Adolescências... Adolescentes...

  • Manuela Ferreira
  • Paula Batista Nelas

Abstract

A adolescência é hoje conceptualizada como o período situado entre a infância e a vida adulta. Inicia-se com os primeiros indícios físicos da maturidade sexual e termina com a realização social da situação de adulto independente.

No mundo ocidental, corresponde mais ou menos à época entre os 12 e os 20 anos, contudo existem oscilações deste período etário impostas pelas diferenças entre os sexos, etnias, meios geográficos, condições sócio-económicas e culturais. 

Num mesmo meio, encontramos grandes variedades de indivíduo para indivíduo: há puberdades muito precoces e outras muito tardias. Por outro lado uma mesma pessoa em diferentes momentos tem diferentes ritmos de maturação. 

A adolescência é também um tempo de transição. Considerada no passado apenas como um breve interlúdio entre a dependência da infância e as responsabilidades da vida adulta atribuída ao jovem. Pouco depois da maturidade sexual, muitas vezes caracterizada por uma iniciação elaborada, o novo adulto trabalhava, casava e tinha filhos.

References

· AMARAL DIAS C. (1988). Para uma Psicanálise na Relação. Porto. Edições Afrontamento.

· AMARAL DIAS C.; NUNES VICENTE, T. (1981). A depressão no adolescente. Porto. Edições Afrontamento.

· AROSO, A. M. et al (1990). Gravidez e Parto na Adolescência. O Médico. Vol. 123, n.º 1990. Setembro, 128-134.

· BION, W. R. (1961). Experiences in Groups. London. Tavistock.

· BLOS, P. (1962). Adolescência. Uma Interpretação Psicanalítica. S. Paulo. Martins Fontes.

· BLOS, P. (1967). The second individuation process of adolescence. The

Psychoanalytic study of the Child. Vol. XXII, 162-186.

· BLOS, P. (1996). Transição adolescente. Porto Alegre. Artes Médicas.

· BRACONNIER, A.; MARCELLI, D. (2000). As mil faces da adolescência. Lisboa. Climepsi Editores.

· CABIÉ, M. C. GAMMER, C. (1999). A adolescência e a crise familiar. Lisboa. Climepsi Editores.

· COIMBRA DE MATOS, A. (1986). O primeiro amor. Psicologia, 1 (V), 39-43.

· DIAS CORDEIRO, J. C. (1988). Os adolescentes por dentro. Colecção Alter Ego Lisboa. Edições Salamanca.

· ERIKSON, E. (1968). Identy Youth and crisis. New York. Norton & Company.

· FIGUEIREDO, E. (1985). No reino de Xantum. Os jovens e o conflito de gerações. Porto. Edições Afrontamento.

· FLEMING, M. (1983). A separação Adolescente – Progenitor. Análise

Psicológica, 4 (III), 521-542.

· FLEMING, M. (1988). Autonomia comportamental na adolescência e percepções das atitudes parentais. Dissertação de Doutoramento em Ciências Médicas apresentada ao Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto. Porto.

· FLEMING, M. (1997). Adolescência e autonomia. O desenvolvimento psicológico e a relação com os pais. 2ª Edição. Porto. Edições Afrontamento.

· GISPERT, C. (1996). Programa de formação de educadores. Psicologia Infantil e Juvenil, 3. Liarte.

· GROTEVANT, H.; COOPER, C. (1985). Patterns of interaction in family

relationships and the development of identity exploration in adolescence. Child development. 56, 415-428.

· GROTEVANT, H.; COOPER, C. (1986). Individuation in family relationships: A perspective on individual differences in the development of identity and role taking in adolescence. Human development. 29, 82-100.

· LAMBORN, S.; STEINBERG, L. (1993). Emotional autonomy redux: Revisiting Ryan and Lynch. Child Development, 64, 483-499.

· LEAL, I. (2000). Gravidez e maternidade na adolescência. Sexualidade e Planeamento familiar. N.º 27/28. Julho/Dezembro, 23-26.

· LIDZ, T. (1983). A pessoa: seu desenvolvimento durante o ciclo vital. A

Adolescência. Porto Alegre. Artes Médicas.

· MACHADO, G. (1985). Representação da Vinculação e Percepção da Qualidade da Relação Adolescente – Pais. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica do Desenvolvimento apresentada à Faculdade de Psicologia e Ciências da educação da Universidade de Coimbra. Coimbra.

· MAHLER, M. S. (1981). La Symbiose Humaine et les Vicissitudes de

L’individuation, in Dix Ans de psychanalyse en Amérique. Anthologie du Journal of the American Psychoanalytic Association. Paris. P.U.F.

· MEAD, M. (1970). O Conflito de gerações. Lisboa. Publicações D. Quixote.

· MEAD, M. (1975). Adolescência, sexo e cultura Samoa. Barcelona. Editorial Laia.

· MONTEIRO, A. A. (1985). Gravidez na adolescência: Panorama mundial e nacional. O Médico, 529-532.

· MUUSS, R. (1976). Teorias da adolescência. Belo Horizonte. Interlivros.

· PEREIRA, F. (1991). Autoconceito e resultados escolares na adolescência. Análise psicológica, 2 (IX), 145-150.

· RELVAS, A. P. (1996). O Ciclo Vital da Família. Perspectiva sistémica. Porto. Afrontamento.

· ROBERTS, D. A. (1988). Adolescência. Nursing, 10 (Novembro), 23-27.

· SALGUEIRO, E. (1990). Breves reflexões sobre o narcisismo e o objecto estético na adolescência. Revista portuguesa de Psicanálise, 8, 71-75.

· SAMPAIO, D. (1993). Vozes e ruídos: Diálogos com adolescentes. Lisboa. Editorial Caminho.

· SAMPAIO, D. (1995). Inventem-se novos pais. Lisboa. Editorial Caminho.

· SAMPAIO, D. (1997). A cinza e o tempo. 4ª Edição. Lisboa. Editorial Caminho.

· SANTOS, T. M. (1966). Noções de psicologia do Adolescente: Para uso das faculdades de Filosofia, dos Institutos de Educação e das Escolas Normais. 3ª Edição. S. Paulo. Companhia editora Nacional.

· SOARES, I. CAMPOS, B. (1988). Vinculação e autonomia na relação do

adolescente com os pais. Cadernos de Consulta Psicológica, 4, 57-64.

· SPRINTHALL, N. E COLLINS, A. W. (1994). Psicologia do adolescente: Uma abordagem desenvolvimentalista. Lisboa. Fundação Calouste Gulbenkian.

· STENBERG, L. (1987). Impact of puberty on family relations: Effects of pubertal status and pubertal timing. Development Psychology, 24, 122-128.

Published
2016-02-11
Section
Articles