Teacher Training for the Practice of Sexual Education in Schools

A Reflection Through the Teacher's Thinking

Keywords: sex education, teacher training, dialectical hermeneutic

Abstract

The discussions about Sex Education have been included in the educational public policies in many countries of western culture. However, researches have demonstrated that the training of teachers has not been preparing them to address the sexuality matters in the school environment, thus increasing their feelings of insecurity and concern. This research aims to discuss teachers’ formation needs in regards to sexuality education based on interviews of 15 teachers and 1 educational coordinator from elementary school (2° e 3° cycles) and high school (secondary) in a Brazilian public school. The results were obtained from the data acquired by focus group and analysed from a hermeneutic-dialectic approach. Among many suggestions from the teachers, we emphasize changes in the teachers’ initial and continued training courses, advocating group dynamics, discussions about the theme and exchange of experiences between teachers. The reflections in this paper can support the educators preparing those teachers responsible for sex education’s training.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Daniela Maria Manna Bartasevicius, Universidade Federal do ABC, Brazil

Doutoranda em formação de professores e supervisores no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa desde 2018. Mestre em Ensino, História e Filosofias das Ciências e Matemática pela Universidade Federal do ABC - Brasil. Graduada em Ciências Biológicas com ênfase em Biologia Marinha pela Universidade Santa Cecilia (Licenciatura e Bacharelado). Atua na área de ensino de Ciências e Biologia, com ênfase em programas de Educação Sexual em contexto escolar.

Meiri Aparecida Gurgel de Campos Miranda, Universidade Federal do ABC, Brazil

Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas, com Mestrado e Doutorado em Ciências, pela Universidade de São Paulo. Atualmente, é Professora Associada na Universidade Federal do ABC, na área de Ensino de Biologia. Lecionou Ciências e Biologia em escolas da rede pública de ensino do Estado de São Paulo e da rede privada. Atua no ensino, pesquisa e extensão na área de Ensino de Ciências, mais especificamente em Ensino de Biologia, Educação em Sexualidade e formação inicial e continuada de professores.

References

Afonso, M. R., & Feio, M. (2010). O professor como educador moral. In M. T. Estrela & A. P. Caetano, Ética profissional docente - Do pensamento dos professores à sua formação (pp. 73-82). Lisboa: Educa.

Altmann, H. (2007). A sexualidade adolescente como foco de investimento político-social. Educ. rev. [online], 46, 287-310.

Amado, J. (2017). Manual de Investigação Qualitativa em Educação. (3ª edição). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Avila, A. H., Toneli, M. J. F., & Andalo, C. S. A. (2011). Professores/as diante da sexualidade-gênero no cotidiano escolar. Psicol. estud., 16(2), 289-298.

Bannel, R. I. (2006). Habermas & a educação. Autentica ed. Coleção: Pensadores & Educação. São Paulo, Brasil. ISBN: 9788575262221

Baptista, M. I. da C. A. M. (2014). Promoção da saúde em contexto escolar - Modelos de intervenção. (Tese de doutoramento). Universidade de Lisboa, Portugal.

Barcelos, N. N. S., & Jacobucci, D. F. C. (2011). Estratégias didáticas de educação sexual na formação de professores de Ciências e Biologia. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 10(2), 334-345. Retirado de: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen10/ART6_VOL10_N2.pdf

Beaumont, K., & Maguire, M. (2013). Policies for Sexuality Education in the European Union. Organizations: European Parliament. Directorate-General for Internal Politics. Retirado de: http://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/note/join/2013/462515/IPOL-FEMM_NT%282013%29462515_EN.pdf

Benites, M. J. O. (2006). Educação sexual e formação docente: um estudo a partir de concepções discentes. (Dissertação de mestrado). FURB, Blumenau, Brasil.

BRASIL. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: orientação sexual. Brasília: MEC/SEF Secretaria de Educação Fundamental.

BRASIL. (2016). Base Nacional Curricular Comum. Proposta Preliminar. (2ª Revisão). Brasília: Ministério da Educação – MEC.

Bruess, C. & Greenberg, J. (2009). Sexuality Education: Theory and Practice. Massachusetts: Ed. Jones and Batlett Publishers.

Bruess, C. & Greenberg, J. (2017). Human Sexuality. Massachusetts: Ed. Jones and Batlett Publishers.

Caetano, A. P. (2017). Ética e complexidade na formação de professores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, 17(52), 797-821.

Carvalho, C. , Pinheiro, M. R. , Pinto, G. J., Vilar, D. (2016). Comunicação em educação sexual na escola: Estudo preliminar de validação do Questionário de Comunicação em Educação Sexual na Escola - Versão Professores/as. Revista Educação, Sociedade & Culturas, 48, 127-147.

Chagas, I., Freitas, D., Rossi, C., & Tripa, R. (2010). Educação sexual intencional na escola: Contributos para a formação contínua de professores. In F. Teixeira et al. (Orgs), Sexualidade e educação sexual. Políticas educativas, investigação e práticas (pp. 333-338). Braga: Edições CIEd.

Cunha, M. I. (2004). Diferentes olhares sobre as práticas pedagógicas no ensino superior: a docência e sua formação. Rev. Educação, 3(54), 525-536.

Dicenso, G. G., & Griffith, A. (2002). Interventions to reduce unintended pregnancies among adolescents: systematic review of randomized controlled trials. BMJ; 324. 1426. Retirado de: http://www.bmj.com/content/324/7351/1426

Esteban, M. P. S. (2010). Pesquisa Qualitativa em Educação. Rio de Janeiro: Editora MCGRAW-HILL BRASIL.

Esteves, M. (2017). A Aventura de iniciar uma carreira docente. In K. S. Junges, E. P. Silva, & V. A. Schen (Orgs.), Formação docente: tendências, saberes e práticas (pp. 23-36). Curitiba: Editora CRV.

Figueiró, M. N. D. (2006a). Formação de educadores sexuais: adiar não é mais possível. Campinas: Ed. Mercado de Letras.

Figueiró, M. N. D. (2006b). Educação Sexual: Como Ensinar no Espaço da Escola. Rev. Linhas., 7. Retirado de: http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1323

Figueiró, M. N. D. (2008). Iniciação Sexual “Precoce”. Como a educação sexual pode ajudar a imprimir um novo rumo. In M. A. S. Marcondes (Org.), Temas transversais e currículo (pp. 69-103 ). Brasilia: Ed Líber Livro.

Gatti, B. A. (2012). Grupo Focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber livro.

Habermas, J. (1988). On the logic of social sciences. (Transl. Nicholsen S.W. & Stark, J. A.). Cambridge, UK: Polity Press.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez.

Lervolino, S. A., & Pelicioni, M. C. F. (2001). A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev Esc Enf USP, 35(2), 115-121. Retirado de: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v35n2/v35n2a03.pdf

Matos, M. G., Reis, M., Ramiro, L., Pais Ribeiro, J., & Leal, I. (2014). Educação sexual em Portugal: Legislação e avaliação da implementação nas escolas. Psicologia, Saúde & Doenças, 15(2), 335-355. Retirado de: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862014000200003&lng=pt&tlng=pt

Minayo, M. C. S. (2003). Hermenêutica: Dialética como caminho do pensamento social. In M. C. S. Minayo & S. F. Deslandes (Orgs.), Caminhos do pensamento: epistemologia e método (pp. 83-107). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Miranda, M. A. G. de C. (2011). A abordagem da sexualidade no Currículo de São Paulo. In Atas do VIII Enpec (pp. 1-12 ). São Paulo. Retirado de: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1001-2.pdf

Nardi, H. C., & Quartiero, E. (2007). Subjetividade e sexualidade no cotidiano das práticas escolares. In E. Pasini (Org.), Educando para a diversidade (pp. 77-94). Porto Alegre: Ed. Nuances. Retirado de: http://www.crprs.org.br/upload/noticia/arquivo1206.pdf

Naezer, M., Rommes, E., & Jansen, W. (2017). Empowerment through sex education? Rethinking paradoxical policies. Sex Education, 17(6), 712-728. Taylor & Francis Group. Retirado de: https://doi.org/10.1080/14681811.2017.1362633

Nóvoa, A. (1992). Formação de professores e profissão docente. In A. Nóvoa (Org.), Os professores e a sua formação (pp. 13-33). Lisboa: Dom Quixote.

Nunes, C., & Silva, E. (2006). A Educação Sexual da criança. (Coleção polêmicas do nosso tempo). Campinas, SP: Autores Associados.

Ramiro, L. (2013). A educação sexual na mudança de conhecimentos, atitudes e comportamentos sexuais dos adolescentes. (Tese de doutoramento). Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa, Portugal.

Ramiro, L., & Matos, M. G. (2008). Percepções de professores portugueses sobre educação sexual. Rev. Saúde Pública, 42(4), 684-692.

Rosistolato, R. P. (2009). Orientação sexual com “jeitinho” brasileiro: uma análise antropológica da intervenção escolar na socialização afetivo-sexual dos adolescentes. (Tese de doutoramento não publicada). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Rousso, H. (2004). Education for All: a gender and disability perspective. EFA-Education for All Global Monitoring Report 2003/4, UNESCO.

São Paulo. (2011). Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da natureza e suas tecnologias. São Paulo: Secretaria da Educação de São Paulo (SEE).

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Ed Vozes.

Tuckmantel, M. M. (2009). Educação sexual: mas, qual? Diretrizes para a formação de professores na perspectiva emancipatória. (Tese de doutoramento). Universidade de Campinas, Campinas-SP, Brasil.

Vieira, P. M., & Matsukura, T. S. (2017). Modelos de educação sexual na escola: concepções e práticas de professores do ensino fundamental da rede pública. Revista Brasileira de Educação, 22(69, abr.-jun.). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782017226923

Vygotsky, L. S. (2010). A formação social da mente. São Paulo: Ed. Martins Fontes.

Zerbinati, J. P., & Bruns, M. A. T. (2017). Sexualidade e Educação: revisão sistemática da literatura científica nacional. Travessias, Cascavel, 11(1), 76-92. Retirado de: http://www.unioeste.br/travessias

Published
2019-10-31