Formar melhor para um melhor cuidar

  • Manuela Maria da Conceição Ferreira

Abstract

A formação surge como uma ajuda ao desenvolvimento humano, adoptando uma posição abrangente que inclui o aluno e o próprio professor (Kohlberg e Mayer, 1972), em que o resultado obtido é menos importante do que a disponibilidade gerada durante o percurso, para que o aluno possa continuar a evoluir ao longo da vida. Esta perspectiva desenvolvimentalista, antecipava já, a tendência actual que defende que a educação deve constituir para cada indivíduo uma forma de promover o máximo desenvolvimento das suas potencialidades, através de experiências de aprendizagem de complexidade crescente. A formação não é apenas uma instância de mediação das relações formador/formando ou equipa de formadores/grupo de formandos, mas uma instância de auto-mediação do formando com o seu mundo subjectivo, mediador do grupo de formação com as suas subjectividades, mediador do grupo com um projecto de acção através do qual ele se exterioriza (Correia, 1997: 25).

A qualidade do desenvolvimento e das aprendizagens do ser humano e de toda a acção pedagógica e educativa passa de uma maneira determinante pela qualidade das relações pessoais e interpessoais estabelecidas no processo de ensino/aprendizagem (Tavares, 1996). O mesmo autor (p: 83) refere que o “educador antes de mais tem de ser uma pessoa que se dirige a outra pessoa e a ajuda a dar à luz - mais e melhor que a parteira – a sua própria identidade pessoal, como ser inteligente e livre, autor e actor do seu próprio destino de uma maneira autónoma e responsável”.

 

References

ALARCÃO, I. [et al] – Percursos de Formação e desenvolvimento Profissional. Porto: Porto Editora, 1997

ALARCÃO, I. – Ser professor reflexivo. In ALARCÂO, Isabel [et al] – Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 1996

ALARCÃO, I. – Supervisão de professores e inovação educacional. Aveiro :CIDINE, 1995

ALARCÃO, I.; TAVARES, J. – Supervisão da Prática Pedagógica, uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Livraria Almedina, 1987

ALARCÃO, I; TAVARES, J. – Supervisão da Prática Pedagógica, uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. 2ª Ed. Coimbra: Livraria Almedina, 2003

ALLAL, L.; GARDINET, J.; PERRENOND, P. – Avaliação formativa num ensino diferenciado. Coimbra. Livraria Almedina, 1986.

AMIGUINHO, A. – Viver a formação, construir a mudança. Lisboa: Educa, 1992.

ATKINS, P.; MURPHY, K. – Reflection: a review of the literature journal of advance nursing. London 18 (18), 1993, p. 1188-1192

ATKINSON, L. D. [et al] – Fundamentos de enfermagem. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1989.

AUSUBEL, D. P. ; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. – Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamerica, 1980

BANDURA, A. – Self efficacy conception of anxiety. Anxiety research, 1988

BELCHIOR, F. H. – Educação de adultos e educação permanente: a realidade portuguesa. Lisboa: Livros horizonte, 1990.

BERBAUM, J. – Aprendizagem e Formação. Porto: Porto Editora, 1993

CALAFATE, L. – Etologia das Relações Interpessoais: Implicações da Biologia no Comportamento para a Descrição da Comunicação Pedagógica. Rev. O Professor, (Julho, 1997), p. 60-73

CANÁRIO, R. – Concepção e organização da formação, Pedagogia da saúde. Texto de apoio, n.º 11. Lisboa, 1992

CANÁRIO, R. – Formação e Situações de Trabalho. Porto: Porto Editora, 1997

CANÁRIO, R. – O professor e a produção de inovações, In Colóquio Educação e Sociedade, n.º 4, 1993

CANÁRIO, R.; OLIVEIRA, F. – Frequência e modalidades de utilização pelos alunos. Lisboa. Centro de Rec. Educativos da E.P. Marquesa de Alorna, 1991

CANAVARRO, M. C. S. – Relações Afectivas e Saúde Mental: Uma Abordagem ao Longo do Ciclo de Vida. Coimbra: Quarteto Editora, 1999

CARVALHO, A. L. R. F. – Factores que Influenciam a Aprendizagem do Aluno de Enfermagem. Porto: [s.n.]. Dissertação de Mestrado, 1996.

CHALIFOUR, J. – Eiseigner la relation d’aide. Canada : Gaëtan Morin Editeur, 1993

CORREIA, J. A. – Formação e trabalho : contributos para uma transformação dos modelos de pensar na sua articulação. In CANÁRIO, R. – Formação e situações de trabalho. Porto: Porto Editora, 1997

DELORS, J. – Educação: Um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educaçãopara o séc. XXI. 4ª ed. S. Paulo, Cortez/UNESCO, 2000

FERREIRA, C. M. – Formação Reflexiva em Ensino Clínico com Recurso à Técnica de Espelhamento: Impacto na Satisfação dos Estudantes. Rev. Pensar Enfermagem, vol. 5, n.º 2 – (2º semestre,/ 2001).p.32-39.

KOHLBERG, L. e MAYER, R. – Development as the aim of education. Harvard: Educational Review, 1972.

MODERNO, A. – A Comunicação Audiovisual no Processo Didáctico. Aveiro: Artes Gráficas 1992

MORAN, J. M. – Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In. MORAN, J: M.; MASSETO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, Papirus, 2000

MUCCHIELLI, R. – Opinions et changement d’opinion: connaissance do problème, application et pratique. Paris : Editions ESF, 1981

NEVES, L. – Contratos de Aprendizagem: Uma estratégia compatível com a prática clínica reflexiva. Rev. Informar, Ano II, n.º 4, (Jan/Mar, 1996) p. 14-18

NÓVOA, A.; FINGER, M. – O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa, Ministério da Saúde – Departamento de Recursos Humanos, 1988

PEARN, M.; DOWNS, S. – O desenvolvimento de formandos qualificados: a experiência da ICI e da SHELL no Reino Unido. In NYHAN, B. – Desenvolver a capacidade de aprendizagem das pessoas: perspectives europeias sobre a competência de auto-aprendizagem e mudança tecnológica. Bruxelas: Ed. Interuniversidades Europeias, 1991

PEREIRA, A. – Percepção da relação professor/aluno na prática clínica de

Enfermagem. Porto: [s.n.], 1996. Dissertação apresentada à Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Dissertação de Mestrado

POTTER, P. – Fundamentos de Enfermagem: Conceito Processo e Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999

PROENÇA, M.; BARROS, D. – Relação Pessoal e Interpessoal na Relação Social. Lisboa: Educa, 1993

ROGERS, C. R. – Tornar-se pessoa. 2ª Ed. Lisboa: Moraes Editores, 1985

TAVARES, J. – Dimensão Pessoal e interpessoal na formação. Aveiro: Cidine, 1993.

TAVARES, J. [et al] – Activação do desenvolvimento psicológico nos sistemas de formação. Aveiro: Cidine, 1995.

TAVARES, J. [et al] – Percursos de Formação e Desenvolvimento Profissional. Porto: Porto Editora, 1997

TAVARES, J. [et al] – Resiliência. Educação. São Paulo: Cortez Editora, 2001

TAVARES, J. – Dimensão Pessoal e Interpessoal na Formação. Aveiro: CIDINE, 1992

TAVARES, J. – Uma Sociedade que Aprende e se Desenvolve: Relações Interpessoais. Porto: Porto Editora, 1996

TAVARES, J.; ALARCÃO, I. – Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem. Coimbra: Livraria Almedina, 1990

TAVARES, J.; MOREIRA, A. – Desenvolvimento, Aprendizagem, Currículo e Supervisão. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1990

ZEICHNER, K. M. – A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993

Published
2016-02-15
Section
Articles