Boomerang Effect

Educational Trajectories of Individuals Classified with Intellectual Disability

Keywords: education trajectories, adult education, lifelong education, intellectual disability

Abstract

This paper is based on a research project whose main purpose was to understand the biographical itineraries of a group of twenty individuals classified with intellectual disability (ID) in transition to adult life. In a permanent dance between the macro and micro dimensions, it analysis the evolution of the educational responses targeted at individuals with these specific characteristics, their educational and training trajectories and their importance in the processes of access to the adult condition. Referring to the image of a boomerang throw, which has the particularity of coming back to that one who fails the target, the education and training trajectories that accompany the life course of these individuals reveal an unshakable faith in education. The participants in the research, repeatedly, attend and leave school, until they obtain the certification that they think they are able to reach, conciliating the condition of students with the one of workers.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Maria Forreta, Agrupamento de Escolas Luísa Todi, Setúbal, Portugal

Docente de educação especial no Agrupamento de escolas Luísa Todi e formadora na área da Reabilitação Profissional, em Setúbal.  Bacharelato em Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico e Especialização em Integração Escolar pela ESE do IPS de Setúbal. Mestre em Educação e Sociedade pelo ISCTE e Doutorada em Educação, especialidade Formação de Adultos, pela Universidade de Lisboa

Natália Alves, UIDEF, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Portugal

Professora Associada do Instituto de Educação, Universidade de Lisboa e investigadora da UIDEF, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa. Licenciada e Mestre em Sociologia pelo ISCTE e Doutorada em Ciências da Educação, especialidade Sociologia da Educação pela Universidade de Lisboa.

References

Almeida, A. N., & Vieira, M. M. (2006). A escola em Portugal: novos olhares, outros cenários. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Alves, F. (2010). O acesso das pessoas com deficiências e incapacidade à rede de Centros Novas Oportunidades (CNO). Revista Formar, 70, 31-34.

Alves, F., & Alves, M. H. (2008). Centros novas oportunidades… e as pessoas com deficiência e incapacidades. Aprender ao Longo da Vida, 8, 26-30.

Alves, N. (1998). Escola e trabalho: atitudes, projetos e trajectórias. In M. V. Cabral & J. M. Pais (Eds.), Jovens portugueses de hoje (pp. 53-133). Oeiras: Celta Editora.

Alves, N. (2006). Socialização escolar e profissional dos jovens, Projectos estratégias e representações. Lisboa: Educa e UI&DCE.

Alves, N. (2007). E se a melhoria da empregabilidade dos jovens escondesse novas formas de desigualdade social? Sísifo - Revista de Ciências da Educação, 2, 59-68.

Alves, N., & Canário, R. (2004). Escola e exclusão social: das promessas às incertezas. Análise Social, 38(169), 981-1010.

Aníbal, A. (2013). Da educação permanente à aprendizagem ao longo da vida e à validação das aprendizagens informais e não formais: recomendações e práticas. CIES e-Working Paper N.º 147/2013, 1-29.

Bardin, L. (1988). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barnes, C., & Mercer, G. (2003). Disability. Cambridge: Polity Press.

Canário, R. (2006). Aprender sem ser ensinado. A importância estratégica da educação não formal. In L. C. Lima, J. A. Pacheco, M. Esteves & R. Canário, A Educação em Portugal (1986-2006): Contributos de Investigação (pp. 195-254). Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Retirado de: http://dne.cnedu.pt/dmdocuments/Trabalho%20CNE.SPCE.pdf

Canário, R. (2013). Novos (des)caminhos da educação de adultos. Perspectiva, 31(2), 555-570. doi: 10.5007/2175-795X.2013v31n2p555

Capucha, L. (2010). Inovação e justiça social. Sociologia, Problemas e Práticas, 63, 25-50.

Capucha, L. (2013). Em defesa da iniciativa Novas Oportunidades: a qualificação de adultos é uma prioridade. Aprender, Revista da Escola Superior de Educação de Portalegre, 34, 29-65.

CEDEFOP (2000). O sistema de formação profissional em Portugal. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias.

Denzin, N. K. (1989). Interpretive biography. Newbury Park: Sage.

Elder, G. H. (1994). Time human agency and social change: perspectives on the life course. Social Psychology Quarterly, 57(1), 4-15.

Esteves, M. J. (1996). O retorno à escola: uma segunda oportunidade? Trajectórias sociais e escolares dos jovens adultos que frequentam os cursos do ensino recorrente de adultos. Inovação, 9, 219-239.

Forreta, M. (2018). Pode alguém ser quem não é? Percursos de transição para a vida adulta de indivíduos classificados na categoria deficiência intelectual (Tese de Doutoramento não publicada). Instituto da Educação da Universidade de Lisboa, Portugal. Retirado de: http://hdl.handle.net/10451/35197

Giele, J. Z., & Elder, G. H., Jr. (1998). Methods of life course research: Qualitative and quantitative approaches. Thousand Oaks, CA, US: Sage Publications, Inc.

INE (2011). Classificação portuguesa das profissões 2010. Lisboa: INE, I.P.

Lima, L. C. (2005). A educação de adultos em Portugal (1974-2004). In R. Canário & B. Cabrito (Orgs.), Educação e Formação de Adultos. Mutações e Convergências (pp. 31-60). Lisboa: Educa.

Niza, S. (1996). Necessidades especiais de educação: da exclusão à inclusão na escola comum. Inovação, 1 e 2, 139-149.

Pais, J. M. (1998). Grupos juvenis e modelos de comportamento em relação à escola e ao trabalho: resultados de análises factoriais. In M. V. Cabral & J. M. Pais (Coords.), Jovens portugueses de hoje (pp. 135-214). Oeiras: Celta Editora.

Pais, J. M. (2005). Ganchos, Tachos e Biscastes. Lisboa: Âmbar.

Pastor, C. (2001). En quê fallaron los prognósticos de Binet Y Simon?. In J. J. B. Aguilar, T. N. Mayán & A. I. Galdo (Eds.), Atención educativa a la diversidad en el nuevo milenio: XVIII Jornadas de Universidades y Educación Especial (pp. 23-44). Coruña: Universidadda Coruña, Servicio de Publicaciones.

Priestley, M. (Ed.) (2001). Disability and the Life Course: global perspectives. Cambridge: University Press.

Rodrigues, D. (2006). Dez ideias (mal) feitas sobre a Educação Inclusiva. In D. Rodrigues (Ed.), Inclusão e Educação: doze olhares sobre a Educação Inclusiva (pp. 299- 318). S. Paulo: Summus Editorial.

Roldão, M. C. (1996). A educação básica numa perspetiva de formação ao longo da vida. Inovação, 9, 205-217.

Slota, N. E. P. (2003). Methodological Considerations in Life Course Theory Research. Disability Studies Quarterly, 23, 19-29.

Tisdall, K. (2001). Failing to make the transition? Theorising the ‘transition to adulthood’ for young disabled people. In M. Priestley (Ed.), Disability and the life Course: Global Perspectives (pp. 167-178). Cambridge: University Press.

WHO/WORLD BANK (2011). World Report on Disability. Retirado de: http://whqlibdoc.who.int/publications/2011/9789240685215_eng.pdf

Published
2019-06-29