Programa de voluntariado cultural: cultura voluntária em Lamego

  • Isabel Vieira
  • Didiana Branco

Abstract

Pretende este artigo apresentar o projecto de Voluntariado Cultural – Cultura Voluntária em Lamego, procurando relacionar os objectivos inerentes a um programa de Voluntariado com os propósitos e as realidades conducentes ao seu desenvolvimento, por parte de uma instituição de ensino superior. Por outro lado, pretende-se descrever as diferentes etapas de progresso e alargamento deste programa, apontando ainda, outras reflexões e propósitos a incrementar no futuro.

References

API (2004) – Plano De Desenvolvimento do Vale Do Douro. Porto: API.

(http://www.ccr-norte.pt/regnorte/pdtvd_a.php).

BIANCHI DE AGUIAR, F. (Coord), (2000) – Candidatura do Alto Douro Vinhateiro a Património Mundial (http://www.espigueiro.pt/douro-vinhateiro/pt/index_pt.html).

BLACK, G. (2004) – Desenvolvimento do Conceito. In DRUMMOND, S e IAN, Y. (2004), Questões de Qualidade nas Atracções de Visitação a património. Brasil: Editora Roca LDA.

C.M.L. (1994) – Plano Director Municipal de Lamego. Lamego: Câmara Municipal de Lamego.

C.P.A.D.R. (2005) – La gestion del patrimonio Cultural y Turismo. In Conclusiones Jornadas Técnicas, Grupo LEADER +Tierra Estella

(http://redrural.mapya.es/web/temas/conclusiones_jornadas/Documentos/Conclusiones_%20Estella.pdf).

Declaração Universal sobre o Voluntariado, Nações Unidas.

Decreto-lei n.º 168/93 de 11 de Maio (DR 109/93 SÉRIE I-A de 1993-05-11).

DELOITTE CONSULTING / Neo Turis (2003) – Potencial de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro. In Turismo no Vale do Douro: API, pp. 38-42.

DRUMMOND, S.; IAN, Y. (2004) – Questões de Qualidade nas Atracções de Visitação a Património. Brasil: Editora Roca LDA.

FORTUNA, C. (2006) – Culturas urbanas e desafios à cooperação cultural. In revista de Cultura – Pensar Ibericoamericá, nº 9 (http://www.oei.es/pensariberoamerica/ric09a06.htm).

HERNÁNDEZ, B. ; TRESSERRAS, J. (2005) – Gestión del patrimonio cultural. Barcelona: Ariel.

Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2002). Caracterização do Voluntariado em Portugal, Comissão Nacional para o Ano Internacional dos Voluntários.

ISU (Instituto de Solidariedade Universitária) – Centro de Formação para o Voluntariado, Equipa Técnica, 2002.

Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro (DR 254/98 SÉRIE I-A de 1998-11-03).

LOPES, F. (2003) – O programa de incremento do turismo cultural: Dos novos conceitos e motivações sobre o património cultural à criação de produtos de qualidade. In Centro de Estudos de Antropologia aplicada. (http//ceaa.ufp.pt/ceaa.htm).

MARTÍN, M. (2001) – Sobre el necesario vínculo entre el património y la sociedade – Refelexiones críticas sobre la interpretación del Património. In Revista Património estudos. Lisboa: PPAR, SIN 1645-2453,pp25-31.

MINISTÉRIO DE EDUCACIÓN Y CULTURA (1995) – Jornadas Europeas de

Voluntariado Cultural. Málaga.

MIRANDA, M., (2001) – Guia Práctica para la Interpertacion del património. El arte de acercar el legado natural al público visitante. Sevilla: Junta de Andalucia,consejaria da cultura.

PATIN, V. (1997) – Tourisme et patrimoine en France et en Europe. Paris: Éditions Les Études de la Documentation Française.

PERALTA, E. (1997) – Património e identidade desafios do turismo cultural (http://ceaa.ufp.pt/turismo3.htm).

PINHEIRO, N. (1999), Património construído – marcos da história de um povo que não acaba em nós: como reconstruí-lo, como conservá-lo. Lisboa: Colecção Fórum

UNESCO QUARTENAIRE PORTUGAL (2003) – Plano De Marketing da Cidade de Lamego, Relatório preliminar. Lisboa: Edição da Quaternaire Portugal.

ROLDÁN, J. (1990) – ¿Hacia una nueva aurora «cultural» del turismo?. In Estudios Turísticos, nº 106.

Published
2016-02-11
Section
Articles