Homem, a ciência e a bioética

  • João Rui Duarte Farias Nogueira
  • Rui Pedro Cardoso Loureiro
  • Ernestina Maria Veríssimo Batoca Silva

Abstract

O Homem actual continua com a (e pela) ciência, a gozar das inovações que quase diariamente ela lhe proporciona, a acreditar no seu potencial benéfico, a investir no seu fomento, a aceitá-la como indiscutível e dogmático factor do seu próprio desenvolvimento. Mas o uso de algumas descobertas científicas, vieram demonstrar que a ciência nem sempre se faz a favor, mas algumas vezes contra o Homem. 

A ficção tornou-se realidade e ao Homem parece nada ser impossível. Os únicos limites apontados à ciência são os que ela própria encerra, decorrentes de conhecimentos ainda não plenamente desenvolvidos e capacidades ainda não totalmente dominadas. Mas estes limites intrínsecos à ciência afinal são sempre provisórios e ultrapassáveis. 

É neste progresso desenfreado que urge dominar, orientar o seu desenvolvimento, o que exige o estabelecimento prioritário de limites nas área de investigação a empreender. O problema do aparente irreprimível progresso científicotecnológico vem a ser travado pela bioética, entendida então primariamente como um meio de imposição de limites à ciência, através da criação de orientações diversas de pensamento e de acção que determinam modos de pensar e agir, de interpretar e de intervir, às vezes bem distintos entre si, e de normas que regulamentam algumas intervenções. 

O problema que se evidencia então como prioritário é o de defender a dignidade do Homem, de preservar a sua identidade face ao perigo eminente da sua artificialização. Exige-se assim uma reflexão sobre a especificidade do ser Homem que venha a possibilitar, com uma legitimidade acrescida fundada na identidade do Homem, o estabelecimento de parâmetros para a intervenção científico-tecnológica. Esta só se justificará na medida em que promova as condições de realização do Homem, que contribua para a perfectibilidade do seu modo de ser e de existir. 

References

ANTUNES, Alexandra – Consentimento informado. In NUNES, Rui; SERRÃO, Daniel – Ética em cuidados de saúde. Porto: Porto Editora, 1998. ISBN 972-0-06033-6. p. 13- 19.

BERNARD, Jean – Evolução da ética e da biologia. Acção Médica. Porto: Associação dos Médicos Católicos Portugueses. Nº 3 (1992), p. 29-32.

BERNARDO, O. P. – Perspectivas sobre bioética. Acção Médica. Porto: Associação dos Médicos Católicos Portugueses. Nº 3 (1992), p. 33-40.

BISCAIA, Jorge – Bioética e saúde. Acção Médica. Lisboa: Associação dos Médicos Católicos Portugueses. Nº1 (2003), p.9-15.

NEVES, M. Patrão – A bioética de ontem, hoje e amanhã: interpretação de um percurso. In ARCHER, Luís [et al.] – Novos desafios à bioética. Porto: Porto Editora, 2001. ISBN 972-0-06036-0. p. 20-30.

OSSWALD, W. – A bioética de ontem, hoje e amanhã: interpretação de um percurso. In ARCHER, Luís [et al.] – Novos desafios à bioética. Porto: Porto Editora, 2001. ISBN 972-0-06036-0. p. 9-12.

RENAUD, Michel – A bioética de ontem, hoje e amanhã: interpretação de um percurso. In ARCHER, Luís [et al.] – Novos desafios à bioética. Porto: Porto Editora, 2001. ISBN 972-0-06036-0. p. 13-19.

SERRÃO, Daniel – A ética e os valores em saúde: o desenvolvimento humano e a prestação de cuidados. Acção Médica. Lisboa: Associação dos Médicos Católicos Portugueses. Nº1 (2001), p. 5-15.

Published
2016-02-15
Section
Articles