Estilos intelectuais, estratégias de aprendizagem e adaptação acadêmica no ensino superior brasileiro

Intellectual styles, learning strategies and academic adjustment in Brazilian higher education

  • Katya Luciane de Oliveira UEL - Universidade Estadual de Londrina
  • Amanda Lays Monteiro Inácio USF - Universidade São Francisco
  • Aline Oliveira Gomes da Silva UEL - Universidade Estadual de Londrina
  • Maria Luzia Silva Mariano UEL - Universidade Estadual de Londrina
  • Sandra Aparecida Pires Franco UEL - Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Estilos de Aprendizagem, Estratégias de Aprendizagem, Adaptação Acadêmica, Ensino superior

Resumo

Objetivou-se no presente estudo investigar como se apresentam os estilos intelectuais, as estratégias de aprendizagem e a adaptação acadêmica no ensino superior, sendo buscadas possíveis correlações e relações de dependência entre essas variáveis. Participaram 396 estudantes de cursos de graduação de três estados do Brasil (M = 22,8 anos, DP = 4,9), de ambos os sexos, que responderam ao Inventário de Estilos Intelectuais/Pensamento - Revisado II (TSI-R2), à Escala de Estratégias de Aprendizagem (EEA-U) e ao Questionário de Adaptação Acadêmica do ensino Superior (QAES). Os resultados indicaram a prevalência do estilo hierárquico, das estratégias de autorregulação social, e ainda que os estudantes se encontram mais bem adaptados ao planejamento de carreira. Houve correlação positiva e significativa entre o estilo hierárquico e a adaptação ao planejamento de carreira, sendo esta de magnitude média, e entre esse mesmo estilo e as estratégias de autorregulação cognitivas e metacognitivas, de magnitude pequena. Foram encontradas relações de dependência entre o estilo hierárquico e a adaptação ao planejamento de carreira, e entre o estilo externo e a adaptação social. As implicações psicoeducacionais foram discutidas no sentido de conjecturar explicações mais profundas para as dificuldades dos estudantes do ensino superior.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.

Biografias do Autor

Katya Luciane de Oliveira, UEL - Universidade Estadual de Londrina

Psicóloga. Mestre em Psicologia pelo Programa de Estudos de Pós-graduação Stricto-Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco. Doutora em Psicologia, Desenvolvimento Humano e Educação pela Faculdade de Educação da Unicamp. Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia ambos da Universidade Estadual de Londrina, Paraná, Brasil. Bolsista Produtividade Nível 2/CNPq. E-mail: katyauel@gmail.com

Amanda Lays Monteiro Inácio, USF - Universidade São Francisco

Psicóloga. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu da Universidade Estadual de Londrina. Doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu da Universidade São Francisco, São Paulo, Brasil. E-mail: amandalmonteiroo@gmail.com

 

Aline Oliveira Gomes da Silva, UEL - Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina e Mestranda em Educação pelo Programa de Mestrado e Doutorado da Universidade Estadual de Londrina. E-mail: aline131290@hotmail.com

Maria Luzia Silva Mariano, UEL - Universidade Estadual de Londrina

Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Alfenas. Mestre e doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Londrina, Paraná, Brasil. E-mail: malumariano@yahoo.com.br

Sandra Aparecida Pires Franco, UEL - Universidade Estadual de Londrina

Doutorado em Letras pela Universidade Estadual de Londrina. Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Estadual de Londrina, Paraná, Brasil. E-mail: sandrafranco26@hotmail.com

Referências

Alcará, A. R., & Santos, A. A. A. (2015). Avaliação e desenvolvimento da compreensão de leitura em universitários. Estudos de Psicologia, 32(1), 63-73. https://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2015000100006

Ambiel, R. A. M., & Barros, L. O. (2018). Relações entre evasão, satisfação com a escolha profissional, renda e adaptação de universitários. Psicologia: Teoria e Prática, 20(2), 254-267. http://dx.doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v20n2p254-267

Araújo, A. M., Almeida, L. S., Ferreira, J. A., Santos, A. A., Noronha, A. P., & Zanon, C. (2014). Questionário de Adaptação ao Ensino Superior (QAES): Construção e validação de um novo questionário. Psicologia, Educação e Cultura, 18(1), 131-145. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/268148778_Questionario_de_Adaptacao_ao_Ensino_Superior_QAES_Construcao_e_validacao_de_um_novo_questionario

Araújo, A. M., Santos, A. A., Noronha, A. P., Zanon, C., Ferreira, J. A., Casanova, J. R., & Almeida, L. S. (2016). Dificuldades antecipadas de adaptação ao ensino superior: Um estudo com alunos do primeiro ano. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, 3(2), 102-111. https://doi.org/10.17979/reipe.2016.3.2.1846

Astin, A. (1993). What matters in college? Four critical years revisited. San Francisco: Jossey Bass.

Boruchovitch, E. (1999). Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: Considerações para a prática educacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(2), 361-376. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79721999000200008

Boruchovitch, E., & Santos, A. A. A. (2015). Psychometric studies of the learning strategies scale for university students. Paidéia, 25(60), 19-27. http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272560201504

Carlotto, R. C., Teixeira, M. A. P., & Dias, A. C. G. (2015). Adaptação acadêmica e coping em estudantes universitários. Psico-USF, 20(3), 421-432. http://dx.doi.org/10.1590/1413-82712015200305

Cheng, S., Zhang, L. F., & Hu, X. (2016). Thinking styles and university self-efficacy among deaf, hard-of-hearing, and hearing students. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, 21(1), 44-53. http://dx.doi.org/10.1093/deafed/env032

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Cunha, N. B., & Boruchovitch, E. (2016). Percepção e conhecimento de futuros professores sobre seus processos de aprendizagem. Pro-Posições, 27(3), 31-56. http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2015-0008

Dembo, M. H. (1994). Applying educational psychology (5th ed.). New York: Longman.

Fan, J. (2016). The role of thinking styles in career decision-making self-efficacy among university students. Thinking Skills and Creativity, 20, 63-73. https://doi.org/10.1016/j.tsc.2016.03.001

Fan, J., & Zhang, L. F. (2014). The role of perceived parenting styles in thinking styles. Learning and Individual Differences, 32, 204-211. https://doi.org/10.1016/j.lindif.2014.03.004

Fan, J., Zhang, L. F., & Chen, C. (2018). Thinking styles: Distinct from personality? Personality and Individual Differences, 125, 50-55. https://doi.org/10.1016/j.paid.2017.12.026

Ganda, D. R., & Boruchovitch, E. (2015). Self-handicapping strategies for learning of preservice teachers. Estudos em Psicologia, 32(3), 417-425. http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2015000300007

Igue, E. A., Bariani, I. C. D., & Milanesi, P. V. B. (2008). Vivência acadêmica e expectativas de universitários ingressantes e concluintes. Psico-USF, 13(2), 155-164. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712008000200003

Mendes, J. C. S., Fraga, A., Medeiros, C., Moniz, D., Miranda, L., & Medeiros, T. (2018). Autoconsciência da aparência e a adaptação no ensino superior. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 4(2), 41-47. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6572855

Oliveira, K. L., Inácio, A. L. M., & Buriolla, H. (2016). Diferenças considerando ano escolar no ensino fundamental: Um estudo com estilos intelectuais. Argumentos Pró-Educação, 1(3), 408-422. Disponível em https://www.semanticscholar.org/paper/Diferen%C3%A7as-considerando-ano-escolar-no-Ensino-um-Oliveira-In%C3%A1cio/7b17b84ce09f0ae0985f486a309cad05c038d34e

Oliveira, K. L., Inácio, A. L. M., Santos, A. A. A., Mariano, M. L., & Franco, S. A. P. (2017). Estudo exploratório sobre os estilos intelectuais no ensino médio. Argumentos Pró-Educação, 2(6), 535-551. Disponível em

http://ojs.univas.edu.br/index.php/argumentosproeducacao/article/view/251

Oliveira, K. L., Santos, A. A. A., & Inácio, A. L. M. (2018a). Adaptação acadêmica e estilos intelectuais no ensino superior. Estudos interdisciplinares em Psicologia, 9(3supl), 73-89. http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n3suplp73

Oliveira, K. L., Santos, A. A. A., & Inácio, A. L. M. (2018b). Tradução, adaptação e evidências de validade do Thinking Styles Inventory – Revised II (Tsi-R2) no Brasil. Avaliação Psicológica, 17(1), 121-130. http://dx.doi.org/10.15689/ap.2017.1701.13.13637

Oliveira, K. L., Trassi, A. P., & Santos, A. A. A. (2017). Estilos intelectuais: Revisitando e atualizando conceitos. In S. C. Martinelli & D. C. Fernandes (Orgs.), Aprendizagem escolar na contemporaneidade (pp. 64-77). Curitiba, Brasil: Juruá.

Purdie, N., & Hattie, J. (1996). Cultural differences in the use of strategy for self-regulated learning. American Educational Research Journal, 33, 845-871. https://doi.org/10.3102/00028312033004845

Santos, A. A. A., Polydoro, S. A. J., Scortegagna, S. A., & Linden, M. S. S. (2013). Integração ao ensino superior e satisfação acadêmica em universitários. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(4), 780-793. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000400002

Santos, A. S., Oliveira, C. T., & Dias, A. C. G. (2015). Características das relações dos universitários e seus pares: Implicações na adaptação acadêmica. Psicologia: Teoria e Prática, 17(1), 150-163. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872015000100013&lng=pt&tlng=pt

Soares, A. B., & Del Prette, Z. A. P. (2015). Habilidades sociais e adaptação à universidade: Convergências e divergências dos construtos. Análise Psicológica, 33(2), 139-151. http://dx.doi.org/10.14417/ap.911

Soares, A. M., Pinheiro, M. R., & Canavarro, J. M. P. (2015). Transição e adaptação ao ensino superior e a demanda pelo sucesso nas instituições portuguesas. Psychologica, 58(2), 97-116. http://dx.doi.org/10.14195/1647-8606_58 -2_6

Sternberg, R. J. (1988). The triarchic mind: A new theory of human intelligence. New York: Viking.

Sternberg, R. J., & Wagner, R. K. (1992). Thinking styles inventory. Unpublished manual. New Haven, CT: Yale University.

Sternberg, R. J., Wagner, R. K., & Zhang, L. F. (2003). Thinking styles inventory - Revised I Unpublished manual. New Haven, CT: Yale University.

Sternberg, R. J., Wagner, R. K., & Zhang, L. F. (2007). Thinking styles inventory - Revised II. Unpublished manual. Medford/Somerville, MA: Tufts University.

Tinto, V. (1993). Leaving college: Rethinking the causes and cures of student attrition. Chicago, IL: University of Chicago Press.

Tomás, R. A., Ferreira, J. A., Araújo, A. M., & Almeida, L. S. (2014). Adaptação pessoal e emocional em contexto universitário: O contributo da personalidade, suporte social e inteligência emocional. Revista Portuguesa de Pedagogia, 48(2), 87-107. Disponível em http://hdl.handle.net/1822/35646

Trassi, A. P. (2016). Estilos intelectuais, raciocínio verbal, estratégias de aprendizagem e compreensão de leitura no ensino fundamental (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil.

Wang, T., & Tsent, Y. (2014). Do thinking styles matter for science achievement and attitudes toward science class in male and female elementary school students in Taiwan? International Journal of Science and Mathematics Education, 13(3), 515-533. https://doi.org/10.1007/s10763-013-9503-z

Weinstein, C. E., Acee, T. W., & Jung, J. (2011). Self-regulation and learning strategies. New Directions for Teaching & Learning, 126, 45-53. https://doi.org/10.1002/tl.443

Yuan, W., Zhang, L. F, & Fu, M. (2017). Thinking styles and academic stress coping among Chinese secondary school students. Educational Psychology, 37(8), 1015-1025. https://doi.org/10.1080/01443410.2017.1287343

Zhang, L. F. (2011). The developing field of intellectual styles: Four recent endeavors. Learning and Individual Differences, 21(3), 311-318. https://doi.org/10.1016/j.lindif.2010.11.018

Zhang, L. F. (2015). Fostering successful intellectual styles for creativity. Asia Pacific Education Review, 16(2), 183-192. https://doi.org/10.1007/s12564-015-9378-5

Zhang, L., & Sternberg, R. J. (2005). A threefold model of intellectual styles. Educational Psychology Review, 17(1), 1-53. https://doi.org/10.1007/s10648-005-1635-4

Zimmerman, B. J., & Martinez-Pons, M. (1986). Development of a structured interview for assessing student use of self-regulated learning strategies. American Educational Research Journal, 23(4), 614-628. https://doi.org/10.2307/1163093

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Oliveira, K. L. de, Inácio, A. L. M., Silva, A. O. G. da, Mariano, M. L. S., & Franco, S. A. P. (2019). Estilos intelectuais, estratégias de aprendizagem e adaptação acadêmica no ensino superior brasileiro: Intellectual styles, learning strategies and academic adjustment in Brazilian higher education. Revista Portuguesa De Educação, 32(2), 134-149. https://doi.org/10.21814/rpe.14268
Secção
Artigos