Intervenção no sofrimento em doentes oncológicos

  • Helena Maria Martins Norinha Gomes Sobral

Abstract

É sobretudo a partir da última década do século passado que o alívio do sofrimento começa a ser entendido como uma componente importante dos cuidados profissionais de saúde. O crescente aumento das doenças crónicas, relacionado, por um lado, com os avanços terapêuticos e, por outro, com as alterações demográficas, tornou o sofrimento num problema de domínio mais público, em que a discussão sobre o seu reconhecimento e alívio se tornou aceitável e pertinente, pois para ser efectivamente aliviado, o sofrimento tem de ser reconhecido. Todavia, nunca poderemos viver verdadeiramente a angústia dos outros, mas podemos (e devemos) aprender a “reconhecer os objectivos, os valores e as respostas estéticas que formam o sentido do “eu”, cuja integridade é ameaçada pela dor e pela doença” (Cassell, 1991, p. 24).

References

Almeida, J. M Pereira; Melo, J. Santos (2001). Ética, espiritualidade e oncologia. In: Dias, Maria do Rosário; Durá, Estrella (coord.). Territórios da Psicologia Oncológica. Lisboa, Climepsi, pp. 129-143.

Baumann, Steven L.& Englert, Robert (2003). A Comparison of Three Views of Spirituality. Nursing Science Quarterly, (1), pp. 52-59.

Cassell, Eric J. (1991). Recognizing Sufering. Hastings Center Report, Maio-Junho, pp. 24-31.

Chalifour, Jacques (1989). La Relation D’aide en Soins Infirmiers. Une perspective holistique-humaniste. Montréal, Gaëtan Morin Éditeur.

Die Trill, Maria (2001). Cultura y câncer.In: Dias, Maria do Rosário; Durá, Estrella (coord.). Territórios da Psicologia Oncológica. Lisboa, Climepsi, pp. 640-651.

Fernandes, Susana & McIntyre, Teresa (2002). Avaliação da Eficácia de um Programa de Intervenção Psicológica Breve em Mulheres com Cancro da Mama. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática, (2), pp. 359-379.

Fleming, Manuela (2003). Dor Sem Nome. Pensar o Sofrimento. 2ª. Ed., Porto, Edições Afrontamento.

Gameiro, Manuel H.(1999). Sofrimento na Doença. Coimbra, Quarteto.

Marques, Manuel S. (2002). Dar com uma mão, tirar com a outra…da Sensibilidade e da Insensibilidade em Medicina. in Cantista, M. J. – A Dor e o Sofrimento. Abordagens. Porto, Campo das Letras, pp. 417-445.

McIntyre, Teresa Mendonça (2004). Perda e Sofrimento na Doença: Contributo da Psicologia da saúde. Psychologica, (35), pp. 161-179.

Renaud, Isabel (2006). Da finitude e fragilidade humana. Ordem dos Enfermeiros, (20), pp. 71-77.

Salcedo, J. Montalar & Urtasun, J. Aparício (1996). Los Síntomas del Enfermo Neoplásico. in Barón, M. González et al. Tratdo de Medicina Paliativa y Tratamiento de Soporte en el Enfermo com Cancér. Madrid: Editorial Médica Panamericana. p. 425- 436.

Schneider, Eric C. et al. (2004). Developing a System to Assess the Quality of Cancer Care: ASCO’s National Initiative on Cancer Care Quality. Journal of Clinical Oncology.(15), pp. 2985-2991.

Teixeira, Jorge (2003). Dia Mundial do Doente. Uma reflexão sobre o sentido da dor e do sofrimento no mundo de hoje. Hospitalidade, (259), pp. 28-30.

Teles, S. S.; Ribeiro, M. M. & Cardoso, V. (2003). A Psicologia na Área da Oncologia. Avaliação dos níveis de depressão e ansiedade em doentes com patologia colo-rectal maligna. Revista Portuguesa de Psicossomática, (2), pp. 71-77.

Published
2016-02-11
Section
Articles