A crise de sociabilidade em Portugal: um contributo histórico, etnológico e sociológico para a leitura da nossa sociedade actual

Alberto Manuel Vara Branco

Abstract


Em 1974 dá-se a Revolução de Abril, que vai dar por findo o Estado Novo, caduco e esgotado. De repente tudo muda, pois o que era preciso era transformar para melhor. Contudo, um vazio político imperou até 1975, com um certo reaccionarismo de esquerda. Como salienta Mattoso (1994), durante meses multiplicaram-se as manifestações que lançaram nas ruas e nas praças dos principais centros urbanos e rurais do país, mas muito especialmente em Lisboa e no Porto, centenas de milhares de pessoas (p. 211), o que evidencia a perturbação política e social que se viveu no país. 

Com este panorama político por base, assiste-se a uma transformação repentina e descoordenada da sociedade portuguesa, cheia de equívocos e conflitos de contornos imprevisíveis, sem tempo disponível de absorção por parte de quem tem o interesse na ascensão social. Nas sociedades ditas abertas, o indivíduo possui as mesmas probabilidades de ocupar a posição social que deseja desde que tenha a aptidão ou a competência, única restrição à ascensão social. No entanto, a situação de Portugal, com o poder a cair na rua, com excessos nas limitações aos direitos individuais dos cidadãos, permitia a perturbação da vida pública. Sublinha-se que neste Portugal em transe, em transformação, Mattoso (1994) diz que o nosso país é uma república de revolucionários entre 1974/1975, uma república de políticos entre 1976/1982, uma república de empresários entre 1982/1990 e uma república de financeiros e jornalistas a partir de então.


Full Text:

PDF (Português)

References


· BERNSTEIN, Basil. Class, codes and control. London, Routledge and

Kegan Paul, 1975.

· BUTLER, T. e SAVAGE, M. Social Change and the middle classes.

London, UCL Press, 1995.

· COSTER, Michael e BAWIN-LEGROS, Bernadette. Introdução à

Sociologia. Lisboa, Editorial Estampa, 1998.

· DURKHEIM, Émile. The elementary forms of the religious life. London,

Allen and Unwin, 1976.

· HABERMAS, Jüngen. The structural transformation of the public sphere.

Cambridge, Polity Press, 1989.

· HALBWACHS, Maurice. Les cadres sociaux de la mémoire. Paris, 1925.

· HALL, Ross Hume. Health and the global environment. Cambridge,

Polity Press, 1990.

· MATTOSO, José. História de Portugal. Vol. 8. Lisboa, Editorial Estampa,

· MERLLIÉ, Dominique e PRÉVOT, Jean. La mobilité social. Paris, La

découverte, 1991.

· PARSONS, Talcott. Societés: Evolutionary and comparative perspectives. Englewood Cliffs, Prtentice-Hall, 1966.

· TOURAINE, Alain. Critique de la modernité. Paris, Fayard, 1992.

· WEBER, Max. The Protestant ethic and the spirit of capitalism. London,

Allen e Unwin, 1976.

· PARETTO, Vilfredo. Tratado de Sociologia Geral. Paris, 1917.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.