Direitos e valores fundamentais no início da vida humana

  • Ernestina Maria Veríssimo Batoca Silva
  • Daniel Marques da Silva

Abstract

Com o aumento dos conhecimentos sobre a vida intra-uterina, ao permitir visualizar, avaliar e intervir durante esse tempo da vida humana, hoje é possível uma melhor protecção dos direitos humanos desde o seu início. Reconhecem-se hoje os direitos da criança desde o período germinal, período embrionário e fetal. Vivemos também um período de crescimento de toda uma cultura que valoriza a relação mãe/filho desde o início da gestação. 

Aparentemente, os resultados do progresso dos conhecimentos e da tecnologia seriam para defender a vida humana de agressões lesivas da sua própria humanidade.

Porém, na realidade, o conhecimento antecipado de que ele sofre de doenças graves ou que corre riscos de nascer prematuro permitirá algumas vezes a sua cura ou encaminhamento da mãe para centros diferenciados, mas noutros casos permitirá reconhecer a sua inviabilidade ou que possui uma deficiência definitiva e irremediável que poderá provocar sentimentos de ambivalência nos pais sendo angustiante a decisão de abortar ou não.
Entendemos que os pais, por vezes, enfrentam dilemas éticos de difícil resolução e que no uso da sua autonomia e após ter sido fornecido o consentimento informado, é a eles que cabe a decisão dos caminhos a traçar.  

Neste sentido, pretendemos sensibilizar os profissionais de saúde para o respeito da autonomia e dignidade dos pais, mas ao mesmo tempo motivar para a defesa e salvaguarda dos Direitos e valores subjacentes à vida humana seja do embrião, feto, recém-nascido – CRIANÇA.

References

BISCAIA, Jorge – Os direitos do feto. Cadernos de Bioética. Ano XI, nº 24 (Dez. 2000), p.31-42.

BISCAIA, Jorge – Problemas éticos do período perinatal. In NEVES, Mª do Céu Patrão, cord. – Comissões de ética. Das bases teóricas à actividade quotidiana, 2ª ed. Revista e aumentada. Coimbra: Gráfica de Coimbra, 2002. p. 273-290.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA – Actualizada de acordo com a Lei Constitucional nº 1/97 de 20 de Setembro. Coimbra: Livraria Almedina, 1999.

GOLD, Francis – Problèmes éthiques en médecine foetale et neónatale. In Foetus et nouveau-né de faible poids. 2ª ed.. Paris: Masson, 2000. p. 201-208.

KURJAK, A. – The beginning of human life and its modern scientific assessment. Clinics in Perinatology. Nº 30 (Mar. 2003), p. 27-44.

LEANDRO, Armando Gomes – O revisitar dos direitos da criança. A defesa da criança na lei portuguesa. Cadernos de Bioética. Ano XI, nº 24 (Dez. 2000), p. 3-11.

LEI nº 6/84. DR. I Série. Nº 109 (1984-05-11), p. 1518-1519.

LEI nº 90/97. DR. I Série A. Nº 174 (1997-07-30), p. 3930-3931.

MACIEL, Andreia – Há mais condições para os prematuros sobreviverem com qualidade. Pais e Filhos. Nº 153 (Out. 2003), p. 28-32.

MATEI, Jean-François - L’enfant oublié – ou les folies génétiques. Paris: Éditions Albin Michel SA, 1994.

NETO, Maria Teresa – Nascer prematuro em Portugal – uma história de sucesso. Revista Ordem dos Médicos. Vol. 19, nº 38 (Set. 2003), p. 44- 45.

PAIXÃO, Anabela – Problemas éticos no principio da vida humana: cuidados intensivos neonatais. Cadernos de Bioética. Ano XI, nº24 (Dez. 2000), p. 41-49.

SERRÃO, Daniel – A criança nos umbrais da pós-modernidade. Cadernos de Bioética. Ano XI, nº 24 (Dez. 2000), p. 13-20.

Published
2016-02-15
Section
Articles