Job satisfaction and emotional competence of nurses at inpatient hospital services

Authors

DOI:

https://doi.org/10.29352/mill0216.24955

Keywords:

nursing, job satisfaction, emotional intelligence

Abstract

Introduction: Nurses’ job satisfaction and emotional competence are important for the safety and quality of the care provided so it is essential to measure them.

Objectives: To characterize nurses’ job satisfaction and emotional competence and to evaluate the association between both variables and the nurses’ sociodemographic and professional characteristics.

Methods: Descriptive-correlational, exploratory, cross-sectional quantitative study. Application of a questionnaire to 44 nurses in a hospital in the north of Portugal which includes sociodemographic and professional characterization, “Escala da Satisfação Profissional” (Job Satisfaction Scale); e “Escala Veiga de Competência Emocional” (Emotional Competence Veiga Scale). The questionnaire was validated for this study.

Results: The results show that nurses are moderately satisfied professionally and perceive themselves with moderate emotional competence. Nurses’ age is positively correlated with self-motivation.

Conclusion: It is essential that health organizations systematically assess nurses’ job satisfaction and emotional competence in order to implement interventions that enhance these two variables, such as nursing clinical supervision programs.

References

Agostinho, L. (2008). Competência emocional em enfermeiros: um estudo em hospitais públicos. Dissertação de mestrado apresentada à UA. Aveiro.

Augusto, C., Rocha, I., Carvalho, L., & Pinto, C. (2019). Evaluation of nurses’ job satisfaction. The European Proceedings of Social & Behavioural Sciences, 568-574. doi: 10.15405/epsbs.2019.04.02.71

Boamah, S., Read, E., & Laschinger, H. (2017). Factors influencing new graduate nurse burnout development, job satisfaction and patient care quality: a time-lagged study. Journal of Advanced Nursing, 73(5), 1182-1195. doi: 10.1111/jan.13215

Decreto-Lei nº 48/90. Diário da República, 1.ª série, nº 195, 24 de agosto de 1990. Assembleia da República. Lisboa.

Documento Normativo nº 2482.1 de 17 de outubro. (2014). Avaliação da satisfação dos profissionais da ULSM. Gabinete da Qualidade da ULSM. Porto, Portugal.

Ferreira, V. (2011). A Satisfação Profissional dos Enfermeiros em Cuidados de Saúde Primários no Distrito de Braga. Dissertação de Mestrado apresentada à FEP. Porto.

Ferreira, G. & Dias, C. (2017). A importância da qualidade de vida no trabalho e da motivação dos colaboradores de uma organização. Revista Psicologia e Saúde em Debate, 3(2), 30-43. doi: 10.22289/2446-922X.V3N2A3.

Ferreira, C., Fernandez, R., & Anes, E. (2017). Satisfação profissional dos enfermeiros em unidades hospitalares do norte de Portugal. Revista de Enfermagem Referência, 4(15), 109-118. doi: 10.12707/RIV17043

Francisco, E. (2017). Atitude dos enfermeiros e a família na área hospitalar. Dissertação de mestrado apresentada à ESS - IPV. Viseu.

Goleman, D. (2000). Trabalhar com Inteligência Emocional (3ª ed.). Lisboa: Temas e Debates.

Goleman, D. (2003). Inteligência Emocional (12.ª ed.). Lisboa: Temas e Debates.

João, A., Alves, C., Silva, C., Diogo, F., & Ferreira, N. (2017). Validação de uma escala de satisfação dos enfermeiros com o trabalho para a população portuguesa. Revista de Enfermagem Referência, 4(12), 117-130. doi:10.12707/RIV16066

Lopes, P. (2016). Emotional intelligence in organizations: bridging research and practice. Emotion Review, 8(4), 316-321. doi:10.1177/1754073916650496

Rabaça, H. (2018). Avaliação da satisfação profissional dos enfermeiros num ACES da região de Lisboa. Dissertação de mestrado apresentada à ESEL. Lisboa.

Raghubir, A. (2018). Emotional intelligence in professional nursing practice: A concept review using Rodgers’s evolutionary analysis approach. International Journal of Nursing Sciences, 5, 126-130. doi: 10.1016/j.ijnss.2018.03.004

Ribeiro, L. & Santana, L. (2015). Qualidade de vida no trabalho: Fator decisivo para o sucesso organizacional. Revista de Iniciação Científica, 2, 75-96.

Santos, S. (2016). A satisfação profissional nos enfermeiros de reabilitação. Dissertação de mestrado apresentada à ESS – IPVC. Viana do Castelo.

Tavares, M. (2017). Atitude dos enfermeiros: a importância da família no cuidar. Dissertação de mestrado apresentada à ESS - IPV. Viseu.

Temesgen, K., Aycheh, M., & Leshargie, C. (2018). Job satisfaction and associated factors among health professionals working at Western Amhara Region, Ethiopia. Health and Quality of Life Outcomes, 16 (1), 16-65. doi:10.1186/s12955-018-0898-7

Veiga-Branco, A. (2005). Competência Emocional em Professores: Um Estudo em Discursos do Campo Educativo. Tese de Doutoramento apresentada à FPCEUP. Porto.

Veiga-Branco, A. (2019). Competência emocional. In J. Jardim & J. Franco (Eds.), Dicionário de Educação para o Empreendedorismo (pp. 132-135). Lisboa: Gradiva.

Vilela, C. (2006). Capacidades da inteligência emocional em enfermeiros: validação de um instrumento de medida. Dissertação de mestrado apresentada à UA. Aveiro.

Downloads

Published

2021-09-14

Issue

Section

Life and Healthcare Sciences