ESCENARIOS PREDICTIVOS DEL POSICIONAMIENTO DE LA LÍNEA DE COSTA DE MATINHOS - PR – BRASIL: SUBSIDIOS PARA LA GESTIÓN COSTERA

  • Maria Carolina Stellfeld UFPR
  • Eduardo Vedor de Paula Universidade Federal do Paraná
  • Everton Passos Universidade Federal do Paraná

Resumo

CENÁRIOS PREDITIVOS DO POSICIONAMENTO DA LINHA DE COSTA EM MATINHOS – PARANÁ (BRAZIL): SUBSÍDIOS PARA GESTÃO COSTEIRA. O Brasil lançou em 2018 o Programa Nacional para a Conservação da Linha de Costa - PROCOSTA, que tem como objetivo projetar a linha de costa e identificar perigos no litoral. No programa, o perigo pode ser definido como fenómenos naturais que podem resultar em danos materiais e humanos, incluindo os processos de erosão costeira. Neste sentido, este trabalho identifica as variações anuais da linha de costa, detectando locais com erosão, e traça cenários em conformidade com o intervalo temporal sugerido pelo PROCOSTA, no município de Matinhos, litoral sul do Paraná - Brasil. Aqui se apresentam os resultados obtidos com os cenários de evolução da linha de costa, que foram gerados a partir do resultado da análise espacial e temporal do movimento da linha de costa entre os anos de 1951 e 2016, e também indica possíveis soluções para o problema local de erosão costeira. As praias situadas em locais onde houve interferência antrópica na linha de costa e na desembocadura do rio Matinhos apresentam cenários com maior possibilidade que estruturas situadas na orla sejam atingidas pelo mar em 25 anos. As praias situadas ao norte do município e que mantêm a vegetação de restinga preservada apresentam cenários de estabilidade, sendo que os cenários preditivos indicam que a erosão não alcançará as edificações em um período de 100 anos. Este trabalho reconhece as limitações em relação ao mapeamento temporal das linhas de costa e não é uma previsão, todavia tem a pretensão de ser um ponto de partida para o ordenamento territorial, proporcionando uma base para ações mais assertivas. 

Biografias do Autor

Eduardo Vedor de Paula, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação e mestrado em Geografia pela UFPR (Universidade Federal do Paraná). Concluiu doutorado também em Geografia pela UFPR (2010), sendo bolsista DTI-1 do CNPq. Desenvolveu pós-doutorado em Ordenamento Territorial na UNCuyo (Mendoza/Argentina). Tem experiência em docência no ensino superior e no desenvolvimento de projetos técnicos e acadêmicos na área de geoprocessamento aplicado a estudos ambientais. Está vinculado ao Departamento de Geografia e ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFPR, onde desenvolve pesquisas na área de Planejamento e Gestão Ambiental do Território. Atualmente é Vice-Diretor do Setor de Ciências da Terra da UFPR, representante do Brasil na RIDOT (Red ìberoamericana de Observación Territorial), membro do Comitê Técnico Permanente do Instituto LIFE e integra a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, gerida pela Fundação Grupo Boticário. Também coordena convênio entre a UFPR e o ICMBio, tendo como foco o desenvolvimento de ferramentas de subsídio ao planejamento e gestão das unidades de conservação do litoral norte do estado do Paraná.

Everton Passos, Universidade Federal do Paraná

Graduado em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (1976), mestre em Ciências do Solo pela Universidade Federal do Paraná (1985) e doutor em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1999). Professor Titular da Universidade Federal do Paraná e consultor na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física - Geomorfologia, atuando nas seguintes temáticas: geomorfologia, análise de paisagem, ambiental e em geoprocessamento.

Publicado
2020-05-28
Edição
Secção
Artigos