Auto-apreciação pessoal e temperamento afectivo em enfermeiros de serviços de psiquiatria e saúde mental

  • Raul Cordeiro
  • João Claudino
  • Miguel Arriaga
  • Maria Oliveira
  • Marlene Frazão
  • Marina Mendes
  • Rosa Leão
  • Sónia Onofre
  • Sónia Engrossa
  • Sónia Gonçalves
  • Vânia Silva
  • Vera Vieira
  • Vera Azinheiro

Abstract

Um estudo sobre a auto-apreciação pessoal e o temperamento afectivo dos enfermeiros é de crucial importância, pela sua influência em diversos fenómenos, nomeadamente na capacidade de desenvolver relações interpessoais, bem como na resistência a doenças psicológicas e físicas.
Um total de N=47 enfermeiros de ambos os sexos, com uma idade média de 38,5 anos, que exercem funções na área de Saúde Mental e Psiquiatria em três hospitais: Hospital Doutor José Maria Grande de Portalegre, Hospital do Espírito Santo de Évora e Hospital de Nossa Senhora do Rosário do Barreiro, foi inquirido através de um questionário de aplicação directa. 

Os resultados indicam que o grupo estudado apresenta, na sua maioria, um temperamento hipertímico. Verificou-se que são os elementos do sexo  feminino que apresentam maior auto-apreciação pessoal e que existe uma relação estatisticamente significativa entre a auto-apreciação pessoal e os temperamentos ciclotímico e ansioso. Os mesmos resultados indicam igualmente que existe relação entre o estado civil e o temperamento irritável e entre o tempo de serviço e os temperamentos ciclotímico e hipertímico.

 

References

AKISKAL, H. (2005). TEMPS: Temperament Evaluation of Memphis, Pisa, Paris and San Diego. Journal of Affective Disorders (85).

CHESS, S.; THOMAS, A. (1996) Temperament: Theory and Practice. In:

Temperament – Theory and Practice, Chess, S.; Thomas, A. (Orgs.): Brunner/Mazel, Publishers: New York.

FERREIRA (2003)

RIBEIRO, J.L.P. (2006). Desenvolvimento de uma escala de Auto-apreciação pessoal. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, disponível em http://www.fpce.up.pt, acedido a 26-04-2006 às 12:06.

RIBEIRO, J.L.P.; RIBEIRO, L. (2003). Estudo de validação de uma escala de autoconceito físico para homens jovens adultos. Análise Psicológica, 4(XXI): Lisboa.

REICH, W. Análise do carácter. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

VAZ SERRA, Adriano. (1988). O Auto-Conceito. Análise Psicológica, 2(VI): Lisboa.

VALENTE, Irene (2002). Autoconceito em Estudantes de Enfermagem. 1ª ed. Editora Quarteto: Coimbra.

Published
2016-02-11
Section
Articles