A serenidade por que elas anseiam nos intervalos da respiração em A Morte e a Donzela, de Elfried Jelinek

Autores

  • Anabela Mendes Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / CECC – Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da Universidade Católica Portuguesa

Resumo

O presente ensaio trata das relações rizomáticas que estão na base da dramática escrita de Elfriede Jelinek na obra Der Tod und das Mädchen (A Morte e a Donzela) de 2004, e como estas ligações tecem um discurso mais amplo sobre a questão - a de que a vida recria contra a morte. Neste contexto, alguns dos seus temas de eleição serão revisitados, por exemplo, o compromisso político permanente, sob o qual o público e o privado são gerados e fundamentados, que é desarticulado entre o homem e a mulher, reconfigurando a vida como um mito. Esta série em cinco partes sobre princesas é ainda uma tentativa de submergir a "negatividade" e de provocar "o cansaço inspirador" da filósofa sul-coreana Byung-Chul Han.

 

MORTE / DISCURSO RIZOMÁTICO / MITO / CORPO / VIDA VERDADEIRA

Downloads

Publicado

2019-03-19

Como Citar

Mendes, A. (2019). A serenidade por que elas anseiam nos intervalos da respiração em A Morte e a Donzela, de Elfried Jelinek. Sinais De Cena, (3), 130–139. Obtido de https://revistas.rcaap.pt/sdc/article/view/17494

Edição

Secção

Estudos aplicados