Sociodemographic profile of depression in the elderly in brasil: integrative review

  • Ilda Fernandes Escola Superior de Enfermagem do Porto – ESEP, Porto, Portugal
  • Fabrícia Neves Universidade Federal do Amazonas (UFAM)/ISB-Coari-AM, Brasil.
  • Patrícia Guimarães Universidade Federal do Amazonas (UFAM)/ISB-Coari-AM, Brasil.
  • Karla Maria Rolim Universidade de Fortaleza-UNIFOR, Fortaleza, Brasil
  • Firmina Hermelinda Albuquerque Universidade Federal do Amazonas (UFAM)/ISB-Coari-AM, Brasil
  • Luisa Andrade Escola Superior de Enfermagem do Porto – ESEP, Porto, Portugal
  • Rejane Milliones Centro Universitário do Rio Grande do Norte – UNI-RN, Natal, Brasil
Keywords: depression, seniors, geriatrics

Abstract

Introduction: The prevalence of clinically significant depressive symptoms in the elderly is high. Therefore, it is essential that health professionals know the dominant profile of this nosological entity.

Objectives: To identify in the literature, the sociodemographic profile of elderly people affected by depression between 2002 and 2016.

Methods: Integrative literature review, carried out in the Latin American and Caribbean Health Sciences (LILACS) and Scientific Electronic Library Online (SciELO) databases, using the descriptors: depression, the elderly and geriatrics.

Results: The prevalence of depressive illness significantly affects females (90%), aged over 60. The socio-demographic profile identifies white elderly, single, Catholic, illiterate, of medium economic level, with a family history. The use of illicit and licit drugs and a high rate of cognitive deficit are also prevalent characteristics in the profile of an elderly person with depression.

Conclusions: Over the past few years, the elderly population has been showing an increase in mental illnesses, including depression. This, therefore, deserves more qualified and humanized attention by the health team, with the aim of reducing the rates of mental disorders in the elderly.

References

Ávila, R. & Bottino, C.M.C. (2006). Atualização sobre alterações cognitivas em idosos com síndrome depressiva. Rev. Bras. Psiquiatr, 28(4), 316-20.
Coutinho, M.P.L., Gontiès, B., Araújo, L.F., & Sá, R.C.N. (2003). Depressão, um sofrimento sem fronteira: representações sociais entre crianças e idosos. Psico-USF, 8, (2), 183-192.
Ferrari, J. F., & Dalacorte, R. R. (2007). Com o envelhecimento progressivo da população, passou-se a desenvolver uma abordagem geriátrica mais globalizada dos problemas relacionados a essa faixa etária. Scientia Medica, 17, (1), 3-8.
Ferreira, K.V. & Melo, N.I. (2017). Depressão em idosos: o papel do profissional farmacêutico. Rev. Psicol Saúde e Debate. 4 (1), 44-60.
Fonseca, A.A., Coutinho, M.P.L., & Azevedo, R.L.W.(2008) Representações Sociais da Depressão em Jovens Universitários Com e Sem Sintomas para Desenvolver a Depressão, Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(3), 492-498. Garcia, A., Passos, A., Campo, A.T., Pinheiro, E., Barroso, F., Coutinho, G., Mesquita, L.F., Alves, M., & Franco, A. S. (2006). A depressão e o processo de envelhecimento. Ciências & Cognição, 7, 111-121.
José Juárez, M., Angélica, L.F., & Vicky, A.L. (2012). Evaluación del grado de depresión de adultos mayores de 60 años del AA.HH “Viña alta” – La Molina, Lima-Perú. Rev Horiz Med, 12(2).
Lima, A.M.P., Ramos, J.L.S., Bezerra, I.M.P., Rocha, R.P.B., Batista, H.M.T., & Pinheiro, W.R. (2016). Depressão em idosos: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, 6(2), 97-103.
Matias, A.G., Fonsêca, M.A., Gomes, M.L., & Matos, M.A. (2016). Indicadores de depressão em idosos e os diferentes métodos de rastreamento. Einstein, 14(1), 6-11.
Nogueira, E.L., Rubin, L.L., Giacobbo, S.S., Gomes, I., & Neto, A.C. (2014). Rastreamento de sintomas depressivos em idosos na Estratégia Saúde da Família, Porto Alegre. Rev Saúde Pública, 48(3), 368-377.
Oliveira, D.A.A.P., Gomes, L., & Oliveira, R.F. (2006). Prevalência de depressão em idosos que freqüentam centros de convivência. Rev Saúde Pública; 40(4), 734-6.
Pacheco, J.L. (2002). Educação, Trabalho e Envelhecimento: Estudo das histórias de vida de trabalhadores assalariados e suas relações com a escola, com o trabalho e com os sintomas depressivos, após a aposentadoria. Tese de Doutorado – Educação / Gerontologia. UNICAMP, Campinas, SP.
Ramos, M. (2007). Os sintomas depressivos e as relações sociais na terceira idade, Revista do Departamento de Psicologia - UFF, 19(2), 397-410.
Silva, E.R., Sousa, A.R.P., Ferreira, L.B., & Peixoto, H.M. (2012). Prevalência e fatores associados à depressão entre idosos institucionalizados: subsídio ao cuidado de enfermagem. Rev Esc Enferm USP, 46(6), 1387-93.
Silva, G.B., Silva, V.B., Lopes, R.C., & Silva, J.W.F. (2010). Caracterizando a depressão no idoso: uma revisão bibliográfica, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.6, n.9.
Silva, M.C.F., Furegato, A.R.F., & Júnior, M.L.C., (2003). Depressão: pontos de vista e conhecimento de enfermeiros da rede básica de saúde. Rev Lat Amer Enfermagem, 11(1), 7-13.
Sousa, R.L., Medeiros, J.G.M., Moura, A.C.L., Souza, C.L.M., & Moreira, I.F.(2007). Validade e fidedignidade da Escala de Depressão Geriátrica na identificação de idosos deprimidos em um hospital geral. J Bras Psiquiatr, 56(2): 102-107.
Sousa-Muñoz, R.L; Junior, E.D.F., Nascimento, D.B., Garcia, B.B., & Moreira, I.F. (2013). Associação entre sintomatologia depressiva e óbito hospitalar em idosos. J Bras. Psiquiatr, 62(3), 177-82.
Stella, F., Gobbi, S., Corazza, D.I., & Costa, J.L.R. (2002). Depressão do Idoso e Atividade Física. Motriz, 8 (3), 91-98.
Tier, CG; Lunardi, V.L.L., & Santos, S.S.C. (2008). Cuidado ao idoso deprimido e institucionalizado à luz da Complexidade. Revista Eletrônica de Enfermagem, 10(2), 530-536.
Published
2020-04-30
Section
Life and Healthcare Sciences