Challenges for the prevention and control congenital syphilis

  • Anna Larissa Mesquita Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil
  • Maria Adelane Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú, Centro de Ciencias da Saúde, Sobral/CE, Brasil
  • Ana Jessyca Sousa Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil
  • David Júnior Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil
  • Verena Emmanuelle Ferreira Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil
  • Maria Socorro Linhares Universidade Estadual Vale do Acaraú, Centro de Ciencias da Saúde, Sobral/CE, Brasil
Keywords: Congenital syphilis, Prenatal assist, Pregnantes, Healthcare professionals

Abstract

Introduction: The prenatal assist quality offered is decisive in the preservation from congenital syphilis, the healthcare professionals have essentials role, once your assist will influence directly.

Objectives: Understand the challenges in the perform the prenatal for the preservation and control congenital syphilis.

Methods: It`s a exploratory study with qualitative approach. The scenario was a Ceará state healthcare region and the data collect occurred in from august 2016 to September 2017. There was apply a quiz with 59 professionals, for the analyze has used it the referential of Discourse of the Collective Subject. The research respects the bioethics principles from resolution nº 466/12, approved it for the ethic committee in research over number protocol 1.633.568.

Results: From the analyze of the professionals’ speech end up in five speeches divided in two thematic: Pregnant co-responsibility; Partner accession to the treatment; Pregnant Women Vulnerabilities with syphilis diagnostic; Professionals Rotation and the bond with the population and professional’s update lack. Conclusions: Stands out that should be considered and give it emphasis the pregnantes vulnerabilities, in a way to give value your needs and subjectivities to achieve a prenatal with quality, preventing and controlling the congenital syphilis.

References

Ayres, J.R.C.M., França Júnior, I., Calazans, G.J., & Saletti Filho, H.C. (2009) O conceito de vulnerabilidade e as práticas em saúde. Novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia, D; Machado, C, organizadores. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. (2a ed). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Bomfim, E.S., Oliveira, B.G., Rosa, R.S., Almeida, M.V.G., Silva, S.S., & Araújo, I.B. (2017). Educação permanente no cotidiano das equipes de saúde da família: utopia, intenção ou realidade? Revista Online de Pesquisa Fundamental. 9(2), 526-535.

Brito, E. S. V., Oliveira, R. C., & Silva, M. R. F. (2012) Análise da continuidade da assistência à saúde de adolescentes portadores de diabetes. Revista Brasileira Materno- Infantil.12(4), 413-423.

Campos, A.L.A., Araújo, M.A.L., Melo, S.P., Andrade, R.F.V., & Gonçalves, M.L.C. (2012). Sífilis em parturiente: aspectos relacionados ao parceiro sexual. Revista Brasileira Ginecologia e Obstetrícia, 34(9), 397-402.

Cavalcante, A.E.S., Silva, M.A.M., Rodrigues, A.R.M., Mourão Netto, J.J.M., Moreira, A.C.A., & Goyanna, N.F. (2012). Diagnóstico e Tratamento da Sífilis: uma Investigação com Mulheres Assistidas na Atenção Básica em Sobral, Ceará. Revista DST - Jornal brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, 24(4), 239-245

Costa, C.C., Freitas, L.V., Sousa, D.M.N., Oliveira, L.L., Chagas, A.C.M.A., & Lopes, M.V.O., et al. (2013). Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista escola de enfermagem USP, 47(1), 152-159. Retrieved from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000100019&lng=en&nrm=iso.

Domingues, R.M.S.M., Lauria, L.M., Saraceni, V., & Leal, M.C. (2013). Manejo da sífilis na gestação: conhecimentos, práticas e atitudes dos profissionais pré-natalistas da rede SUS do município do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 18(5), 1341-1351. Retrieved from: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v18n5/19.pdf.

Domingues, R.M.S.M., & Leal, M.C. (2016). Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Caderno de Saúde Pública, 32(6), 1-12. Retrieved from: http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n6/1678-4464-csp-32-06-e00082415.pdf.

Feitosa, J.A.S., Rocha, C.H.R., & Costa, F.S. (2016). Sífilis congênita. Revista Medicina e Saude Brasilia, 5(2), 286-297. Retrieved from: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rmsbr/article/download/6749/4573.

Figueiredo, M.S.N., Cavalcante, E.G.R., Oliveira, C.J., Monteiro, M.F.V., Quirino, G.S., & Oliveira, D.R. (2015). Percepção de enfermeiros sobre a adesão ao tratamento dos parceiros de gestantes com sífilis. Revista Rene, 16(3), 345-354.

Florencio, R.S. (2018). Vulnerabilidade em saúde: uma clarificação conceitual. Tese de doutorado, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5a ed). São Paulo: Atlas.

Giovani, M.S.P., & Vieira, C.M. (2013). Longitudinalidade do cuidado diante da rotatividade de profissionais na Estratégia Saúde da Família. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. 7(4), 01-14.

Hawkes, S.,Matin, N.,Broutet, N., & Low, N. (2011). Effectiveness of interventions to improve screening for syphilis inpregnancy: a systematic review and meta-analysis. Lancet InfectDis, 11(9), 684 – 691.

Lafetá, K.R.G., Martelli Junior, H., Silveira, M.F., & Paranaiba, L.M.R. (2016). Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Revista Brasileira de Epidemiologia, 19(1), 63-74.

Lefevre, F., Lefevre, A. C., & Teixeira, J. J. V. (2005). O Discurso do Sujeito Coletivo: Uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul, Edus.

Magnago,C., & Pierantoni, C.R. (2014). A percepção de gestores dos municípios de Duque de Caxias e Rio de Janeiro quanto à rotatividade de profissionais na Estratégia Saúde da Família. Revista Cereus. 6(1), 03-18. Retrieved from: http://ojs.unirg.edu.br/index.php/1/article/view/573/230.

Mesquita, A.L.M., Silva, M.A.M., Ferreira, V.E.S., Araújo Júnior, D.G., Sousa, A.J.C., & Vasconcelos, M.N., et al. (2017). Discurso de profissionais de saúdeacerca das necessidades de gestantes diagnosticadas comsífilis. Atas do 7º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa. Retrieved from: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2018/issue/view/25.

Muñoz, L.A., Sanchez, X., Arcos, E., Vollrath, A., & Bonatti, C. (2013). Vivenciando a maternidade em contextos de vulnerabilidade social: uma abordagem compreensiva da fenomenologia social. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 21(4), 01-07.

Nota informativa nº2 – SEI/2017 – DIAHV/SVS/MS. Altera os critérios de Definição de casos para notificação de Sífilis Adquirida, Sífilis em Gestantes e Sífilis Congênita. (2017). Brasília, DF. Retrieved from: http://portalsinan.saude.gov.br/images/documentos/Agravos/Sifilis-Ges/Nota_Informativa_Sifilis.pdf.

Nunes, J.T., Marinho, A. C. V., Davim, R. M. B., Silva, G.G.O., Félix, R.S., & Martino, M.M.F. (2017). Syphilis in gestation: perspectives and nurse conduct. Revista de enfermagem da UFPE. 11(12), 4875-4884.

Pan American Health Organization Elimination of mother-to-child transmission of HIV and syphilis in the Americas. (2016). Update 2016. Washington.

Silva, D.M.A., Araújo, M.A.L., Silva, R.M., Andrade, R.F.V., Moura, H.J., & Esteve, A.B.B. (2014). Conhecimento dos profissionais de saúde acerca da transmissão vertical da sífilis em Fortaleza. Texto e Contexto Enfermagem. 23(2), 278-285. Retrieved from: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71431352007.

Wijesooriya, N.S., Rochat, R.W., Kamb, M.L., Turlapati, P., Temmerman, M., & Broutet, M., et al. (2016). Global Burden of Maternal and Congenital Syphilis in 2008 and 2012: a Health Systems Modelling Study. Lancet Glob Health. 4, 525-33.

Yui, F.M., Melo, S.C.C.S., Costa, A.B., Sila, M.N.M.G., Massan, F., & Tashima, C.F., et al (2017). Prevalência de Sífilis Congênita: uma Revisão Integrativa. Revista Uningá, 53(2),149-155.

Published
2019-09-30
Section
Life and Healthcare Sciences