Postpartum home visits

  • Estela Almeida
  • Paula Nelas
  • João Duarte
Keywords: postpartum, home visits, assessment, postpartum women

Abstract

The relevance of this topic is justified by the importance of family health care and maternity support as “the aims of families health care in pregnancy are not only a healthy pregnancy as well as a healthy newborn and confident and prepared parents in their new roles” (Rice, 2004: 412). This is a quantitative, descriptive, co-relational and transversal study which aims to acknowledge the existence of a relationship between the home visit’s assessment and some variables (socio-demographic and obstetric). The sample comprised 175 postpartum women with an age average of 28.47 entered in a Health Unit of Custom Care - Unidade de Cuidados Saúde Personalizados (UCSP) from Resende, Lamego and Santa Marinha do Zêzere as also in a Family Health Unit - Unidade de Saúde Familiar (USF) - Douro Vita, Portugal. The data compilation enables us to do a socio demographic and obstetric description which includes the Postpartum Home Visit’s, which was made and validated for this purpose. The data compilation instrument was applied in our first home visit in a postpartum period. The results suggest that the variables age, education and the number of previous pregnancies influence the postpartum home visits’ assessment. This way, the older mothers who attended the secondary education, who had three previous pregnancies are the ones that give a better assessment to the postpartum home visits’. From the obtained results we conclude that the nursing intervention together with the postpartum woman and her family in her context contributes to a better adjustment of the nursing care and allows the couple and the family to express their difficulties and feelings. We believe that the home visit to the postpartum mother/newborn and family are a supporting and helping strategy which provides support and advice and thereby allows a better adjustment to parenthood.

References

• Alarcão, Madalena (2006). (Des) Equilíbrios familiares: uma visão sistémica. Psicologia Clínica e Psiquiatria. (3ª ed.). Coimbra: Editora Quarteto.

• Almeida, Estela & Araújo, Alice (2005). Influência do acolhimento na ansiedade da parturiente/puérpera. Dissertação de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica. Viseu: Escola Superior de Saúde de Viseu.

• Amorim, Sónia Patrícia (2010). Tristeza pós-parto – importância do diagnóstico precoce. Ponte de Lima: Universidade Fernando Pessoa. Disponível em <http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1574/1/MONO_17381.pdf>.

• Aragão, E. et al. (2009). Suporte social e stress: uma revisão da literatura. Psicologia em Foco, Vol. 2. Aracaju.

• Arrais, A. R. (2005). As configurações subjetivas da depressão pós-parto: para além da padronização patologizante. Brasília: Universidade de Brasília.

• Azevedo, Maria (2007). Cuidar da mãe e do filho, contributos dos cuidados de enfermagem, nos primeiros dias após o nascimento. Disponível em <http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/7174/2/>.

• Bacatum, Cláudia et al. (2008). A importância da visita domiciliária no período pós-parto. Enfermagem, nº51, 46-51. Lisboa.

• Basto, Marta (2009). Investigação sobre o cuidar de enfermagem e a construção da disciplina: Proposta de um percurso. Pensar Enfermagem, Vol. 13, N.º 2, 11-18. Lisboa.

• Bobak, Irene M., Lowdermilk, Deitra L. & Jensen, Margaret D. (1999). Enfermagem na maternidade. (4ª ed.). Loures: Lusociência.

• Branden, Pennie S. (2000). Enfermagem materno-infantil. (2ªed.). Rio de Janeiro: Reichmann & Afonso.

• Burd, M. & Mello, J. (2007). Doença família. (2ª ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

• Coutinho, Maria & Saraiva, Evelyn (2008). Depressão pós-parto: considerações teóricas. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1808-42812008000300014&script=sci_arttext>.

• Couto, Germano (2002). Preparação para o parto: Representações mentais de um grupo de grávidas de uma área urbana e de uma área rural. Disponível em <http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/9730>.

• Cruz, E., Simões, G. & Cury, A. (2005). Rastreamento da depressão pós-parto em mulheres atendidas pelo programa de saúde da família. Ginecologia e Obstetrícia, Vol. 27, nº .4, 1-20.

• Decreto-Lei n.º 88/2005, de 3 de Junho. Diário da República, I série-A, N.º 107, de 3 de Junho de 2005.

• Duarte, João Carvalho (20008). Privação do sono, rendimento escolar e equilíbrio psicoafectivo na adolescência Disponível em <http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/19371>.

• Eurostat (2009). European demography. EU27 population 501 million at 1 January 2010. Disponível em <http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_PUBLIC/3-27072010-AP/EN/3-27072010-AP-EN.PDF>.

• Faustino, Maria (2005). Cuidar na gravidez, parto e puerpério. Que visibilidade? Servir, nº 53: 185-189. Lisboa.

• Figueiredo, B. (2001). Perturbações psicopatológicas do puerpério. In M. Canavarro, Psicologia da gravidez e da maternidade. Coimbra: Quarteto, 161-170.

• Fortin, Maria Fabienne (2000). O processo de investigação: da concepção à realização. (2ª ed.). Loures: Lusociência.

• Heck, K & Parker, J. (2002). Family structure, socioeconomic status, and access to health care for children. Health Services Research, 37(1), 173-186.

• Hesbeen, Walter (2001). Qualidade em Enfermagem: pensamento e acção na perspectiva do cuidar. Loures: Lusociência.

• Instituto Nacional de Estatística (2011). Eurostat: Situação demográfica europeia (2009). [Em linha]. Disponível em <http://www.oi.acidi.gov.pt/modules.php?name=News&file=article&sid=2590>.

Lisboa: Ministério da Saúde. Disponível em <http://193.136.116.41/saboga/saude%20um%20compromisso/saude%20um%20compromisso%20pag%20001-007%20.pdf>.

• Lowdermilk, Deitra Leonard & Perry, Shannon E. (2006). Enfermagem na maternidade. (7ª ed.). Loures: Lusodidacta.

• Lowdermilk, Deitra Leonard; Perry, Shannon E. & Bobak, Irene M. (2002). O cuidado em enfermagem materna. (5ª ed.). Porto Alegre: Artmed. IX.

• Martinez, Maria Esperanza (1994). Visita a domicilio a la mujer puérpera. In I. MARTÍN, Atención Domiciliaria - Diagnósticos de Enfermeria. Madrid: Interamericana McGraw- Hill, 159-229.

• Mattos, Thalita M. (1995). Visita Domiciliária. In: Enfermagem Comunitária. São Paulo: Editora Pedagógica.

• Ministério da Saúde (1999). Saúde: um compromisso. A estratégia de saúde para o virar do século 1998-2002.

Lisboa: Ministério da Saúde. Disponível em: <http://193.136.116.41/saboga/saude%20um%20compromisso/saude%20um%20compromisso%20pag%20001-007%20.pdf>.

• Missão para os Cuidados de Saúde Primários (2010). Linhas de Acão prioritária para o desenvolvimento dos cuidados de saúde primários. Lisboa: Missão para os Cuidados de Saúde Primários. Disponível em: <http://www.acss.min-saude.pt/Portals/0/Linhas%20de%20Accao%20Prioritaria.pdf>.

• Moreira, P. & Melo, A. (2005). Saúde mental: do tratamento à prevenção. Porto: Porto Editora.

• Navalhas, José Cassiano (1997). Projecto de intervenção no âmbito da visitação domiciliária no contexto do cuidar em enfermagem. Enfermagem, 2ª série, n.º 7: 6-14. Lisboa.

• Nelas, Paula; Ferreira, Manuela; Duarte, João (2008). Motivação para a amamentação: construção de um instrumento de medida. Revista de Enfermagem Referência, Série II, nº 6, 39-56. Coimbra. Disponível em: <http://www.index-f.com/referencia/2008pdf/063956.pdf>.

• Ordem dos Enfermeiros. Conselho de Enfermagem (2001). Padrões de qualidade dos cuidados de Enfermagem. Lisboa: OE. Disponível em <http://www.ordemenfermeiros.pt/publicacoes/Documents/divulgar%20-%20padroes%20de%20qualidade%20dos%20cuidados.pdf>.

• Perspetivar a investigação em saúde: Actas (2007). III Encontro de Investigação “Perspectivar a Investigação em Saúde” e 1as Jornadas de Saúde Materno-Infantil “Olhares sobre a prática”. Vila Real: ESEVR. ISBN 978-972-97739-4-5.

• Pessoa, Krishna (2007). A importância do vínculo materno na recuperação do recém-nascido prematuro. Disponível em .

• Plano Nacional de Saúde (2011-2016). Disponível em <http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/4DDFFD8C-EB94-4CAE-BCE4D95DE95EA944/0/PNS_Vol1_Estrategias_saude>.

• Resolução do Conselho de Ministros n.º 157/2005, de 12 de Outubro de 2005. Diário da República, I Série B, n.º 196. Disponível em <http://dre.pt/pdf1s/2005/10/196B00/59815982>.

• Rice, Robyn (2004). Prática de enfermagem nos cuidados domiciliários: conceitos e aplicação. (3ª ed.). Loures: Lusociência.

• Rodrigues, Vera (2008). Satisfação com o suporte social em indivíduos com perturbação psiquiátrica: estudo exploratório [Em linha]. Disponível em <https://bdigital.ufp.pt/dspace/bitstream/10284/1004/3/10593>.

• Rosa, Eugénio (2010). Discriminação da mulher em Portugal [Em linha]. Disponível em <http://www.eugeniorosa.com/Sites/eugeniorosa.com/Documentos/2009/11-2010-Discriminacao-Mulher-em-Portugal.pdf>.

• Santos, António Cristóvão Ferreira (2000). Influência do acolhimento na diminuição da ansiedade nos doentes coronários. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

• Santos, N. (2004). Assistência de enfermagem materno-infantil. São Paulo. Érica.

• Soares, Hélia (2008). O acompanhamento da família no seu processo de adaptação e exercício da parentalidade: intervenção de enfermagem. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

• Sousa, E. et al. (2006). Depressão pós-parto numa perspectiva preventiva. Nursing. (Outubro 2006), 10-14.

• Sousa, Valéria (2008). A depressão no ciclo gravídico-puerperal de mulheres atendidas em um ambulatório de hospital geral. Disponível em <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22131/tde-09122008-154716/pt-br.php>.

• Torre, Maria Augusta (2001). Cuidados de enfermagem à puérpera numa perspectiva antropobiológica. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universitária.

• Warren, L. (2005). First-time mothers: social support and confidence in infant care. Journal of Advanced Nursing, 50(5): 479-488.

Published
2016-07-04
Section
Articles