Educação especial: aspectos históricos e evolução conceptual

  • Sofia Margarida Guedes de Campos
  • Rosa Maria Lopes Martins

Abstract

No decorrer da existência humana, a perspectiva social em relação aos portadores de deficiências, nem sempre foi a mesma, sofrendo alterações paralelamente à evolução das necessidades do ser humano e à própria organização das sociedades. 

Segundo Jimenez (1997), a evolução conceptual da deficiência, pode dividir-se em três épocas: a primeira considerada pré-histórica e que engloba as sociedades primitivas e se prolonga até à Idade Média; a segunda, em que emerge a ideia de que os deficientes são pessoas a quem é preciso prestar assistência; e finalmente a terceira, corresponde a época actual, onde o conceito de Deficiência se desenvolve perspectivado em função de uma sociedade, que ideologicamente se afirma como sendo inclusiva. 

Nesta óptica, é importante salientar uma evolução conceptual de deficiência, entendida como uma construção subjectiva ao invés de uma realidade objectiva, decorrendo do facto, dos indivíduos se inserirem em contextos e sistemas ideo-políticos em que determinadas realidades podem ser consideradas ou não como desvios.

References

CORREIA, LUÍS M. (1999). Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares, Porto: Porto Editora.

FERNANDES, H. S. (2002). Educação especial – Integração das crianças e Adaptação das Estruturas de Educação. Braga: Edições APPACDM Distrital de Braga.

JIMÉNEZ, R. B. (1997). Educação Especial e Reforma Educativa, In. R. Bautista (Coord.), Necessidades Educativas Especiais, Lisboa: Colecção Saber Mais, Dinalivro.

MANJÓN, D.G. VIDAL, J.G. (1997). Educación Especial – Temario de oposiciones – Vol II. Madrid: Editoral EOS.

SIMÕES, M.D.F. E BOAVIDA J. (1999).“Náufragos” ou “astronautas”? Pós-Modernidade e Educação. Revista Portuguesa de Pedagogia. Ano XXXIII. Nº 1.

TOLEDO, M. G. (1981). La escuela ordinaria ante el niño con necesidades especiales. Madrid: Ed. Santillana.

VIEIRA, F.D. PEREIRA, M.C. (1996). SE HOUVERA QUEM ME ENSINARA…. LISBOA: FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN.

Published
2016-02-11
Section
Articles