Collaboration as an Initial Teacher Education Methodology in Teaching Spaces

Authors

  • Renata Prenstteter Gama Departamento de Metodologia de Ensino/Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, Brazil https://orcid.org/0000-0001-6338-4345
  • Maria do Carmo de Sousa Departamento de Metodologia de Ensino/Centro deEducação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, Brazil https://orcid.org/0000-0002-5523-757X

DOI:

https://doi.org/10.25749/sis.21283

Keywords:

collaboration, teaching practicum, initial teacher training, higher education, mathematics degree

Abstract

This article aims to highlight and understand movements in the collaboration process as a methodology for the initial education of mathematics teachers in teaching initiation spaces. To this end, a qualitative interpretative investigation was carried out using the triangulation of national documents and studies and a training action of a Brazilian federal university (UFSCar) on mathematics teachers and the beginning of teaching. The analysis appropriated concepts that involve processes of reflection, investigation, partnership and collaboration for the professional development of teachers. The results showed that the collaborative movements became a methodology for initial teacher training when considering and valuing a longitudinal process of: co-education among all involved; dialogues and negotiations in planning, developing and evaluating teaching practices; institutional intentions and engagements and reflective and investigative practices and writings in/from the lived education process.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Renata Prenstteter Gama, Departamento de Metodologia de Ensino/Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, Brazil

Docente do Departamento de Metodologia de Ensino na Universidade Federal do Carlos (UFSCar), Brasil. Licenciada em Ciências e Matemática. Mestrado em Educação, doutorado em Educação Matemática e pós-doutorado em Educação – área de Políticas de formação de professores. Professora de mestrado e doutorado em Educação e vice coordenadora do Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação da UFSCar. Desenvolve pesquisas nas seguintes temáticas: formação de professores e gestores escolares; prática colaborativa; iniciação à docência e desenvolvimento profissional docente. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Práticas Formativas e Educativas em Matemática (GEPRAEM).

Maria do Carmo de Sousa, Departamento de Metodologia de Ensino/Centro deEducação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, Brazil

Docente do Departamento de Metodologia de Ensino na Universidade Federal do Carlos (UFSCar), Brasil. Licenciada em Matemática (UNISO). Especialista em Matemática, Mestre e Doutora em Educação (UNICAMP), área de concentração em Educação Matemática. Pós doutora pela Faculdade de Educação (USP). Exerce o cargo de professor associado na UFSCar. Líder do Grupo de Pesquisa Formação Compartilhada de Professores Escola e Universidade (GPEFCom). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Atividade Pedagógica (Gepape). Desenvolve pesquisas nas seguintes temáticas: Formação de Professores, Educação Matemática, Educação Conceitual, História da Matemática e ensino de álgebra. Bolsista produtividade do CNPq, modalidade PQ, nível 2.

References

Alarcão, I. A. (2005). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Editora Cortez.

André, M. (1995). O papel da pesquisa na articulação entre saber e prática docente. Revista Psicologia da Educação, 1. Retirado de: https://revistas.pucsp.br/psicoeduca/article/view/43015/28615

André, M. (2018). Professores iniciantes: egressos de programas de iniciação à docência. Revista Brasileira de Educação, 23. https://doi.org/10.1590/S1413-24782018230095

Barbosa, D., & Dutra, N. (2019). Residência pedagógica na formação de professores: uma história de avanços e resistências. Revista Gepesvida, 12(5), 2447-3545. Retirado de: http://www.icepsc.com.br/ojs/index.php/gepesvida/article/view/361

Barbosa, C. F., & Silva, K. A. O. (2018). O PIBID na formação docente na gestão escolar participativa. Revista de Iniciação à Docência, 3(2), 55-74. https://doi.org/10.22481/rid-uesb.v3i2.5540

Bierhalz, C. D. K., & Fonseca, E. M. (2018). Potencial formativo do pibid a partir da avaliação dos egressos. Revista de Iniciação à Docência, 3(2), 5-21. https://doi.org/10.22481/rid-uesb.v3i2.5532

Bolzan, D. (2002). Formação de professores: compartilhando e reconstruindo conhecimentos. Porto Alegre: Mediação.

Brasil (2007). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/edital-pibid-pdf

Brasil (2009). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid

Brasil (2010). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid

Brasil (2011). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid/editais-e-selecoes

Brasil (2012). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid

Brasil (2013). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/assuntos/noticias/novo-edital-do-pibid-recebe-propostas-ate-maio

Brasil (2014). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid/editais-e-selecoes

Brasil (2017). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/residencia-pedagogica

Brasil (2018a). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid/editais-e-selecoes

Brasil (2018b). Edital do Programa de Residência Pedagógica. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/programa-residencia-pedagogica

Brasil (2020a). Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à docência. Retirado de: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/pibid/editais-e-selecoes

Brasil. (2020b). Edital do Programa de Residência Pedagógica. Retirado de: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/residencia-pedagogica

Candau, V. M. (1987). A didática em questão. Petrópolis: Vozes.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. (1999). Relationships of knowledge and practice: Teacher learning in communities. Review of Research in Education, 24, 251-307. https://doi.org/10.2307/1167272

Conselho Nacional de Educação. (CNE) (2002a). Resolução CNE/CP No 1/2002. Retirado de: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf

Conselho Nacional de Educação. (CNE) (2002b). Resolução CNE/CP 2/2002. Retirado de: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf

Conselho Nacional de Educação. (CNE) (2015). Resolução Nº 2/ 2015. Retirado de: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file

Day, C. (1999). Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora.

Dias, E., & Pinto, F. C. F. (2020). A Educação e a Covid-19. Ensaio: Avaliação e Política Públicas em Educação, 28(108), 545-554. https://doi.org/10.1590/S0104-40362019002801080001

Diniz-Pereira, J. E. (2006). Formação de Professores: Pesquisas, representações e poder (2ª Edição). Belo Horizonte: Autêntica.

Diniz-Pereira, J. E. (2008). A Pesquisa dos Educadores como estratégia para construção de modelos críticos de formação docente. In J. E. Pereira & K. Zeichner (Eds.), A pesquisa na formação e no trabalho docente (pp. 11-42). Belo Horizonte: Autêntica.

Faria, J. B., & Diniz-Pereira, J. E. (2019). Residência pedagógica: afinal, o que é isso? Revista Educação Pública, 28(68), 333-356.

Ferreira, A. C. (2003). Um olhar retrospectivo sobre a pesquisa brasileira em formação de professores de matemática. In D. Fiorentini (Ed.), Formação de professores de Matemática: explorando novos caminhos com novos olhares (pp. 19-50). Campinas, SP: Mercado das Letras.

Fiorentini, D., & Crecci, V. (2016). Interlocuções com Marilyn Cochran-Smith sobre aprendizagem e pesquisa do professor em comunidades investigativas. Revista Brasileira de Educação, 21(65), 515-524. https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216526

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2007). Investigação em Educação Matemática: percurso teóricos e metodológicos. (3ª Edição). Campinas: Autores Associados.

Fiorentini, D., Passos, C. L. B., & Lima, R. C. R. (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina matemática: período 2001 – 2012. Campinas, SP: FE/UNICAMP. Retirado de: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/pagina_basica/58/e-book-mapeamento-pesquisa-pem.pdf

Foerste, E. (2005). Parceria na formação de professores. São Paulo: Editora Cortez.

Foerste, E. (2013). Parceria na formação de professores. Revista Iberoamericana de Educación, 34(3), 1-12. https://doi.org/10.35362/rie36133547

Gama, R. P. (2007). Desenvolvimento profissional com apoio de grupos colaborativos: o caso de professores de matemática em início de carreira. (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil. Retirado de: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252052

Gama, R. P. (2020). O movimento do estágio supervisionado compartilhado da Licenciatura em Matemática na UFSCar: políticas, programas, práticas e pesquisas. In A. Traldi, D. S. Tinti & R. Ribeiro (Eds.), Formação de professores que ensinam matemática: processos, desafios e articulações com a educação básica (pp. 153-169). São Paulo: Sociedade Brasileira de Educação Matemática.

Gama, R. P., & Sousa, M. C. (2015). Elementos estruturantes que podem promover a construção do estágio compartilhado na licenciatura em Matemática. In C. E. Lopes, A. Traldi & A. C. Ferreira (Eds.), O Estágio na formação inicial do professor que ensina matemática (pp. 11-42). Campinas-SP: Mercado das Letras.

Gatti, B. A., Barreto, E. S. S., & André, M. E. D. A. (2011). Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO.

Gatti, B. A., Barreto, E. S. S., André, M. E. D. A., & Almeida, P. C. A. (2019). Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO. Retirado de: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2019/05/Livro_ProfessoresDoBrasil.pdf

Giroux, H. A. (1988). Teachers as intellectuals: toward a critical pedagogy of learning. Massachusetts: Bering & Garvey.

Honorato, T., & Nery, A. C. B. (2020). História da Educação e Covid-19: crise da escola segundo pesquisadores africanos (Akanbi, Chisholm), americanos (Boto, Cerecedo, Cunha, Kinne, Rocha, Romano, Rousmaniere, Southwell, Souza, Taborda, Veiga, Vidal) e europeus (Depaepe, Escolano, Magalhães, Nóvoa). Acta Scientutiarum Education, 42, 1-6. https://doi.org/10.4025/actascieduc.v42i1.54998

Jesus, J. S., & Santos, N. S. (2018). O papel do pibid para a formação do futuro professor: um recorte da realidade de uma instituição situada no interior da Bahia. Revista de Iniciação à Docência, 3(2), 42-54. https://doi.org/10.22481/rid-uesb.v3i2.5538

Johnston, M., & Kirschner, B. (1996). This issue. Theory into the Practice, 3, 146-148.

Locatelli, C. (2018). A Política Nacional de Formação Docente: o programa de iniciação à docência no contexto brasileiro atual. Revista Eletrônica de Educação, 12(2), 308-318. https://doi.org/10.14244/198271992432

Malta, D. C., Szwarcwald, C. L., Barros, M. B. A., Gomes, C. S., Machado, I. E. et al. (2020). A pandemia da COVID-19 e as mudanças no estilo de vida dos brasileiros adultos: um estudo transversal, 2020. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 29(4). https://doi.org/10.1590/S1679-49742020000400026

Ministério da Educação e Cultura. (MEC) (2018). PIBID e Residência Pedagógica fazem chamada para inscrições. Retirado de: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/222-537011943/64421-pibid-e-residencia-pedagogica-fazem-chamada-para-habilitar-as-inscricoes

OCDE (2006). Professores são importantes: atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes; relatório de pesquisa. São Paulo: Moderna.

Passos, C. L. B., Nacarato, A., Fiorentini, D., Miskulin, R. G., Grando, R. C. et al. (2006). Desenvolvimento profissional do professor que ensina matemática: uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante, 15(1,2), 193-216. https://doi.org/10.48489/quadrante.22800

Rondini, C. A., Pedro, K. M., & Duarte, C. S. (2020). Pandemia do covid-19 e o ensino remoto emergencial: mudanças na práxis docente. Educação, 10(1), 41-57. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v10n1p41-57

Schön, D. (1983). The reflective practitioner: how professionals think in action. Aldershot, England: Ashgate.

Schön, D. (1987). Educating the Reflective Practitioner. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Schön, D. (1988). Coaching reflective teaching. In P. P. Grimmett & G. L. Erickson (Eds.), Reflection in Teacher Education (pp. 19-29). New York: Teachers College Press.

Schön, D. (1997). Formar professores como profissionais reflexivos. In A. Nóvoa (Org.), Os professores e a sua formação (pp. 79-91). Lisboa: Dom Quixote.

Silva, K. A. C. P., & Cruz, S. P. (2018). A residência pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Momento: Diálogos em Educação, 27(2), 227-247. https://doi.org/10.14295/momento.v27i2.8062

Silveira, H. E. (2017). Memórias sobre o PIBID: concepções, criação e dinâmica de funcionamento. Revista crítica educativa, 3(2), 50-62. https://doi.org/10.22476/revcted.v3i2.215

Souza, M. A. S., & Almouloud, S. A. (2019). Contribuições do PIBID na formação inicial do professor de matemática: saberes da docência. Educação Matemática Pesquisa, 21(5), 589-603. https://doi.org/10.23925/1983-3156.2019v21i5p589-603

Sztajn, P. (2013). Pesquisadores de desenvolvimento profissional em Matemática como partes interessadas. Sisyphus – Journal of Education, 1(3), 246-269. https://doi.org/10.25749/sis.3713

UFSCar (2018a). Projeto Institucional de Bolsas de Iniciação à docência: Parceria colaborativa Universidade-Escola: contribuições à iniciação docente. São Carlos/SP, Brasil.

UFSCar (2018b). Projeto Institucional Residência Pedagógica: Estágio compartilhado entre universidade e escola: contribuições para a identidade docente. São Carlos/SP, Brasil.

UFSCar (2020a). Projeto Institucional de Bolsas de Iniciação à docência: Iniciação à docência colaborativa: desafios e possibilidades da profissão na perspectiva colaborativa e interdisciplinar. São Carlos/SP, Brasil.

UFSCar (2020b). Projeto Institucional Residência Pedagógica Estágio compartilhado entre universidade e escola: contribuições para as práticas docentes. São Carlos/SP Brasil.

UNESCO (2020). A Comissão Futuros da Educação da Unesco apela ao planejamento antecipado contra o aumento das desigualdades após a COVID-19. Paris: Unesco. Retirado de: https://pt.unesco.org/news/comissao-futuros-da-educacao-da-unesco-apela-ao-planejamento-antecipado-o-aumento-das

Zeichner, K. M. (2008). Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Revista Educação e Sociedade, 29(103), 535-554. https://doi.org/10.1590/S0101-73302008000200012

Published

2021-06-30