Do mito aos mitos irrecicláveis: reflexões

  • Ana Maria Marques da Costa Pereira Lopes

Abstract

No Dicionário da Língua Portuguesa encontramos as seguintes definições de mito: narrativa fabulosa de origem popular; relato das proezas de deuses ou de heróis, susceptível de dar uma explicação do real satisfatória para um espírito primitivo; alegoria, etc. O Dicionário esclarece ainda que a palavra mito provém do grego mÿthos, que significa palavra expressa, dando mais tarde origem à palavra latina mythu, que significa fábula.

Nenhuma das definições anteriores parece convincente no contexto da sociedade pós-industrial, pós-capitalista, pós-moderna, pós-humana(?) em que vivemos. Assim, e porque esta matéria me interessa, tanto em termos pessoais, como académicos, centro-me em obras que abordem a temática com maior acuidade. 

Começo com um nome que dispensa apresentações: Mircea Eliade (quem não conhece O Mito do Eterno Retorno?) Porém, também a sua visão poderá parecer pouco esclarecedora no que toca aos mitos que a sociedade contemporânea tem vindo a privilegiar. 

Published
2016-02-15
Section
Articles