School Violence

Death of School or Fenix?

Keywords: school violence, home education, militarization of schools, deinstitutionalization, educational inclusion

Abstract

This paper analyses recent proposals of solution for school violence, such as militarization and home schooling, as well as the risk of school de-institutionalization. However, there are indications of a new school emerging from the ashes. Like Phoenix, it seems that the old school arises in reconstruction. Death or overcoming, it seems to reach its effort limits to overcome school violence. If the chosen path is that of imposed discipline, what will follow, after violence against violence? On the contrary, if the path of conscientization and dialogue is still feasible, what kind of school will emerge? It provides an overview of case studies on social inclusion and the ability of schools to achieve positive outcomes. In conclusion, the society has accepted those alternatives, whereas it has long range and constructive solutions. All these focus on effective educational inclusion. Furthermore, schools tend to keep necessary for their contribution for individual development.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Ivar César Oliveira de Vasconcelos, Universidade Paulista, Brazil

Doutor em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB), com doutorado sanduíche na Universidade de Lisboa/Instituto de Ciências Sociais (UL/ICS) e pós-doutorado em Educação pela UCB. Pesquisador na área da educação, com estudos sobre inclusão educacional, numa perspectiva interdisciplinar, tendo o olhar investigativo voltado para indivíduos potencialmente sujeitos à exclusão social, como as vítimas da violência escolar, as pessoas que moram em comunidades vulneráveis, o público-alvo da educação especial, os excluídos digitais e outros. Professor titular do Instituto de Ciências Sociais e Comunicação da Universidade Paulista (UNIP/ICSC).

References

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro, Brasil: Zahar.

Bielick, S., Chandler, K., & Broughman, S. P. (2001). Homeschooling in the United States: 1999. Washington, DC, EUA: National Center for Education Statistics (ED). Retirado de: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED455926.pdf

BRASIL. (1990). Lei 8069/1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Retirado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

BRASIL. (2019a). Projeto de lei 2401/2019. Dispõe sobre o exercício do direito à educação domiciliar… Retirado de: https://www.camara.leg.br/propostas-legislativas/2198615

BRASIL. (2019b). Portaria conjunta n.º 1 de 31 de janeiro de 2019. Dispõe sobre a implementação do projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada… Brasília: Secretaria de Estado de Educação. Retirado de: http://www.buriti.df.gov.br/ftp/diariooficial/2019/02_fevereiro/dodf%20023%2001-02-2019/dodf%20023%2001-02-2019%20integra.pdf

Delors, J. et al. (1998). Educação um tesouro a descobrir: Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo, Brasil: Cortez Editora; UNESCO no Brasil.

Dubet, F. (1922/1994). Sociologia da experiência. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.

Durkheim, É. (1922/1965). Educação e sociologia. São Paulo, Brasil: Edições Melhoramentos.

Foucault, M. (2013). O corpo utópico: As heterotopias. São Paulo, Brasil: n-1 Edições.

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Freire, P. (2011). Pedagogia do oprimido. São Paulo, Brasil: Paz e Terra.

Freire, P. (2014). Educação e mudança. São Paulo, Brasil: Paz e Terra.

Gomes, C. A. (2005). A educação em novas perspectivas sociológicas. São Paulo, Brasil: EPU.

Gomes, C. A., & LIRA, A. (2010). Aprender a convivir: cómo las escuelas hacen la diferencia. Magisterio, 44, 40-44.

Han, B.-C. (2015). Sociedade do cansaço. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Harari, Y. N. (2018). 21 lições para o século XXI. São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Jaeger, W. W. (2001). Paidéia: A formação do homem grego. São Paulo, Brasil: Martins Fontes.

Japiassú, H., & Marcondes, D. (2001). Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar Editor.

Lenoir, R. (1974). Les exclus : Un français sur dix. Paris, France : Editions du Seuil.

Lira, A., & Gomes, C. A. (2012). Clima e violências escolares: Soluções simples fazem a diferença. In D. M. Amparo, S. F. C. Almeida, K. T. R. Brasil, M. I. G. Conceição & F. Marty (Eds.), Adolescência e violência: Intervenções e estudos clínicos, psicossociais e educacionais (pp. 195-208). Brasília, Brasil: Liber Livro; Editora Universidade de Brasília.

Lyman, I. (1998). Homeschooler: Back to the future? Policy Analysis, 294, 1-22. Retirado de: https://object.cato.org/sites/cato.org/files/pubs/pdf/pa-294.pdf

Morin, E. (2003). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, Brasil: Cortez.

Pais, J. M. (2008). Máscaras, jovens e “escolas do diabo”. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 7-21. Retirado de: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/02.pdf

Platão ([399 a.C.]2004). Apologia de Sócrates. In Platão, Apologia de Sócrates; Banquete (pp. 53-91). São Paulo, Brasil: Martin Claret.

Prieto Quezada, M. T., Gomes, C. A., & Acioli, D. (2012). Violencia que habla: Narrativas de malos tratos entre alumnos. Rayuela: Revista Iberoamericana sobre Niñez y Juventud en Lucha por sus Derechos, (9). Retirado de: http://revistarayuela.ednica.org.mx/article/violencia-que-habla-narrativas-de-malos-tratos-entre-alumnos

Sartre, J.-P. (1946/1978). O existencialismo é um humanismo. In Os Pensadores (pp. 1-32). São Paulo, Brasil: Abril Cultural.

Teixeira, A. (1976). Educação no Brasil. São Paulo, Brasil: Companhia Editora Nacional.

Touraine, A. (1997). Iguais e diferentes: Poderemos viver juntos? Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.

Trilla, J., & Ghanem, E. (2008). Educação formal e não-formal: Pontos e contrapontos. São Paulo, Brasil: Summus.

UNICEF. (2018). An everyday lesson: #ENDviolence in schools. New York, EUA: UNICEF. Retirado de: https://www.unicef.org/publications/index_103153.html

UNICEF. (2019). Behind the numbers: Ending school violence and bullying. Paris: UNICEF. Retirado de: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000366483

Vasconcelos, I. C. O. (2017). Aprender a conviver, sem violência: O que dá e não dá certo? Ensaio: aval. pol. públic. Educ., 25(97), 897-917. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362017002501180

Vasconcelos, I. C. O., & Gomes, C. A. C. (2016). Subjetividade e protagonismo de jovens estudantes na universidade em expansão. Emancipação, 16(2), 219-234. doi: http://dx.doi.org/10.5212/Emancipacao.v.16i2.0003

Vasconcelos, I. C. O., & Gomes, C. A. (2019). Educação e prisão: Utopias e heterotopias para uma inclusão educacional. In F. M. Santos, C. A. Gomes & I. C. O. Vasconcelos (Orgs.), Educação nas Prisões (pp. 55-82). Jundiaí, Brasil: Paco.

Vasconcelos, I. C. O., Lima, H. T. S., & Menez, I. C. S. B. (2018). Alienação de universitárias vulneráveis: Seis casos de emancipação. Educação, 43(21), 145-162. doi: http://dx.doi.org/10.5902/1984644430315

Vasconcelos, I. C. O., Lira, A., & Soares, I. P. (2019). Jovens universitários em silêncio no mundo das informações: Casos de liberação. Ensaio: aval. pol. públic. Educ., 27(104), 499-520. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362019002701552

Vasconcelos, I. C. O., Lourenço, L. C., & Menez, I. C. S. B. (2018). A dominação de grupos vulneráveis no mundo das informações: Quatro casos de emancipação. In A. Palma Valenzuela & M. T. Prieto Quezada (Coords.), Si quieres la paz, narra la violencia (pp. 7-33). Zapopan, México: Universidad de Guadalajara.

Vieira Pinto, A. (1979). Ciência e existência: Problemas filosóficos da pesquisa científica. Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Published
2019-10-31