Indoor air quality in gyms - a case study in the county of Coimbra

Fábio Monteiro, Ana Ferreira, Fernando Moreira

Abstract


Introduction: The appearance of the Indoor Air Quality (IAQ) as a Science appear in the 70's due to the energy crisis with consequent construction of private buildings. This vision only gained worldwide relief because of the discovery that a decrease in rates of air exchange in this type of buildings was the main cause for air increased pollutant concentration in the indoor air.
Objetives: To evaluate the IAQ regarding the applicable legislation in gyms.
Methods: The present study is characterized by being of level II, observational and cross-sectional cohort. The sample consisted of 3 gyms Coimbra and by 7 workers/. In order to achieve this objective, there was an analytical assessment of both physical and chemical parameters and filling questionnaires by the workers.
Results: Regarding the obtained results of the evaluated parameters, it is possible to conclude that the PM 10 (Particulate Matter diameter of 10 mg/m3), the VOC's (Volatile Organic Compounds) and Relative Humidity presented risk values concerning workers health.
Conclusions: The data collected it was possible to verify the importance and relevance of the studies in the future to ensure a better quality of life for all.


Keywords


Indoor Air Quality; Physical-Chemical Environmental Parameters; Public Health.

Full Text:

PDF

References


Alves, C. A. (2012). Formaldeído em escolas: Uma revisão. Química Nova, 35(10), 2025–2039.

Barbosa, A. R. P. (2012). Avaliação da qualidade do ar interior em edifícios do ISEP (Sissertação de Mestrado, Instituto Superior

de Engenharia do Instituto Politécnico de Porto). Obtido de: http://recipp.ipp.pt/handle/10400.22/4414

Barros, C. C. A. (2013). Estudo de edifício visando eficiência energética e qualidade do ambiente interior (Dissertação de

Mestrado, Universidade do Minho). Obtido de: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/30709

Brickus, L. S. R., & Neto, F. R. A. (1999). A qualidade do ar de interiores e a química. Química Nova, 22(1), 65–74.

Carmo, A. T., & Prado, R. T. A. (1999). Qualidade do ar interno. São Paulo: Escola Politécnica da USP. ISSN 1413-0386

Costa, M. F. B. & Costa, M. A. F. (2006). A qualidade do ar interiores e a saúde humana. Interfacehs, 1(2), 1–10.

Ferreira, A. M. C., & Cardoso, S. M. (2013). Estudo exploratório da qualidade do ar em escolas de educação básica, Coimbra, Portugal. Revista de Saúde Pública, 47(6), 1059–1068.

Fraga, S., Ramos, E., Martins, A., Samúdio, M. J., Silva, G., Guedes, J., … Barros, H. (2008). Qualidade do ar interior e sintomas respiratórios em escolas do Porto. Revista Portuguesa de Pneumologia, 14(4), 487–507.

Madureira, J., Paciência, I., Rufo, J., Ramos, E., Barros, H., Teixeira, J. P., & Fernandes, E. O. (2015). Indoor air quality in schools and its relationship with children’s respiratory symptoms. Atmospheric Environment, 118, 145–156.

Marques, L. R. D. (2013). Qualidade do ar interior em instalações desportivas (Dissertação de Mestrado, Universidade de Aveiro). Obtido de: https://ria.ua.pt/bitstream/10773/12433/1/Tese.pdf

Matos, C. E., & Andrade, R. D. (2013). Toxicologia ambiental: Aspectos toxicológicos e políticos sobre a poluição do ar. Revinter, 6(2), 75–89.

Portaria n.º 353-A/2013. (2013, Dezembro 4). Estabelece os valores mínimos de caudal de ar novo por espaço, bem como os limiares de proteção e as condições de referência para os poluentes do ar interior dos edifícios de comércio e serviços novos, sujeitos a grande intervenção e existentes e a respetiva metodologia de avaliação [Portugal]. Diário da República, 1(235), pp. 6644-(2)-6642(9). Retrieved from https://dre.pt/application/file/a/331946

Ramos, C. A. A. M. C. (2013). Qualidade do ar interior em ginásios: Exposição a poluentes do ar interior durante a atividade física (Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Educação e Ciências). Obtido de: http://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/9022

Robertson, G. (2016). Clearing the air: Improving indoor air quality in libraries. In Robertson on library security and disaster planning (pp. 211-217). Waltham, MA: Elsevier

Santos, J. P. C. M. (2008). Avaliação experimental dos níveis de qualidade do ar interior em quartos de dormir: Um caso de estudo (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa). Obtido de: https://run.unl.pt/handle/10362/1834

Schirmer, W. N., Pian, L. B., Sílvia, M., Szymanski, E., & Gauer, M. A. (2011). A poluição do ar em ambientes internos e a síndrome dos edifícios doentes. Ciência e Saúde Coletiva, 16(8), 3583–3590.

Schossler, I. S., Santana, E. R. R. & Spinelli, R. (2015). Avaliação de qualidade do ar interior em relação às características de ventilação das edificações. Revista Destaques Académicos, 7(4), 230–243.

Sodré, E. D., Tórtora, J. C. O., & Corrêa, S. M. (2014). Avaliação da qualidade do ar interior do Hospital Universitário Pedro Ernesto. Sustinere – Revista de Saúde e Educação, 2(2), 36–56.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Developed by:

Licença Creative CommonsIndexed in: