Avaliação de jogos educativos no ensino de conteúdos acadêmicos: Uma revisão sistemática da literatura

Evaluation of educational games in the teaching of academic content: A systematic literature review

Palavras-chave: jogos educativos, ensino-aprendizagem, Educação Baseada em Evidências

Resumo

Este estudo teve como objetivo fazer uma revisão sistemática da literatura de estudos empíricos que avaliaram o efeito de jogos educativos na aprendizagem de assuntos acadêmicos, comparando os efeitos de estudos com diferentes delineamentos de pesquisa. Na revisão, foram incluídos artigos empíricos e relatos de casos publicados em inglês ou português, de janeiro de 2006 a setembro de 2019, que mencionavam ou continham palavras-chave definidas previamente que avaliavam os jogos como método de intervenção para o ensino de conteúdo escolar formal. Inicialmente, 171 registros foram localizados e 24 foram selecionados com base nos critérios de inclusão. Verificou-se que: as crianças foram os principais participantes; os jogos eletrônicos foram os mais utilizados; e a Matemática foi a disciplina utilizada na maioria estudos. Em 13 estudos, o desenho do grupo foi empregado e verificou-se que o grupo experimental apresentou melhor desempenho acadêmico quando comparado ao grupo-controle. Em todos os 11 estudos que utilizaram um delineamento de caso único, o desempenho pós-teste foi maior que o do pré-teste. Esses resultados mostraram que os jogos tiveram o efeito de aumentar o desempenho acadêmico dos alunos.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.

Biografias do Autor

Myenne Mieko Ayres Tsutsumi, Universidade Estadual de Londrina

Professora colaboradora do Departamento de Ciências Fisiológicas no Programa de Formação Complementar "Temas em Neurociências" da UEL. Doutoranda em Análise do Comportamento (UEL). Mestre em Neurociências e Comportamento pela Universidade Federal do Pará (UFPA - 2017). Especialização em Neurociências (UEL - 2019). Graduação em Psicologia (UFPA - 2015). Já desenvolvi pesquisas em Psicologia Evolucionista relacionadas à sexualidade e à orientação espacial humana (2010-2013) e em Psicologia Experimental relacionadas ao uso de jogos e aprendizagem (2014-2017). Atualmente realizo pesquisas em Psicologia Experimental sobre resistência do comportamento à mudança (Momentum Comportamental), tratamentos baseados em evidências e Transtorno do Espectro Autista.

Paulo Roney Kilpp Goulart, Universidade Federal do Pará (Brasil)

Docente do Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento, da Universidade Federal do Pará, desde 2011. Bacharel em Psicologia (2002) e Doutor em Teoria e Pesquisa do Comportamento (2008), ambos pela Universidade Federal do Pará. Integra o corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Comportamento (NTPC-UFPA) e atua como colaborador do Curso de Psicologia da UFPA. Seus interesses de pesquisa incluem os seguinte temas: Abordagem biocomportamental de aspectos perceptuais e cognitivos do comportamento (investigações teóricas ou experimentais de fenômenos comportamentais nas áreas de percepção, cognição e controle do comportamento, em animais humanos e não humanos); Estudos translacionais para o planejamento e avaliação de condições de ensino (investigações teóricas, experimentais ou aplicadas relacionadas à transferência de conhecimento oriundo da pesquisa básica para contextos aplicados de ensino); Questões conceituais nas ciências do comportamento e do cérebro (investigações teóricas voltadas para a construção de um terreno conceitual coerente para a interpretação e articulação de dados oriundos de diferentes ciências na interface entre as ciências do comportamento e do cérebro).

Mauro Dias Silva Júnior, Universidade de Brasília

Professor Adjunto do Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília e Professor Orientador no Programa de Pós-Graduação em Ciências do Comportamento e no Programa de Pós-Graduação em Neurociências e Comportamento, Universidade Federal do Pará. Doutor (2014) e Mestre (2009) em Teoria e Pesquisa do Comportamento pela UFPa, Psicólogo (2011) e Bacharel em Psicologia (2007) pela UFPa. Realizou estágio Doutoral Sanduíche na University of Oxford sob orientação do Professor PhD Robin Dunbar (2011-2012). Atua principalmente nos seguintes temas: evolução do comportamento social humano, formação de grupos sociais humanos e evolução do comportamento sexual humano. Realiza pesquisas em redes sociais, comportamento de grupos, função sexual, orientação sexual, gêmeos e teoria da história de vida. Membro associado do Human Behavior and Evolution Society (HBES). E-mail: juniormsilva@unb.br

Verônica Bender Haydu, Universidade Estadual de Londrina

Graduada em Psicologia pela UEL, Mestre e Doutora pela USP-SP, na área de concentração em Psicologia Experimental. Estágio de pós-doutorado realizado na UFSCar, junto ao programa de Psicologia. Bolsista produtividade em pesquisa da Fundação Araucária de 2009 a 2016. Professora da Universidade Estadual de Londrina desde 1977 e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Análise do Comportamento desde 2005. Também participou do Programa de Pós-Graduação de Ensino de Ciência e Educação Matemática no período de 2002 a 2016. Atualmente é consultora científica do Instituto Tesla de Ciências e Tecnologia. Nos períodos de 2003 a 2006 e 2013-2016 foi membro do Comitê Assessor da Fundação Araucária para as áreas da Educação e Psicologia. Lidera o Grupo de Pesquisa "Análise do Comportamento: Implicações Clínicas e Educacionais" cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq, desenvolvendo pesquisas em cooperação com docentes e discentes da UEL, da UFES e da UFSCar. Coordena desde 2016 o Laboratório de Análises e Tecnologias Comportamentais do Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento. A partir de 2016, participa das reuniões do Think Tank focado na Análise Comportamental da Cultura. Desenvolve pesquisas ligadas às seguintes linhas: 1) Análise Experimental do Comportamento e Psicobiologia; 2) Avaliação, desenvolvimento e aplicação de tecnologias comportamentais; 3) Realidade e ambientes virtuais: aplicações clínicas, educacionais e empresariais.

Érika Larissa de Oliveira Jimenéz, Universidade Federal do Pará

Psicóloga (2015) pela Universidade Federal do Pará e Mestra (2017) em Neurociências e Comportamento (PPGNC) pela mesma universidade. Psicóloga Clínica em consultório particular. Possui interesse em Desenvolvimento Humano, Análise do Comportamento e clínica analítico-comportamental.

Referências

Allen, D. E., Donham, R. S., & Bernhardt, S. A. (2011). Problem-based learning. New Directions for Teaching and Learning, 2011(128), 21–29. https://doi.org/10.1002/tl.465
Bennett, N., Wood, L., & Rogers, S. (2001). Teaching through play: Teachers’ thinking and classroom practice (2nd ed.). Buckingham: Open University Press.
Blumberg, P. (2011). Making evidence-based practice an essential aspect of teaching. Journal of Faculty Development, 25(3), 27–32. Recuperado de https://eric.ed.gov/?id=EJ975201
Brasil, Ministério da Educação. (2015). Base Nacional Comum Curricular: primeira versão. Brasília: Ministério da Educação. Recuperado de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf
Cahyana, U., Paristiowati, M., Savitri, D. A., & Hasyrin, S. N. (2017). Developing and application of mobile game based learning (M-GBL) for high school students performance in chemistry. Eurasia Journal of Mathematics, Science and Technology Education, 13(10), 7037–7047. https://doi.org/10.12973/ejmste/78728
Cardozo, L. T., Miranda, A. S., Moura, M. J. C. S., & Marcondes, F. K. (2016). Effect of a puzzle on the process of students’ learning about cardiac physiology. Advances in Physiology Education, 40(3), 425–431. https://doi.org/10.1152/advan.00043.2016
Castro, M. V. de, Bissaco, M. A. S., Panccioni, B. M., Rodrigues, S. C. M., & Domingues, A. M. (2014). Effect of a virtual environment on the development of mathematical skills in children with dyscalculia. PLoS ONE, 9(7), 1–16. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0103354
Cha, J., Kan, S.-Y., Wahab, N. H. A., Aziz, A. N., & Chia, P. W. (2017). Incorporation of brainteaser game in basic organic chemistry course to enhance students’ attitude and academic achievement. Journal of the Korean Chemical Society, 61(4), 218–222. https://doi.org/10.5012/jkcs.2017.61.4.218
Cheng, M. T., Lin, Y. W., & She, H. C. (2015). Learning through playing Virtual Age: Exploring the interactions among student concept learning, gaming performance, in-game behaviors, and the use of in-game characters. Computers and Education, 86, 18–29. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2015.03.007
Clark, D. B., Tanner-Smith, E. E., & Killingsworth, S. S. (2016). Digital games, design, and learning: A systematic review and meta-analysis. Review of Educational Research, 86(1), 79–122. https://doi.org/10.3102/0034654315582065
Cordingley, P. (2007). Professores Usando Evidências: Utilizar o que sabemos sobre ensino e aprendizagem para reconceituar a prática baseada em evidências. In G. Thomas & R. Pring (Eds.), Educação baseada em evidências: A utilização dos achados científicos para a qualificação da prática pedagógica (pp. 91–102). Porto Alegre: Artmed.
De Rose, J. C., & Gil, M. S. C. de A. (2003). Para uma análise do brincar e de sua função educacional - a função educacional do brincar. In M. Z. da S. Brandão, F. C. de S. Conte, F. S. Brandão, Y. K. Ingberman, C. B. De Moura, V. M. da Silva, & S. M. Oliane (Eds.), Sobre Comportamento e Cognição (pp. 373–382). Santo André: Esetec.
El Kah, A., & Lakhouaja, A. (2018). Developing effective educative games for Arabic children primarily dyslexics. Education and Information Technologies, 23(6), 2911–2930. https://doi.org/10.1007/s10639-018-9750-2
Elliott, J. (2007). Tornando educativa a prática baseada em evidências. In G. Thomas & R. Pring (Eds.), Educação baseada em evidências: A utilização dos achados científicos para a qualificação da prática pedagógica (pp. 177–200). Porto Alegre: Artmed.
Fazio, L. K., Kennedy, C. A., & Siegler, R. S. (2016). Improving children’s knowledge of fraction magnitudes. PLOS ONE, 11(10), 1–14. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0165243
Fotaris, P., Mastoras, T., Leinfellner, R., & Rosunally, Y. (2016). Climbing up the leaderboard: An empirical study of applying gamification techniques to a computer programming class. The Electronic Journal of E-Learning, 14(2), 94–110. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/293816223_Climbing_Up_the_Leaderboard_An_Empirical_Study_of_Applying_Gamification_Techniques_to_a_Computer_Programming_Class
Gabriel, F., Coché, F., Szucs, D., Carette, V., Rey, B., & Content, A. (2012). Developing children’s understanding of fractions: An intervention study. Mind, Brain, and Education, 6(3), 137–146. https://doi.org/10.1111/j.1751-228X.2012.01149.x
Gris, G., Perkoski, I. R., & Souza, S. R. (2018). Jogos Educativos: Aspectos Teóricos, Aplicações e Panorama da Produção Nacional por Analistas do Comportamento. In D. L. O. V. Boas, F. Cassas, H. L. Gusso, & P. C. M. Mayer (Eds.), Comportamento em foco: Ensino, Comportamento Verbal e Análise Conceitual (7th ed., pp. 50–67). São Paulo: Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental (ABPMC). Recuperado de http://abpmc.org.br/arquivos/publicacoes/1540256062f013532843ad.pdf
Groccia, J. E., & Buskist, W. (2011). Need for evidence-based teaching. New Directions for Teaching and Learning, 2011(128), 5–11. https://doi.org/10.1002/tl.463
Hammersley, M. (2007). Algumas questões sobre a prática baseada em evidências na educação. In G. Thomas & R. Pring (Eds.), Educação baseada em evidências: A utilização dos achados científicos para a qualificação da prática pedagógica (pp. 143–160). Porto Alegre: Artmed.
Hirsh-Pasek, K., Golinkoff, R. M., Berk, L. E., & Singer, D. (2008). A mandate for playful learning in preschool: Applying the scientific evidence. Nova York: Oxford University Press.
Huizinga, J. (2000). Homo ludens. (P. J. Monteiro, Ed.) (4th ed.). São Paulo: Editora Perspectiva S.A.
Jabbar, A. I. A., & Felicia, P. (2015). Gameplay engagement and learning in game-based learning: A systematic review. Review of Educational Research, 85(4), 1–40. https://doi.org/10.3102/0034654315577210
Johnson-Glenberg, M. C., & Hekler, E. B. (2013). “Alien Health Game”: An embodied exergame to instruct in nutrition and MyPlate. Games for Health Journal, 2(6), 354+. https://doi.org/10.1089/g4h.2013.0057
Johnson-Glenberg, M. C., Savio-Ramos, C., & Henry, H. (2014). “Alien Health”: A nutrition instruction exergame using the kinect sensor. Games for Health Journal, 3(4), 241–251. https://doi.org/10.1089/g4h.2013.0094
Kanthan, R., & Senger, J. (2011). The impact of specially designed digital game-based learning in undergraduate pathology and medical education. Archives of Pathology & Laboratory Medicine, 135(1), 135–142. https://doi.org/10.1043/2009-0698-OAR1.1
Ke, F. (2008). A case study of computer gaming for math: Engaged learning from gameplay? Computers and Education, 51(4), 1609–1620. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2008.03.003
Ke, F. (2016). Designing and integrating purposeful learning in game play: a systematic review. Educational Technology Research and Development, 64(2), 219–244. https://doi.org/10.1007/s11423-015-9418-1
Kishimoto, T. M., Pinazza, M. A., Morgado, R. de F. C., & Toyofuki, K. R. (2011). Jogo e letramento crianças de 6 anos no ensino fundamental. Revista Educação e Pesquisa, 37(1), 191–210. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022011000100012&script=sci_abstract&tlng=pt
Klisch, Y., Miller, L. M., Wang, S., & Epstein, J. (2012). The impact of a science education game on students’ learning and perception of inhalants as body pollutants. Journal of Science Education and Technology, 21(2), 295–303. https://doi.org/10.1007/s10956-011-9319-y
Kosmas, P., Ioannou, A., & Zaphiris, P. (2018). Implementing embodied learning in the classroom: effects on children’s memory and language skills. Educational Media International, 56(1), 59–74. https://doi.org/10.1080/09523987.2018.1547948
McCarroll, M. L., Pohle-Krauza, R. J., & Martin, J. L. (2009). Active learning in the classroom: A muscle identification game in a kinesiology course. Advances in Physiology Education, 33(4), 319–322. https://doi.org/10.1152/advan.00013.2009
McGonigal, J. (2012). A realidade em jogo: Por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. (E. Rieche, Ed.) (1st ed.). Rio de Janeiro: Best Seller.
Michaelsen, L. K., & Sweet, M. (2011). Team-based learning. New Directions for Teaching and Learning, 2011(128), 41–51. https://doi.org/10.1002/tl.467
Morford, Z. H., Witts, B. N., Killingsworth, K. J., & Alavosius, M. P. (2014). Gamification: The intersection between Behavior Analysis and game design technologies. The Behavior Analyst, 37(1), 25–40. https://doi.org/10.1007/s40614-014-0006-1
Neves, V. F. A., Castanheira, M. L., & Gouvêa, M. C. S. (2015). O letramento e o brincar em processos de socialização na educação infantil: Brincadeiras diferentes. Revista Brasileira de Educação, 20(60), 215–244. https://doi.org/10.1590/S1413-24782015206011
Perkoski, I. R., & Souza, S. R. (2015). “O Espião”: Uma perspectiva analítico comportamental do desenvolvimento de jogos educativos de tabuleiro. Perspectivas Em Análise Do Comportamento, 6(2), 74–88. https://doi.org/10.18761/pac.2015.020
Rico, M., Agudo, J. E., & Sánchez, H. (2015). Language learning through handheld gaming: A case study of an english course with engineering students. Journal of Universal Computer Science, 21(10), 1362–1378. Recuperado de http://www.jucs.org/jucs_21_10/language_learning_through_handheld
Roesch, S., Jung, S., Huber, S., Artemenko, C., Bahnmueller, J., Heller, J., Moeller, K. (2016). Training arithmetic and orthography on a web-based and socially-interactive learning platform. International Journal of Education and Information Technologies, 10, 204–217. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/309530051_Training_arithmetic_and_orthography_on_a_web-based_and_socially-interactive_learning_platform
Silva, M. C. F. R. da. (2014). A prática educativa baseada em evidências: Contribuições na formação de docentes interdisciplinares. Revista Interdisciplinaridade, 1(5), 25–30. Recuperado de http://www4.pucsp.br/gepi/downloads/revistas/revista-5-gepi-out14.pdf
Stolaki, A., & Economides, A. A. (2018). The Creativity Challenge Game: An educational intervention for creativity enhancement with the integration of Information and Communication Technologies (ICTs). Computers and Education, 123(July 2017), 195–211. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2018.05.009
Thomas, G., & Pring, R. (2007). Educação baseada em evidências: A utilização dos achados científicos para a qualificação da prática pedagógica. (G. Thomas & R. Pring, Eds.). Porto Alegre: Artmed.
Tüzün, H., Yilmaz-Soylu, M., Karakuş, T., Inal, Y., & Kizilkaya, G. (2009). The effects of computer games on primary school students’ achievement and motivation in geography learning. Computers and Education, 52(1), 68–77. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2008.06.008
Yang, Y. T. C. (2012). Building virtual cities, inspiring intelligent citizens: Digital games for developing students’ problem solving and learning motivation. Computers and Education, 59(2), 365–377. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2012.01.012
Yang, Y. T. C. (2015). Virtual CEOs: A blended approach to digital gaming for enhancing higher order thinking and academic achievement among vocational high school students. Computers and Education, 81, 281–295. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2014.10.004
Yen-Hua, C., Chiu-Pin, L., Chee-Kit, L., Yin-juan, S., & Tak-Wai, C. (2012). A collaborative cross number puzzle game to enhance elementary students’ arithmetic skills. Turkish Online Journal of Educational Technology, 11(2), 1–14. Recuperado de https://eric.ed.gov/?id=EJ989008
Yien, J., & Lin, Y. (2011). A game-based learning approach to improving students’ learning achievements in a nutrition course. The Turkish Online Journal of Educational Technology, 10(2), 1–10. Recuperado de https://eric.ed.gov/?id=EJ932220
Publicado
2020-06-29
Como Citar
Tsutsumi, M. M. A., Goulart, P. R. K., Silva Júnior, M. D., Haydu, V. B., & Jimenéz, Érika L. de O. (2020). Avaliação de jogos educativos no ensino de conteúdos acadêmicos: Uma revisão sistemática da literatura: Evaluation of educational games in the teaching of academic content: A systematic literature review. Revista Portuguesa De Educação, 33(1), 38-55. https://doi.org/10.21814/rpe.19130
Secção
Artigos