Ensino clínico na formação em enfermagem

Authors

  • Daniel Marques da Silva
  • Ernestina Maria Veríssimo Batoca Silva

Abstract

No currículo dos cursos superiores de enfermagem existem estágios – ensinos clínicos – que se realizam em instituições de saúde ou na comunidade, em diferentes contextos da actividade profissional do enfermeiro. Este ensino clínico, vulgarmente designado por estágio, é, na perspectiva de Martin (1991:162), “um tempo de trabalho, de observação, de aprendizagem e de avaliação, em que se promove o encontro entre o professor e o aluno num contexto de trabalho”. Para Vasconcelos (1992:28) “os estágios destinam-se a complementar a formação teórico-prática, nas condições concretas do posto de trabalho de uma organização que se compromete a facultar a informação em condições para isso necessárias”. 

Revestem-se de grande importância os ensinos clínicos de enfermagem e as Escolas Superiores de Enfermagem, com as instituições prestadoras de cuidados de saúde, têm grande responsabilidade em facilitar aos estudantes o desenvolvimento de capacidades para a prática de enfermagem, pois o ensino clínico “permite a consciencialização gradual dos diferentes papéis que o enfermeiro é chamado a desenvolver e das competências requeridas para o seu desempenho” (Matos, 1997:9). 

É integrados na equipa de enfermagem que os alunos estabelecem relações mais equitativas e próximas entre os enfermeiros do exercício, aprendendo com eles a “enfermagem prática” e a facilitar a inserção futura no mundo do trabalho através das regras de funcionamento da organização.
A par desta dimensão de socialização há outras competências adquiridas em contexto de trabalho: o trabalho em equipa, a organização individual do trabalho, as relações interpessoais, a partilha de responsabilidades, aprender a aprender com as novas situações, a comunicação e a decisão individual ou em grupo perante situações novas. Só com plena interacção entre o indivíduo, a formação e o contexto de trabalho os processos formativos desenvolvem capacidades de resolução de problemas e de pensamento criativo.

References

AMADOR, M.ª Virtuosa Pereira - Educação em enfermagem: uma análise etnográfica de colaboração serviços:escolas nos estágios clínicos. São Paulo: [ed. Autor], 1991.

BRITO e COSTA, M. M. Gonçalves – A procura da identidade. Enfermagem. (2ª série), nº 12 (Dezembro 1998), p. 5-7.

CABRITO, B. Gil - Formação em alternância: conceitos e práticas. Lisboa: Educa, 1994.

CORREIA, José Alberto - A escola enquanto organização qualificante: conferência apresentada no 2º Workshop sobre o tema “Actores, contextos e práticas da formação em enfermagem: que problemas?”. Organização do Departamento dos Recursos Humanos da Saúde. Coimbra: E S E B Barreto, 29/11/1995.

CORREIA, Mª A. Bandeira – Formar para cuidar. Informar, ano II, n.º 4 (1996), p. 5- 10.

COSTA, Mª Arminda S. Mendes - Formação prática dos enfermeiros. Enfermagem, nº6 (Out./Nov./Dez. 1995), p. 6-16.

COURTOIS, B. – La formation en situation de travail: une formation expérientielle ambiguë. Education Permanent, nº. 112 (1992).

CROTTY, Margaret - The changing role of the nurse teacher. Nursing Education Today. Vol. 13, nº 6 (1993), p. 415-420.

DARRAS, E. – A investigação em enfermagem: reflexões epistemológicas e metodológicas. Enfermagem. n.º 7 (2ª série) (Jul. /Set. 1997), p. 46-53.

ESPADINHA, A; REIS, M. – A colaboração escola-serviços. Nursing. Ano 10, n.º 114 (Set. 1997), p. 31-34.

EVERS, George – O papel futuro da enfermagem e das enfermeiras na União Europeia. Enfermagem. N.º 5 (2ª série) (Jan. /Mar. 1997), p. 11-17.

FERNANDES, Evaristo V. – Novo estado sócio-industrial, impactos no século XXI.Santa Maria da Feira: Edipanta, 2001.

FIGUEIREDO, M.ª do Céu Barbieri - Do ensino à prática. Enfermagem em Foco. Ano V (n.º especial, 1995), p. 16-19.

FIGUEIREDO, M.ª do Céu Barbieri – Enfermagem que futuro. Rev. Sinais Vitais, n.º 20 (Set. 1998), p.8-9.

FRANCO, J. J. Sousa – Orientação dos alunos em ensino clínico de enfermagem: problemáticas específicas e perspectivas de actuação. Rev. Investigação em Enfermagem. N.º 1 (Fev. 2000), p. 32-49.

GONÇALVES, M. M. [et al.] – Contributos para a articulação ensino-exercício: uma abordagem teórica. Enfermagem em Foco. N. º 20 (Agosto/Out. 1995), p. 40-46.

GUERRISH, Kate - The nurse teachers’ role in the practice setting. Nurse Education Today. Vol. 12, nº 3 (1992), p. 227-232.

HESBEEN, Walter – Cuidar no hospital: enquadrar os cuidados de enfermagem numa perspectiva de cuidar. Lisboa: Lusociência, 2000.

HINCHLIFF, Susan M. - Enseñanza de enfermería clínica. México: Nueva Editorial Interamericana, 1982.

JARVIS, Peter - Theory and practice and the preparation of teachers of nurse. Nurse Education Today.Vol. 12, nº 4 (1992), p. 256-265.

JESUS, Saúl Neves - Promoção de competências cognitivo-motivacionais e de investigação nos professores. Revista Portuguesa de Pedagogia. Vol. XXVII, nº 3 (1993), p. 439-456.

KIM, Suzie Hesdok - Putting theory into practice: problems and prospects. Journal of Advanced Nursing. Vol. 18, nº 10 (1994), p. 1632-1639.

LESNE, Marcel– Trabalho pedagógico e formação de adultos: elementos de análise. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

MARQUES, M.ª Margarida Ferreira - O partenariado na escola. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, Ministério da Educação, 1996.

MARTIN, Christianne - Soigner pour apprendre-acquérir un savoir infirmier. Paris: LEP, 1991.

MATOS, E. T. – A colaboração escola-serviços. Nursing. Ano 10, n.º 114, (1997) p. 31-34.

McCARTHY, Margaut - Mudanças nos cuidados de saúde e formação dos enfermeiros no Século XXI. Luxemburgo: Comissão das Comunidades Europeias, Comité Consultivo para a Formação no domínio dos Cuidados de Enfermagem, 1987.

MENDONÇA, M.ª Teresa - Docentes de enfermagem: como articular teoria e prática? Informar. Ano II, nº6 ( Julho/Set. 1996), p. 18-20.

MERINI, Corinne – Le partenariat en formation: espace d’ interculturalité. In ESTRELA, Albano [et al.] – Formação, saberes profissionais e situações de trabalho. Vol. I, VI Colóquio Nacional, 16, 17 e 18 de Nov. de 1995, 1996.

MESTRINHO, M.ª Guadalupe - Teoria e prática, uma relação possível. Sinais Vitais. Nº 11 (Março 1997), p. 35-38.

MILLER, Audrey - The relationship between nursing theory and nursing practice. Journal of Advanced Nursing. Nº 10 (1985), p. 417-424.

NEGRÃO, Pita [et al.] – A colaboração escola-serviços: descrição de uma experiência. Nursing. Ano 6, n.º 68 (Set. 1993), p. 7-9.

NEVES, António Oliveira; PEDROSO, Paulo - A formação em alternância e a participação empresarial: algumas reflexões centradas no sistema de aprendizagem.Formar. Nº 10 (Fev./ Mar./ Abril 1994), p.31-39.

NÓVOA, António; FINGER, Mathias - O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS,1988.

OLIVEIRA, Irene; NEVES, Lúcia - Fosso teoria/prática na formação de enfermagem: mito ou realidade? Informar. Nº 1 (Abril/Junho 1995), p. 7-10.

OMS – La pratique infirmière. Genève. Série de Rapports Techniques. N.º 860, 1996.

PHANEUF, Margot – O acompanhamento sistemático das clientelas: um sistema de prestação de cuidados para o ano 2000. Coimbra: AEEEMC, 1999.

PIRES, Ana Luísa Oliveira - As novas competências profissionais. Formar. Nº 10 (Fev./ Mar./ Abril 1994), p. 4-19.

REBELO, Mª Teresa Santos – Os discursos nas práticas de cuidados de enfermagem: contributo para análise das representações sociais. Rev. Sinais Vitais. Nº 9 (Nov. 1996), p. 13-18.

RIBEIRO, Lisete Fradique - Cuidar e tratar: Formação em enfermagem e desenvolvimento sócio-moral. Lisboa: Educa e Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, 1995.

RIBEIRO, Lisete Fradique [et al.] - O texto e o contexto nas tendências de enfermagem. Revista Portuguesa de Saúde Pública. Vol. 14, nº 4 (Out./Dez. 1996), p. 25-37.

ROYER-RASTOLL, P. - Pour une nouvelle formation par alternance. Soins Formation-Pédagogie-Encadrement, 2º trimestre, nº 6 (1993) p. 4-11.

SÁ-CHAVES, Idália; ALARCÃO, Isabel – Supervisão de professores e desenvolvimento humano: uma perspectiva ecológica. In: SÁ-CHAVES, I. (org.) – Formação, conhecimento e supervisão – contributos nas áreas da formação de professores e de outros profissionais. Estudos Temáticos, 1. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2000. P. 143-159.

SALGUEIRO, Nídia – As enfermarias – escola: laboratórios de enfermagem e serviços piloto. Referência. Nº 2 (Março 1999) p. 81-86.

SANTOS, M.ª Teresa Silva - A investigação como um meio para desenvolver a relação docência-exercício de enfermagem. Enfermagem. Nº 5/6 (Jul./Dez. 1986), p. 28-31.

SPENCE, Deborah - The curriculum revolution: can education reform take place withhout a revolution in practice? Journal of Advanced Nursing. Vol. 19, nº 1 (1994), p. 187-193.

TOMÉ, Clarisse - Formação inicial dos jovens em regime de alternância. Revista Educação. Nº 5 (1992), p. 54-62.

VASCONCELOS, Eduardo - Receba bem o estagiário. Formar. Nº 7 (Ago./Set./Out. 1992), p.28-31.

WONG, Julia; WONG, Shirley - Towards effective clinical teaching in nursing. Journal of Advanced Nursing. Vol. 12, nº 4, (1987), p. 505-513.

Published

2016-02-15

Issue

Section

Articles