Olhar o magistério "no próprio espelho": O conceito de profissionalidade e as possibilidades de se repensar o sentido da profissão docente

  • Ana Maria Simões Coelho Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil
  • Júlio Emílio Diniz-Pereira Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil

Resumo

Em seu livro Ofício de Mestre – Imagens e auto-imagens, o Professor Emérito da Universidade Federal de Minas Gerais, no Brasil, Miguel Arroyo, levanta as seguintes questões sobre o magistério: "Como a categoria pensa em si mesma? No espelho dos outros ou no próprio espelho?". Ao deixar se encantar pela "ilusão da profissionalização" – e a fortíssima influência que a vertente funcionalista exerce sobre esse conceito –, o magistério parece insistir em olhar para si mesmo "no espelho dos outros". Neste artigo, por meio da discussão dos conceitos de profissionalização, profissionalismo e profissionalidade e de uma revisão das principais vertentes da sociologia das profissões, discutimos as seguintes perguntas sobre esse tema: o que significa considerar que o magistério constitua, de fato, uma profissão? Quais as implicações de nos referirmos aos conceitos de profissionalização, profissionalismo e profissionalidade na descrição da atuação e das expectativas colocadas para o professor como profissional? Quais as possibilidades de se repensar o sentido do magistério a partir do conceito de profissionalidade? Ao final, defendemos a utilização do conceito de profissionalidade para se discutir a especificidade da profissão docente – ou seja, fazê-la olhar "no próprio espelho" – e que este abre novas possibilidades para se repensar o sentido do magistério.


Palavras-chave: Profissão docente; Profissionalidade; Sociologia das profissões; Brasil.

 

 

ABSTRACT

In his book Ofício de Mestre – Imagens e auto-imagens, Professor Emeritus at Federal University of Minas Gerais, in Brazil, Miguel Arroyo, raises the following questions about teaching: "How does the teaching profession think about itself? Through the mirror of others or through its own mirror?". By letting oneself be led by the "illusion of professionalization" – and the very strong influence that the functionalist view exerts on this concept –, the teaching profession seems to insist on looking at itself "through the mirror of others." In this article, by discussing the concepts of professionalization, professionalism and professionality, as well as a review of the sociology of professions, we discuss the following questions on this topic: what does it mean to consider that teaching is, in fact, a profession? What are the implications of referring to the concepts of professionalization, professionalism and professionality in the description of the performance and of the expectations placed for the teacher as a professional? What are the possibilities of rethinking the meaning of the teaching profession through the concept of professionalism? In the end, we defend the use of the concept of professionalism to discuss the specificity of the teaching profession – that is, "to make it look at its own mirror" – and that the concept opens new possibilities for rethinking the meaning of the teaching profession.


Keywords: Teaching profession; Professionality; Sociology of professions; Brazil

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Arroyo, M. G. (2000). Ofício de Mestre – Imagens e auto-imagens (7 ªed.). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Barbosa, M. L. O. (1993). A Sociologia das Profissões: Em torno da legitimidade de um objeto. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (BIB), 36, 3-30.

Bonelli, M. G. (1993). As Ciências Sociais no sistema profissional brasileiro. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais (BIB), 36, 31-61. Cabrera, B., & Jaén, M. J. (1991). Quem são e que fazem os docentes: Sobre o "conhecimento" sociológico do professorado. Teoria & Educação, 4, 190-214.

Chapoulie, J. M. (1973). Sur l'analyse sociologique des groupes professionnels. Revue Française de Sociologie, 14(1), 86-114.

Contreras, J. (2002). A autonomia de professores. São Paulo: Cortez.

Costa, M. C. V. (1995). Trabalho docente e profissionalismo. Porto Alegre: Sulina. Dubar, C. (1997). A socialização – Construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora.

Enguita, M. F. (1991). A ambigüidade da docência: Entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação, 4, 91-108.

Gimeno Sacristán, J. (1995). Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In A. Nóvoa (Org.), Profissão professor (pp. 6392). Porto: Porto Editora.

Hughes, E. C. (1964). Men and their work (2nd ed.). Glencoe, Illinois: The Free Press. Jaén, M. J. (1991). Os docentes e a racionalização do trabalho em educação: Elementos para uma crítica da teoria da proletarização dos docentes. Teoria & Educação, 4, 74-89.

Larson, M. S. (1977). The rise of professionalism: A sociological analysis. Berkeley/Los Angeles/London: University of California Press.

Larson, M. S. (2014). Looking back and a little forward: Reflections on professionalism and teaching as a profession. Radical Teacher – A Socialist, Feminist, and Antiracist Journal on the Theory and Practice of Teaching, 99, 7-17.

Le Bianic, T. (2005). Les "ingénieurs des âmes". Savoirs académiques, professionnalisation et pratiques des psychologues du travail de l’entre deux guerres à nos jours (Tese de doutorado). Université de la Méditerranée – AixMarseille II, Laboratoire d’Economie et de Sociologie du Travail, France.

Popkewitz, T. S. (1997). Profissionalização e formação de professores: Algumas notas sobre a sua história, ideologia e potencial. In A. Nóvoa (Coord.), Os professores e a sua formação (pp. 35-50). Lisboa: Publicações Dom Quixote/Instituto de Inovação Educacional.

Tardif, M., & Lessard, C. (2007). O trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas (3ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Tenti Fanfani, E. (2005). La condición docente: Análisis comparado de la Argentina, Brasil, Perú y Uruguai. Buenos Aires: Siglo XXI Editores.

Zeichner, K. M. (2008). Formação de professores para a justiça social em tempos de incerteza e desigualdades crescentes. In J. E. Diniz-Pereira & K. M. Zeichner (Orgs.), Justiça social: Desafio para a formação de professores (pp. 11-34). Belo Horizonte: Autêntica.

Publicado
2017-05-19
Como Citar
Simões Coelho, A., & Diniz-Pereira, J. (2017). Olhar o magistério "no próprio espelho": O conceito de profissionalidade e as possibilidades de se repensar o sentido da profissão docente. Revista Portuguesa De Educação, 30(1), 7-34. https://doi.org/10.21814/rpe.10724
Secção
Artigos