A inserção profissional de um egresso do PIBID: O caso de uma professora de matemática

The professional insertion of a PIBID scholarship Student: The case of a math teacher

  • Fernanda Lahtermaher Oliveira UFRJ
  • Giseli Barreto da Cruz
Palavras-chave: Inserção profissional docente, Professora de matemática, Estudo de caso etnográfico

Resumo

O artigo focaliza a inserção profissional de uma professora de matemática que passou pelo PIBID e hoje atua no Ensino Fundamental II de uma escola pública municipal do Rio de Janeiro, Brasil. Foi realizado um estudo de caso etnográfico, de modo a que as experiências, a formação e as expectativas da professora fossem compreendidas por meio de entrevistas em profundidade e observação participante. Teoricamente, o artigo dialoga com Cochran-Smith, Fiorentini e Marcelo Garcia. Os resultados demonstram que: há uma tendência ao isolamento por parte da professora iniciante; existe uma força da área e uma crença epistemológica no ensino transmissivo; o PIBID aparece como uma contribuição no que se refere ao conhecimento do contexto profissional.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.

Referências

André, M. (2018). Professores iniciantes: Egressos de programas de iniciação à docência. Revista Brasileira de Educação, 23, 1-20.

Becker, H. S. (1997). Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo, Brasil: Hucitec.

Campelo, T. S., & Cruz, G. B. (2017). O PIBID e a aprendizagem da docência: A intervenção do professor-supervisor. Crítica Educativa, 3(2, n.º especial), 188-203.

Cochran-Smith, M. (2012). A tale of two teachers: Learning to teach over time. Kappa Delta Pi Record, 48(3), 108-122.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. (1999). Relationships of knowledge and practice: Teacher learning in communities. Review of Research in Education, 24, 249-305.

Cruz, G. B. (2019a). Prática, pesquisa & formação docente: Narrativas do PIBID Pedagogia da UFRJ. Curitiba, Brasil: CRV.

Cruz, G. B. (2019b). Professores principiantes e sua visão acerca da formação: Aspectos didáticos-pedagógicos. Profesorado. Revista de Currículum y Formación de Profesorado, 23(3), 93-112.

Ferreira, A. C., & Moreira, P. C. (2013). O lugar da matemática na licenciatura em matemática. Bolema, 27(47), 981-1005.

Fiorentini, D., & Oliveira, A.T. (2013). O lugar das matemáticas na licenciatura em matemática: Que matemáticas e práticas formativas? Bolema, 27(47), 917-938.

Fiorentini, D., Passos, C. L. B., & Lima, R.C. R. (Orgs.). (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina matemática: Período 2001-2012. Campinas, SP, Brasil: FE/UNICAMP.

Fonseca, C. (1999). Quando cada caso não é um caso: Pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, 10, 58-78.

Gatti, B. (2010). A formação de professores no Brasil: Características e problemas. Educação & Sociedade, 31(113), 1355-1379.

Gatti, B. (2014). A formação inicial de professores para a educação básica: Pesquisas e políticas educacionais. Estudos em Avaliação Educacional, 25(57), 24-54.

Gatti, B. A. (2008). Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 57-70.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Brasil: LTC.

Huberman, M. (2000). O ciclo de vida profissional dos professores. In A. Nóvoa (Org.), Vidas de professores (2.ª ed., pp. 31-61). Porto, Portugal: Porto Editora.

Marcelo, C. (1999). Formação de professores: Para uma mudança educativa. Porto, Portugal: Porto Editora.

Marcelo, C. (2009). Desenvolvimento profissional docente: Passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 8, 7-22.

Marcelo, C. (2010). O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Formação Docente, 3(3), 11-49.

Marcelo, C. (2011). Políticas de inserción en la docencia: De eslabón perdido a puente para el desarrollo profesional docente. In Programa de Promoción de la Reforma Educativa en América Latina y el Caribe (PREAL). Serie Documentos n. 52. Disponível em http://www.ub.edu/obipd/docs/politicas_de_insercion_a_la_docencia_del_eslabon_perdido_al_puente_para_el_desarrollo_profesional_docente_garcia_c_m.pdf (acesso em 24 junho, 2019).

Marcelo, C., & Vaillant, D. (2017). Políticas y programas de inducción en la docencia en Latinoamérica. Cadernos de Pesquisa, 47(166), 1224-1249.

Nono, M. A., & Mizukami, M. G. N. (2006). Processos de formação de professoras iniciantes. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 87(217), 382-400.

Nóvoa, A. (2009). Professores: Imagens do futuro presente. Lisboa, Portugal: Educa.

Shulman, L. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional (4.ª ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Vozes.

Veenman, S. (1984). Perceived problems of beginning teachers. Review of Educational Research, 54(2), 143-178.

Velho, G. (1994). Projeto e metaforfose: Antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar Ed.

Weber, F. (2007). Guia para a pesquisa de campo: Produzir e analisar dados etnográficos. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Publicado
2019-12-23
Como Citar
Lahtermaher Oliveira, F., & Barreto da Cruz, G. (2019). A inserção profissional de um egresso do PIBID: O caso de uma professora de matemática: The professional insertion of a PIBID scholarship Student: The case of a math teacher. Revista Portuguesa De Educação, 32(2), 5-23. https://doi.org/10.21814/rpe.18006
Secção
Artigos