Sida e a mulher

  • Cláudia Chaves
  • Maria José Ramalho
  • Paula Carrilho
  • Teresa Araújo

Abstract

Os padrões epidemiológicos da pandemia do VIH/SIDA estão a mudar, fazendo prever que, nos próximos anos, o ratio homem/mulher seja de 1:1. Isto é tanto mais verdade em localizações geográficas onde a transmissão do vírus por via heterossexual é a predominante, com particular relevância para os países em vias de desenvolvimento. De entre estes, África merece destaque, já que aí as cifras assustadoras relativas a esta doença traduzem, de facto, a precariedade da condição de mulheres e crianças. 

As mulheres são, no presente, o grupo mais vulnerável à SIDA, não só pelas suas condições anatomofisiológicas, mas também pela sua situação social, económica e cultural. O seu papel na família, como cuidadora, parceira sexual e, eventualmente, mãe coloca-as face aos desafios de uma doença que, apesar de crónica, tem, ainda hoje, um desfecho fatal. 

Simultaneamente vítima e portadora/mensageira da doença, a mulher é confrontada com os seus comportamentos passados ("vítima culpada") ou acaba por se ver presa numa teia de contaminações sucessivas. Com frequência, começa por ser contaminada pelo seu parceiro sexual (muitas vezes, como verdadeira "vítima inocente", já que desconhece condutas e passado do homem com quem vive), tornando-se, depois, ela própria, transmissora da doença aos filhos que, provavelmente, tanto quis proteger. Em 80% dos casos de SIDA pediátrica a génese pode ser encontrada na transmissão vertical.

References

· PAIXÃO, M. T. – SIDA : a situação em Portugal em 30 de Junho de 2004. AIDS Portugal. [em linha]. 2004. [consult. 8-3-2005]. Disponível em www: http://aidsportugal.com/print.php?sid=3890>.

· BASTOS, A. I. et al. (1995). As mulheres e a SIDA. Análise Psicológica, XIII, 1- 2, 79-94.

· CAMPOS, I.; ANTUNES, B. (1998). SIDA na prática ginecológica. O Médico, 118, 1878, 468--474.

· CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS (2000). SIDA: A situação em Portugal a 30 de Junho de 2000. Informação SIDA. Lisboa, Comissão Nacional de Luta Contra a SIDA, Doc. 121.

· COMITÉ CONSULTATIF NATIONAL D'ETHIQUE POUR LES SCIENCES DE

LA VIE ET DE LA SANTÉ (1999). Problèmes éthiques posés par le désir d'enfant chez des couples où l'homme est séropositif et la femme séronégative. Retrived August 6, 2000 from the World Wide Web: http://www.ccneethique. org/francais/avis/a_056.htm.

· DOROANA, M. (1999). Aspectos peculiares da infecção VIH na mulher. GWDivulgação Hospitalar, II, 2-3, 52-59.

· GRAÇA, Luís (1992). Trabalho em equipa numa nova lógica da organização do trabalho e de participação da gestão. Revista Portuguesa de Saúde Pública. Lisboa, X, 1 (Jan./Março), 5-18.

· GRILO, A. M. (1998). Vivência da sexualidade nos seropositivos e doentes com SIDA: haverá lugar para o sexo após a notificação do teste para o VIH?. Informação SIDA, II, 6, 16-18.

· HENRION, R.; MANDELBROT, L. (1997). SIDA y embarazo. In

Enciclopedia Médico--Quirúrgica. Ginecologia y Obstetrícia. Paris, Elsevier Medicale, 1-14.

· HOYT, L (1998). Infecção VIH em mulheres e crianças. Cuidados especiais na prevenção e tratamento. Postgraduate Medicine, 10, 5, 58-63.

· LANDESMAN, S. H. et al. (1997). Os factores obstétricos e a transmissão de mãe para filho do vírus da imunodeficiência humana de tipo 1. Obstetrícia e Ginecologia, XX, 8, 287-289.

· MANDELBROT, L. et al . (1997). Natural conception in HIV-negative women with HIV--infected partners. Lancet, 349, 9055, 850-854.

· Human immunodeficiency virus type 1-serodiscordant couples can bear healthy children after undergoing intrauterine insemination. Infertility, 70, 1, 35-39.

· MELLADO, M. J. et al. (1999). SIDA pediátrico. In V. Soriano, J. González-Lahoz. Manual del SIDA, 3ª Ed. Madrid, Idepsa, 621-639.

· MUNDY, L. M.; FRASER, V. J. (1999). Temas relacionados à mulher. In W. G. Powderly. Manual de Terapêutica de HIV. Porto Alegre, Artes Médicas, 90-97.

· MUÑOZ-FERNÁNDEZ., M. A. (1999). Diagnóstico de la infección perinatal por VIH-1. In V. Soriano, J. González-Lahoz. Manual del SIDA, 3ª Ed. Madrid, Idepsa, 116-121.

· OLIVEIRA, A. P.; FARIA, C. (2000) Desejo de ter um filho em casais

discordantes cujo homem é seropositivo para o VIH-1. Actas do 3º Congresso de Psicologia da Saúde. Lisboa, ISPA, 135-148.

· OMS (1988). Apprendre ensemble pour oeuvrer ensemble au service de la sauté. Rapport d’un groupe d’étude de l’OMS sur la formation pluriprofessionnelle du personnel de santé : la formation en équipe. Genève, OMS (Série de rapports techniques, 769).

· PINTO, A. C. M. (1995). SIDA, gravidez e maternidade. Análise Psicológica, XIII, 1-2, 73-77.

· REMIEN, R. H. (2000). Assited Pregnancies. The body: an AIDS and HIV information resource. Retrieved August 6, 2000 from the World Wide Web: http://www.thebody.com/cgi/couples_ans/9637/Ass.html.

· SANTOS, A. A. (1997). Os pilares da nova genética: eficácia, prudência e razão. COMMUNIO, XIV, 5, 453-460.

· SEMPRINI, A. et al. (1997). Reproductive counselling for HIV-discordant couples. Lancet, 349, 9062, 1401-1402.

· SILVESTRE, M. (2000). Repercussões da infecção VIH na fertilidade. Informação SIDA, IV, 21, 20-23.

· SORIANO, V.; GONZÁLEZ-LAHOZ, J. (1999). Mecanismos de transmisión y estrategias de prevención de la infección por el VIH. In V. Soriano, J. González-Lahoz. Manual del SIDA, 3º Ed. Madrid, Idepsa, 194-207.

· SPERLING, R. S. et al. (1998). A carga viral materna, o tratamento com

Zidovudina e o risco de transmissão do vírus da imunodeficiência humana de tipo 1 de mãe para filho. Obstetrícia e Ginecologia, XXI, 9, 262-264.

· TEIXEIRA, J. A. C. (1996). A SIDA no feminino do plural: as mulheres e a infecção pelo VIH. Análise Psicológica, XIV, 2-3, 367-370.

· VAN VLIET, A.; ROOSMALEN, J. (1998). A prevenção em todo o mundo da transmissão do vírus da imunodeficiência humano (VIH). Obstetrícia e

Ginecologia, XXI, 9, 279-288.

· WATTS, D. H. (1999). HIV em mulheres grávidas. In W. G. Powderly. Manual de Terapêutica de HIV. Porto Alegre, Artes Médicas, 98-104.

Published
2016-02-15
Section
Articles