Educação para a saúde: uma área construída por todos, com todos e para todos…

  • Fernando Jorge Costa Figueiredo

Abstract

A Comissão Organizadora do II Seminário Conversas de Família, realizado no Salão Nobre da Câmara Municipal de Lamego, no dia 6 de Maio de 2006, endereçou-nos o amável convite para intervirmos num painel intitulado Estilos de Vida, o qual aceitámos por nos parecer uma oportunidade de partilharmos as nossas experiências no âmbito da Educação para a Saúde.

Este Seminário colocou a ênfase na figura e no papel da Mulher. Efectivamente, este é um tema actual, mas não exclusivo da Sociedade dos nossos dias, ocidental e dita avançada. Por exemplo, hoje debate-se com frequência o facto de a mulher ter que exercer uma profissão remunerada, como forma de equilibrar a economia familiar, e todas as implicações que daí advêm. Quando analisamos algumas tribos cujo modo de vida se mantém praticamente inalterado desde os primórdios da nossa espécie, há aproximadamente 400 mil anos, podemos verificar o papel central da mulher na economia familiar e, concretamente, das mulheres pós-menopausa (um dos temas debatidos nesse mesmo Seminário). Para justificar o que acabámos de referir atentemos, por exemplo, no caso da tribo Hadza, composta por um pequeno grupo de caçadores colectores do Norte da Tanzânia, de aproximadamente 750 indivíduos. Nesta tribo, segundo Hawkes (citada em Angier, 2001), a caça é um bem colectivo o que implica que o seu produto seja dividido por toda a comunidade. Assim sendo, são os frutos silvestres, o mel e os tubérculos, produto da colecta feminina, nomeadamente das mulheres mais velhas, que fazem a diferença no bem-estar nutritivo das próprias famílias.

References

Abrantes, P. (2001). Reorganização Curricular do Ensino Básico – Princípios, Medidas e Implicações. Lisboa: Ministério da Educação.

Albuquerque, C. & Matos, A. (2003). Estilo de vida, percepção e estado de Saúde em estudantes do Instituto Politécnico de Viseu: influência da área de formação. Millenium, 28, 184-200.

Almond, L. & Dowling, F. (1987). Physical Education and Health Education. In K. David & T. Williams (Edt.s). Health Education (pp. 140-149). Londres: Harper & Row, Publishers.

Andrade, M. (1995). Educação para a Saúde. Lisboa: Texto Editora.

Angier, N. (2001). Mulher. Lisboa: Gradiva.

Carmo, I. (2000). Estratégias de Educação Alimentar nas Sociedades Desenvolvidas. In J. Precioso, F. Viseu, L. Dourado, M. Vilaça, R. Henriques & T. Lacerda (Org.s). Educação para a Saúde (pp. 433-436). Braga: Universidade do Minho.

Cohen, L. (1999). Leonard Cohen – Poemas e Canções. Lisboa: Relógio D’Água.

Corte-Real, N. (2000). O professor (de Educação Física) promotor de Saúde…e o conferencista que também o vai tentar ser. In J. Precioso, F. Viseu, L. Dourado, M. Vilaça, R. Henriques & T. Lacerda (Org.s). Educação para a Saúde (pp. 383-389). Braga: Universidade do Minho.

Farley, P. (1987). English and Health Education. In K. David & T. Williams (Edt.s). Health Education (pp. 140-149). Londres: Harper & Row, Publishers.

Hargreaves, A. (1998). Os professores em tempos de mudança. Amadora: McGraw-Hill.

Lessa, E. (2000). “Mãe, canta-me uma canção!” Um olhar sobre o valor da Música na Vida e Educação das Crianças. In J. Precioso, F. Viseu, L. Dourado, M. Vilaça, R. Henriques & T. Lacerda (Org.s). Educação para a Saúde (pp. 499-504). Braga: Universidade do Minho.

Mendonça, M. (2000). Educar Brincando. In J. Precioso, F. Viseu, L. Dourado, M. Vilaça, R. Henriques & T. Lacerda (Org.s). Educação para a Saúde (pp. 509-511). Braga: Universidade do Minho.

Morissete, D. & Gingras, M. (1994). Como Ensinar Atitudes. Porto: Edições Asa.

MSB – Ministério da Saúde do Brasil (s/d). Pressupostos de Educação em Saúde. Acedido em 18/ 4/ 2006 em http://www.saude.rj.gov.br/ViverSaude/Educa.htm

Navarro, M. (2000). Educar para a Saúde ou para a Vida? Conceitos e fundamentos para novas práticas. In J. Precioso, F. Viseu, L. Dourado, M. Vilaça, R. Henriques & T. Lacerda (Org.s). Educação para a Saúde (pp. 13-28). Braga: Universidade do Minho.

Sequeira, J. & Cruz, J. (2000). Promoção do bem estar psicológico através do exercício físico. In J. Precioso, F. Viseu, L. Dourado, M. Vilaça, R. Henriques & T. Lacerda (Org.s). Educação para a Saúde (pp. 377-382). Braga: Universidade do Minho.

Tones, K. (1987). Health Promotion, Afective Education and the Personal-Social Development of Young People. In K. David & T. Williams (Edt.s). Health Education (pp. 3-44). Londres: Harper & Row, Publishers.

Published
2016-02-11
Section
Articles