Equity Through Crèche

Innovative Educational Response for First Childhood

  • Dulce Noronha e Sousa Escola Superior de Educação de Fafe, Portugal https://orcid.org/0000-0002-8153-5124
  • Cristina Cruz Mateus Escola Superior de Educação de Fafe, Portugal
  • Iris Martins Oliveira Escola Superior de Educação de Fafe, Portugal
Keywords: crèche, early childhood, equity, potentiation, educator

Abstract

The present work highlights the importance of Crèche as a tool to enhance equity. It is methodologically consolidated as a position paper in the defense of Crèche, as a "place of childhood" that combines care with educating and intervening, in the conception of a native-digital child, competent and builder of culture, challenging the ancillary and adult-centered of contemporaneity. It seeks to uncover childhood and enhance equal opportunities for all, a quality allowed by highly educated kindergarten educators, with new constructs redefined by the emerging sciences, childhood sociology and educational neurosciences. Thus, the "secret" to enhancing equity is an education that begins with birth and reaches its peak in the first years of life, inclusive and for all, assuming pedagogical differentiation, namely through play, as a response to the difficulty of the childhood and e-child norm.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Dulce Noronha e Sousa, Escola Superior de Educação de Fafe, Portugal

PhD em Educação, com especialização em Tecnologia Educativa, pela Universidade de Salamanca. Docente no IESFafe desde 1986 na área da formação de professores com especial participação na formação dos Educadores de Infância, além de Diretora da ESEF (2004-2008) e Presidente do IESF (2008-2018). É Professora Coordenadora e Coordenadora do Mestrado Educação: Creche. investigadora, nas áreas da Formação de Professores, Teoria e Didática em Educação de Infância, nos contextos de pré-escolar e creche, na formação, em Neuroeducação, Supervisão e Administração Escolar em que se graduou. Foi Educadora de Infância e Diretora de creches e jardins de infância.

Cristina Cruz Mateus, Escola Superior de Educação de Fafe, Portugal

PhD em Educação, com especialização em Desenvolvimento Humano, pela Universidade de Santiago de Compostela. É Professora Adjunta e Coordenadora do Mestrado em Educação Pré-escolar e Ensino do 1º CEB, no IESF. Inicia o seu percurso profissional como Educadora de Infância, passando depois para o ensino superior, onde supervisiona estágios e leciona na área da educação, há mais de 15 anos. Na investigação, debruça-se sobre a criança, o educador e a educação de infância estudando estes conceitos no que diz respeito ao seu enquadramento socio-epistemológico e na sua dimensão mais personalizadora.

Iris Martins Oliveira, Escola Superior de Educação de Fafe, Portugal

PhD em Psicologia, com especialização em PVDC, pela UM. É Professora Adjunta Convidada no IESF, Professora Adjunta na Universidade Católica, Psicóloga na APsi-UM1, Secretária da Direção da APDC2. Dedica-se à investigação-ação, prática psicológica e docência, focando-se na articulação entre processos de carreira/educativos e prática de intervenção psicológica educacional.

References

Alto, M., & Petrenko, C. (2017). Fostering secure attachment in low- and middle-income countries: Suggestions for evidence-based interventions. Evaluation and Program Planning, 60, 151-165. doi: 10.1016/j.evalprogplan.2016.11.003

Andrade Filho, N. (2001). Formação profissional em educação física brasileira: Uma súmula da discussão dos anos de 1996 a 2000. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 22(3), 23-37.

Araújo, S. B. (2011). Pedagogia em creche: Da avaliação da qualidade à transformação praxiológica. (Dissertação de Doutoramento não publicada). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Barbuto, R., Biggeri, M., & Griffo, G. (2011). Life project, peer counseling and self-help groups as tools to expand capabilities, agency and human rights. European Journal of Disability Research, 5, 192-205. doi: 10.1016/j.alter.2011.05.007

Bartoszeck, A. B. (2006). Neurociência na educação. Revista Eletrônica Faculdades Integradas Espírita, 1, 1-6.

Bauman, Z. (2003, 19 de outubro). A sociedade líquida. Folha de São Paulo, 19, 4-9.

Bryant, D. M., Zaslow, M., & Burchinal, M. (2010). Issues in measuring quality programs. In P. Wesley & V. Buysse (Eds.), The quest for quality: Promising innovations for early childhood programs (pp. 47-68). Baltimore, MD: Brookes.

Cadima, J., Gamelas, A. M., McClelland, M., & Peixoto, C. (2015). Associations between early family risk, children’s behavioral regulation, and academic achievement in Portugal. Early Education and Development, 26, 708-728. doi: 10.1080/10409289.2015.1005729

Carvalho, M. S., & Portugal, G. (2017). Avaliação em creche: Crescendo com qualidade. Porto, Portugal: Porto Editora.

Cury, A. (2006). Inteligência multifocal: Análise da construção dos pensamentos e da formação dos pensamentos. São Paulo, Brasil: Culurix.

Cochran, E., Cochran, M., & Torp, N. (2000). Choosing high-quality child care. Retirado de: http://ecommons.cornell.edu/bitstream/1813/3906/2/Choosing%20High-Quality%20Child%20Care.pdf

Cosenza, M. N. (2015). Defining Teacher Leadership: Affirming the Teacher Leader Model Standards. Issues in Teacher Education, 24(2), 79-99.

Diemer, M. A., & Ali, S. R. (2009). Integrating social class into vocational psychology: Theory and practice implications. Journal of Career Assessment, 17, 247-265. doi: 10.1177/1069072708330462

Dourado, L. F., & Oliveira, J. (2009). A qualidade da educação: Perspectivas e desafios. Cadernos CEDES, 29(78), 201-2015. doi: 10.1590/S0101-32622009000200004

Erikson, E. (1963). Childhood and society. New York: W.W. Norton.

Ferreira, M., & Tomás, C. (2016). “Já podemos ir brincar”. A construção social da criança como aluno/a no jardim de infância. Travessias e Travessuras nos Estudos da Criança, 445-465.

Fonseca, G., Cunha, D., Crespo, C., & Relvas, A. P. (2016). Families in the context of macroeconomic crises: A systematic review. Journal of Family Psychology, 30(6), 687-697. doi: 10.1037/fam0000230

Formosinho, J. (2009). A formação de professores: Aprendizagem profissional e ação docente. Porto, Portugal: Porto Editora.

Formosinho, J., & Formosinho, J. O. (2012). Towards a social science of the social: the contribution of praxeological research. European Early Childhood Education Research Journal, 20(4), 591-606.

Formosinho, J., Machado, J., & Mesquita, E. (2015). Formação, trabalho e aprendizagem. Tradição e inovação nas práticas docentes. Lisboa, Portugal: Edições Sílabo.

Gardner, H. (1995). Teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre, Brasil: Artes Médicas.

Gillanders, C., & Procopio, R. (2019). Spotlight on young children: Equity and diversity. National Association for the Education of Young Children.

Kingston, D. (2017). A mixed methods study: Evaluating the impact of a bespoke professional development based on an analysis of existing quality in one local authority (1-319). (Dissertação de Doutoramento não publicada). University College of London, United Kingdom.

Kishimoto, T. (1994). O jogo e a educação infantil. Perspectiva, 22, 105-128.

Machado, C., & Serrano, A. (2013). Inclusão: A Escola Contemporânea. Egitania Sciencia, 12, 49-62.

Mateus, C. C., & Noronha e Sousa, D. (2016). A educação em mudança no século XXI: Ecos de ciências na educação contemporânea para a 1ª infância. Saber & Educar, 21, 76-86. doi: 10.17346/se.vol21.234

Montessori, M. (2002). The Montessori method. New York, US: Dover Publications Inc.

Morin, E. (1990). Introdução ao pensamento complexo. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.

NAEYC – National Association for the Education of Young Children. (1997). Developmentally appropriate practice in early childhood programs serving children from birth through age 8: A position statement of the National Association for the Education of the Young Children. Washington, DC: NAEYC.

Noronha e Sousa, D. (2017). As neurociências: Um novo olhar na aprendizagem. Artigos Pedagógicos IESF.

Noronha e Sousa, D., & Mateus, C. C. (2017). A educação em mudança no século XXI: Ecos de ciências enquanto recursos na contemporaneidade nas práticas educativas de qualidade para a infância. In M. González Sanmamed et al. (Eds.), Actas XIV Symposium Internacional Recursos para un prácticum de calidad (pp. 963-973). Pontevedra, Espanha.

OCDE. (2006). Education at a glance: OECD indicators 2006. OECD Publishing, Paris, França.

OCDE. (2012). Relatório OCDE 2012: Educação, emprego e empreendedorismo. Lisboa, Portugal.

OECD. (2017). Starting Strong 2017: Key OECD on Early Childhood Education and Care. OECD Publishing, Paris, França.

OECD. (2019). Economic surveys: Portugal 2019. OECD Publishing, Paris, França.

Oliveira, I. M., Porfeli, E., & Taveira, M. C. (2017). Children’s career exploration and development: Overview and agenda. In M. Watson & M. McMahon (Eds.), Career exploration and development in childhood: Perspectives from theory, research and practice (pp. 73-86). Abingdon, UK: Routledge Publishers.

Oliveira-Formosinho, J. (2016). A formação em contexto: a mediação do desenvolvimento profissional praxiológico. In V. Cancian, S. Gallina & N. Schenfelder (Eds.), Pedagogias das infâncias, crianças e docências na educação infantil (pp. 87-111). Brasília, Brasil: Ministério da Educação.

Papalia, D. E., Olds, S. W., & Feldman, R. D. (2009). O mundo da criança: Da infância à adolescência. São Paulo, Brasil: McGraw-Hill.

Petrides, K. V. (2016). Four thoughts on trait emotional intelligence. Emotion Review, 8(4), 345. doi: 10.1177/1754073916650504

Pianta, R. C. (2012). Handbook of early childhood education. London: Guildford Press.

Prensky, M. (2001). Digital natives, digital immigrants. On the Horizon, 9(5), 1-6.

Sahlberg, P. (2018). Como oportunidades iguais a ricos e pobres ajudaram Finlândia a virar referência em educação. Finnish Lessons. Retirado de: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-45489669#

Sarmento, M. (2019, Maio). Infância e estudos mediáticos: A reinvenção do ofício da criança e do aluno. Comunicação oral no IV Seminário Educação da Primeira Infância: A Criança Nativo-Digital na Educação Contemporânea. Fafe, Portugal.

Sarmento, M., Fernandes, N., & Tomás, C. (2017). Figuras da criança na sociologia da infância em Portugal. Sociedad y Infancias, 1, 39-60. doi: 10.5209/SOCI.56363

Shirvanian, N., & Michael, T. (2017). Implementation of attachment theory into early childhood settings. The International Education Journal: Comparative Perspectives, 16(2), 97-115.

Siraj, I., & Mayo, A. (2014). Social class and educational inequality: The impact of parents and schools. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Siraj, I., Kingston, D., & Melhuish, E. C. (2015). Assessing quality in early childhood education and care: sustained shared thinking and emotional well-being (SSTEW) scale for 2–5-year-olds provision. Trentham Books.

Sobral, J. M., Gonçalves, C. M., & Coimbra, J. L. (2009). A influência da situação profissional parental no desenvolvimento vocacional dos adolescentes. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(1), 11-22.

Sylva, K., Melhuish, E., Sammons, P., Siraj, I., Taggart, B., Smees, R., et al. (2014). Students’ educational and developmental outcomes at age 16. Efective Pre-school, Primary and Secondary Education (EPPSE) 3-16 Project. London, UK: Department for Education.

Tadeu, B., & Aguiar, C. (2016). A qualidade observada em salas de berçário. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(4), 1-10. doi: 10.1590/0102.3772e32426.

Taylor, C., Thorpe, K., Nguyen, C., Adams, R., Ishimine, K., Ferguson, A., et al. (2016). The E4Kids study: Assessing the efectiveness of Australian early childhood education and care programs. Melbourne: Melbourne University.

Tomás, C. (2014). As culturas da infância na educação de infância: Um olhar a partir dos direitos da criança. Interações, 10(32), 129-144. doi: 10.25755/int.6352

Vandell, D. & Wolfe, B. (2000). Child care quality: Does it matter and does it need to be improved? University of Wisconsin-Madison, Institute for Research on Poverty.

Vasconcelos, T. (2010). A educação dos 0 aos 3 anos. Lisboa, Portugal: Conselho Nacional de Educação.

Vilarinho, M. E. (2004). As crianças e os (des)caminhos e desafios das políticas educativas para a infância em Portugal. In M. Sarmento & A. B. Cerisara (Eds.), Crianças e Miúdos Perspectivas Sociológicas da Infância e Educação (pp. 209-243). Porto: Asa.

UNESCO (2009). Bonn Declaration. UNESCO, Bonn, Alemanha.

UNICEF (2008). A transição dos cuidados na primeira infância. UNICEF Innocenti Research Centre, Florença, Itália.

Published
2019-10-31