm-se valores que podem ser facilmente
utilizados para comparar os efeitos dos tratamentos ou descrever a taxa de crescimento dos animais. No último
caso, a relação do peso com a idade determina as curvas de crescimento que são usadas para descrever os padrões
de crescimento dos animais ou tecidos (Trenkle, 1983).
À medida que o animal cresce, dois factores interagem de forma oposta. Um é uma força aceleradora,
devido ao aumento do número de unidades replicadoras, enquanto a outra força opositora é a limitação da grande
complexidade das estruturas e a capacidade de fornecimento de nutrientes para manter o ritmo do crescimento do
corpo (Lawrence e Fowler, 1997). A resultante destas duas forças origina a forma da curva de crescimento.
As curvas do crescimento geralmente têm a forma de S ou sigmoidal, mostrando uniformidade entre as
diferentes espécies animais, com excepção da do Homem, que apresenta uma fase juvenil muito longa (Brody,
1945).
A curva do crescimento pode ser dividida em dois segmentos principais. O primeiro segmento como a fase
de aumento da velocidade de crescimento e o segundo como a fase de diminuição da velocidade de crescimento,
respectivamente fases de auto-aceleração e auto-inibição do crescimento, de acordo com a terminologia de Brody
(1945).

References

• BAKKER, H. e Koops, W. J., 1978. An approach to the comparison of growth curves of Dutch Friesian, British Friesian and Holstein Friesian

cows. In Patterns of growth and development in cattle. Ed. H. De Boer and J. Martin, pp. 705-716.

• BAPTISTA, M.C. 1989. Determinação da puberdade em cabritos da raça «Serrana». Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e

das Pescas, publicação online.

• BELTRÁN, J. J., Butts, W. T., Olson, T. A. e Koger, M., 1992. Growth patterns of two lines of Angus cattle selected using predicted growth

parameters. J. Anim. Sci. 70: 734-741.

• BRODY, S., 1945. Bioenergetics and growth. Rheinhold Pub. Corp., N.Y.

• BROWN, J. E., Fitzhugh, H. A. Jr., Cartwright, T. C., 1976. A comparison of non-linear models for describing weight-age relationships in

cattle. J. Anim. Sci. 42: 810-818.

• DENISE, R. S. Kersey e Brinks, J. S., 1985. Genetic and environmental aspects of the growth curve parameters in beef cows. J. Anim. Sci. 61:

-1440.

• DOREN, P. E. e Baker, J. F., 1989. Estimating parameters of growth curves of bulls. J. Anim. Sci. 67: 1432-1445.

• FINNEY, D. J., 1978. Growth curves: their nature, uses and estimation. In Patterns of growth and development in cattle. Ed. H. De Boer and J.

Martin, pp. 658-672.

• FITZHUGH, H. A. Jr. e Taylor, St. C. S., 1971. Genetic Analysis of Degree of maturity. J. Anim. Sci. 33 (4): 717-725.

• FITZHUGH, H. A. Jr., 1976. Analysis of growth curves and strategies for altering their shape. J. Anim. Sci. 42: 1036-1051.

• FRANCE, J. e Thornley, J.H.M., 1984. Growth functions. In Mathematical models in agriculture. Ed. Butterworths, pp. 75-93.

• LAWRENCE, T. L.J.; Fowler, V. R. Prenatal and postnatal growth. In: Growth of farm animals. CAB International, 1997 cap. 193-215

• STATSOFT. 1998. Statistica for windows. StatSoft, Inc

• TRENKLE, A. and, D. N. Marple, 1983. Growth and development of meat animals. J. Anim. Sci. 57: 273.

Published
2016-02-04
Section
Articles