Escolas superiores de enfermagem: que contributos face ao desafio do envelhecimento?

  • Rosa Maria Lopes Martins

Abstract

Numa breve leitura dos documentos que integram a moldura legislativa das instituições do ensino superior, podemos constatar que as escolas superiores são conceptualizadas como “centros de formação cultural e técnica de nível superior às quais cabe ministrar a preparação para o exercício de actividades profissionais altamente qualificadas e promover o desenvolvimento das regiões em que se inserem” (Art.º 2º da Lei 54/90 de 5 de Setembro)

Esta função é especificamente reforçada pelo D. Lei n.º 480/88, de 23 de Dezembro, quando nas várias competências atribuídas às escolas de enfermagem enfatiza o desenvolver a investigação científica e técnica do seu âmbito, bem como a obrigatoriedade de colaborar no desenvolvimento sanitário das regiões onde estão inseridas.”

A própria Lei de Bases do sistema educativo, que também se aplica ao ensino de Enfermagem, destaca nos diferentes objectivos a necessidade de “formar diplomados para a participação no desenvolvimento da sociedade portuguesa e na sua formação contínua e estimular o conhecimento dos problemas do mundo de hoje em particular os nacionais e regionais, prestar serviços à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade.”

References

BERGER, Louise – Cuidados de enfermagem em gerontologia. In BERGER, Louise ;

MAILLOUX-POIRIER, Danielle – Pessoas idosas: uma abordagem global. Lisboa: Lusodidacta, 1995. ISBN 972-95399-8-7. p. 11-19.

BERGER, Louise ; MAILLOUX-POIRIER, D. M. – Pessoas idosas: uma abordagem global. Lisboa : Lusodidata, 1995. ISBN 972-95399-8-7.

CANÁRIO, R. – O estabelecimento de ensino no contexto local. In Inovação e projecto educativo de escola. Lisboa : Educa, 1997.

COSTA, M. Arminda M. – Enfermeiros: dos percursos de formação à produção de cuidados. Lisboa : Edições Fim de Século,1998. ISBN 972-754-125-9.

COSTA, M. Arminda M. – Questões demográficas: repercussões nos cuidados de saúde e na formação dos enfermeiros. In O idoso: problemas e realidades. Coimbra : Formasau, 1999. ISBN 972-8485-07-7. p. 7-22.

HUBERMAN, A. – Como se realizar as mudanças em educação. São Paulo : Ed. Cultura, 1973.

NÓVOA , António – A formação tem que passar por aqui : as histórias de vida no projecto prosalus. In – NÓVOA, A. ; FINGER, M. – O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa : MS/DRHS, 1998. p. 107-130.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – Enfermagem e midwife: health 21. 1999.

PORTUGAL. Direcção Geral da Saúde – Estudo da qualidade de vida do idoso: aplicação de um instrumento de avaliação: relatório. [Lisboa] : Direcção - Geral da Saúde, 1995.

PORTUGAL. Ministério da Saúde – Os mais velhos: relatório de actividades. Lisboa : Ministério da Saúde, 1998.

PORTUGAL. Ministério da Saúde ; Ministério da Solidariedade e Segurança Social – Programa de Apoio Integrado a Idosos /PAII: relatório de actividades. Lisboa : Ministério da Saúde, Ministério da Solidariedade e Segurança Social, 1996.

Published
2016-02-15
Section
Articles