As Variações Linguísticas e suas Implicações na Prática Docente

Authors

  • Jessé Santana
  • Maria Neves

Keywords:

docência, Língua Portuguesa, práxis, variações linguísticas

Abstract

As variações linguísticas constituem, junto com o português padrão, a Língua Portuguesa do Brasil, falada por mais de 190 milhões de brasileiros (IBGE, 2010). A diversidade de linguagem presente na população contribui para a complexidade das diferentes falas. No entanto, muitas vezes, durante o ensino da língua materna, essas diferenças são desprezadas e consideradas um desvio da norma padrão. Através de uma pesquisa de cunho investigativo, com revisão bibliográfica de autores renomados na temática, o presente artigo busca discutir as implicações das variações linguísticas no ensino da Língua Portuguesa, nos anos iniciais de escolaridade, destacando a importância do combate ao preconceito linguístico e fundamentando epistemologicamente a influência da escola na sua propagação. Buscamos definir, ainda, os conceitos de variação linguística e de Português padrão e apresentar os fatores que influenciam o ensino da variação linguística.

References

- Antunes, Irandé (2003). Aula de Português: Encontro e interação. São Paulo. Parábola Editorial. (série Aula 1).

- Bagno, Marcos (1998). Pesquisa na escola: o que é como se faz. São Paulo: Loyola.

- Bagno, Marcos (2004). A língua de Eulália: novela sociolinguística. São Paulo: Contexto.

- Bagno, Marcos (2008). Preconceito Linguístico: o que é, como se faz? São Paulo: Loyola.

- Cagliari, Luiz Carlos (2007). Alfabetização e Linguística. São Paulo: Scipione.

- Fiorin, José Luiz (2006). Introdução à Linguística. São Paulo: Contexto.

- Freire, Paulo (2007). Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra.

- Geraldi, João Wanderley (1997). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática.

- IBGE (2010). Censo Demográfico 2010. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default_sinopse.shtm>. Ver também IBGE, Sinopse do Censo Demográfico 2010. População nos Censos Demográficos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação -1872/2010. Disponível em:<http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=4&uf=00>.

- IBGE (2011) -Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010: resultados preliminares da amostra. Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_preliminares_amostra/notas_resultados_preliminares_amostra.pdf>.

- IBGE (2015). População. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html>. Acesso em 16/2/2015.Consultado em 6 jan. 2015.

- Koch, Ingedore Grunfeld Villaça (2007). A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto.

- Lopes, Edward (2000). Fundamentos da linguística contemporânea. São Paulo: Cultrix.

- Marcuschi, Luiz Antônio (2007). Da Fala para a Escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez.

- Morais, Artur Gomes de (2007). Ortografia: ensinar e aprender. São Paulo: Ática.

- Mussalin, Fernanda & Bentes, Anna Cristina (2006). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. Vol. 1. São Paulo: Contexto.

- Saussure, Ferdinand de (1972). Curso de Linguística Geral. (20ª edição). São Paulo: Cultrix.

- Secretaria de Educação Fundamental do Ministério da Educação do Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Ensino de primeira a quarta série. I. título). Brasília: MEC/SEF. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>.

- Soares, Magda (2002). Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. In: Educação e Sociedade, v. 23, n.º 81, (dez 2002). Campinas.

- Terra, Ernani (2008). Linguagem, língua e fala. São Paulo: Scipione.

Published

2016-02-01

Issue

Section

Articles