Barriers to access prenatal screening: integrative review

  • Elisabete Mesquita Peres de Carvalho Universidade de Brasília http://orcid.org/0000-0002-5140-0237
  • Leila Bernarda Donato Göttems Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde. Brasília, Brasil
  • Sandra de Nazaré Costa Monteiro Universidade de Brasília. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências da saúde. Brasília, Brasil.
  • Dirce Bellize Guilhem Universidade de Brasília. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências da saúde. Brasília, Brasil
  • Laiane Medeiros Ribeiro Universidade de Brasília. Faculdade de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências da saúde. Brasília, Brasil.
Keywords: Prenatal care, Pregnant women, Access to healthcare services

Abstract

Introduction: Prenatal monitoring is essential to reducing maternal and neonatal morbidity and mortality rates. However, organisational barriers may hamper access to the actions and services carrying on with the fragmentation and quality of care.

Objectives: To analyse in the Brazilian scientific production the access barriers to performing screenings during prenatal monitoring.

Method: Integrative review of publications searched in the bibliographic databases of Latin American and Caribbean Center on Health Sciences Information (LILACS), Nursing Database (BDENF), and Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), published in Portuguese, English, and Spanish from 2005 to 2015.

Results: Of 708 articles searched, 15 met the inclusion criteria. The studies were systematised and led to four categories for analysis: (1) Sluggishness in the process of exam scheduling, sample collection, and releasing of results; (2) Insufficient quotas for the primary care screenings; (3) Lack of resources of the pregnant women; and (4) Adequacy of screenings related to the early onset of prenatal care.

Conclusion: The access barriers to screenings in the prenatal monitoring are mainly related to the scant health resources devoted to primary care; sluggishness in the process of scheduling and running of tests; and to the lack of resources of the pregnant woman, who cannot afford the costs of examinations not covered by the public health system. The publications also highlighted the positive aspects for the pregnant women who had an early onset of prenatal care.

Author Biography

Elisabete Mesquita Peres de Carvalho, Universidade de Brasília

Enfermeira com especialização em Obstetrícia, Saúde Pública e Gestão em Saúde. Mestrado em Ciências da Saúde e Doutorado em andamento em Ciências da Saúde na Universidade de Brasília/DF.

References

Almeida, C. A. L., & Tanaka, O. Y. (2009). Perspectiva das mulheres na avaliação do Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento. Revista de saúde pública, 43(1), 98-104.

Andreucci, C. B., Cecatti, J. G., Macchetti, C. E., & Sousa, M. H. (2011). Sisprenatal como instrumento de avaliação da qualidade da assistência à gestante. Revista de Saúde Pública, 45(5), 854-864. Acedido em: http://www.scielosp.org/pdf/rsp/2011nahead/2438.pdf

Bittencourt DAS (Org). (2013). Vigilância do óbito materno, infantil e fetal e a atuação em comitês de mortalidade. Rio de Janeiro: EAD/Ensp.

Carvalho, E.M.P., Göttems, L.B.D, Monteiro, S.N.C., Guilhem, D. B., & Ribeiro, L. M. (2017). O acesso aos exames básicos no atendimento pré-natal: Revisão Integrativa. CIAIQ 2017, 2. Acedido em:

http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1199/1160

Casagranda, L. P. (2016). Assistência de enfermagem na qualidade de vida do idoso: revisão integrativa. Saúde. com, 11(4). Disponível em: http://www.uesb.br/revista/rsc/ojs/index.php/rsc/article/view/297

Cappelletti, P., & Andrade, M. (2016). A questão da judicialização da saúde na realidade jurídica brasileira: um reflexo da omissão do estado em seu dever de garantir este direito fundamental. Revista Thesis Juris, 5(2). Acedido em: http://www.revistartj.org.br/ojs/index.php/rtj/article/view/169/pdf

Chrestani, M. A. D., Santos, I. S., Cesar, J. A., Winckler, L. S., Gonçalves, T. S., & Neumann, N. A. (2008). Health care during pregnancy and childbirth: results of two cross-sectional surveys in poor areas of North and Northeast Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 24(7), 1609-1618. Acedido em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v24n7/16.pdf

CONSTITUTION OF BRAZIL. (1988). Retrieved November 15, 2017, from http://www.v-brazil.com/government/laws/titleVIII.html

Degli Esposti, C. D., Oliveira, A. E., dos Santos Neto, E. T., & Travassos, C. (2015). Representações sociais sobre o acesso e o cuidado pré-natal no Sistema Único de Saúde da Região Metropolitana da Grande Vitória, Espírito Santo. Saúde e Sociedade, 24(3), 765-779.

Dias Corrêa, M., Tsunechiro, M. A., de Oliveira Pimentel Lima, M., & Bonadio, I. C. (2014). Avaliação da assistência pré-natal em unidade com estratégia saúde da família. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(1). Acedido em: http://www.redalyc.org/html/3610/361033339004/

Domingues, R.M.S.M, do Carmo Leal, M., de Araújo Hartz, Z. M., Dias, M. A. B., & Vettore, M. V. (2013). Acesso e utilização de serviços de pré-natal na rede SUS do município do Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Epidemiol, 16(4), 953-65.

Ferreira do Val, L., & Yasuko Izumi Nichiata, L. (2014). A integralidade ea vulnerabilidade programática às DST/HIV/AIDS na Atenção Básica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(1). Acedido em: http://www.redalyc.org/html/3610/361033339021/

Felisbino-Mendes M.S. & Matozinhos F.P. (2016) Ciclo gravídico-puerperal: sistematização da assistência de enfermagem como foco na Atenção Primária à Saúde. In: Associação Brasileira de Enfermagem, Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras; Morais S.C.R.V., Souza K.V., Duarte E.D., organizadoras. PROENF Programa de atualização em Enfermagem: Saúde Materna e Neonatal: Ciclo 8. Porto alegre: Artmed Panamericana.

Fleury, S. (2012). Judicialização pode salvar o SUS. Saúde em debate, 36(93), 159-162. Acedido em: http://www.redalyc.org/pdf/4063/406341763003.pdf

Fonseca, S. C., Monteiro, D. D. S. A., Pereira, C. M. D. S. C., Scoralick, A. C. D., Jorge, M. G., & Rozario, S. D. (2014). Inequalities in prenatal care in a southeastern city in Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, 19(7), 1991-1998.

Giovanella, L., Escorel, S., Lobato, L. D. V. C., de Carvalho Noronha, J., & de Carvalho, A. I. (2012). Políticas e sistema de saúde no Brasil. SciELO-Editora FIOCRUZ.

Gonçalves, C. V., Cesar, J. A., & Mendoza-Sassi, R. A. (2009). Quality and equity in prenatal care: a population-based study in Southern Brazil. Cadernos de saude publica, 25(11), 2507-2516.

Granja, G. F., Zoboli, E. L. C. P., & Fracolli, L. A. (2013). The discourse of managers on equity: a challenge for Brazil's Unified Health System (SUS). Ciencia & saude coletiva, 18(12), 3759-3764. Acedido em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v18n12/a32v18n12.pdf

Graham, W., Woodd, S., Byass, P., Filippi, V., Gon, G., Virgo, S., ... & Singh, S. (2016). Diversity and divergence: the dynamic burden of poor maternal health. The Lancet, 388(10056), 2164-2175. Acedido em: http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(16)31533-1/fulltext

Hass, C. N., Teixeira, L. B., & Beghetto, M. G. (2013). Adequabilidade da assistência pré-natal em uma estratégia de saúde da família de Porto Alegre-RS. Revista gaúcha de enfermagem. Porto Alegre. Vol. 34, n. 3 (2013), p. 22-30. Acedido em: http://hdl.handle.net/10183/85471

Iturri, J. A. (2013). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 3101-3103. Acedido em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v18n10/v18n10a35.pdf

Leal, M.C, Theme-Filha, M. M., de Moura, E. C., Cecatti, J. G., & Santos, L. M. P. (2015). Atenção ao pré-natal e parto em mulheres usuárias do sistema público de saúde residentes na Amazônia Legal e no Nordeste, Brasil 2010. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 15(1).

Martinelli, K.G., Santos Neto E.T., Gama, S.G., Oliveira AE. (2014). Adequação do processo da assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet, 36(2), 56-64.

Mendes, E. V. (2013). 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. estudos avançados, 27(78), 27-34. Acedido em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v27n78/03.pdf

Oliveira, P. P., Benedett, A., de Paula, D., Rossoni, J., Grellmann, J. K., Grzybowski, L. S., ... & Antonioli, M. A. (2013). Avaliação do processo de assistência pré-natal em uma unidade básica de saúde no município de Chapecó, Brasil. Acedido em: http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/1229.pdf

Organização Mundial de Saúde. (2013). ONU: quanto se gasta com saúde no mundo por habitante e por PIB. [ periódico na internet]. Acedido em: http://www.humanosdireitos.org/notícias/denuncias/619-ONU--quanto-se-gasta-com-saude-nomundo-por-habitante-e-por-PIB.htm.

Paris, G. F., Martins, P. M., & Pelloso, S. M. (2013). Qualidade da assistência pré-natal nos serviços públicos e privados. Rev bras ginecol obstet, 447-452. Acedido em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v35n10/04.pdf

Peixoto, C. R., Campos, F. C., Teles, L. M. R., Freitas, L. V., Paula, P. F. D., & Damasceno, A. K. D. C. (2011). O pré-natal na atenção primária: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Rev. enferm. UERJ, 286-291. Acedido em: http://www.facenf.uerj.br/v19n2/v19n2a19.pdf

Pereira, K. G. P., de Abreu, R. M., Leite, E. D. S., de Sousa, A. K., & de Farias, M. D. C. (2015). Atenção à saúde da mulher no prénatal.

Revista Brasileira de Educação e Saúde, 5(4), 01-08.

Pimentel, K., Sá, C. M. M., Ferreira, N., & Silva, T. O. D. (2012). Perfil clínico-social das gestantes atendidas numa unidadedocente-assistencial baseada no modelo de saúde da família. Revista Baiana de Saúde Pública, 35(2), 239. Acedido em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2011/v35n2/a2439.pdf

Rasia, I. C. R. B., & Albernaz, E. (2008). Atenção pré-natal na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Santos Neto, E. T., Oliveira, A. E., Zandonade, E., da Gama, S. G. N., & do Carmo Leal, M. (2012). O que os cartões de pré-natal das gestantes revelam sobre a assistência nos serviços do SUS da Região Metropolitana da Grande Vitória, Espírito Santo, Brasil? Prenatal patient cards and quality of prenatal care. Cad. Saúde Pública, 28(9), 1650-1662.

Silva, A.L., Herdy Alves, V., Pereira Rodrigues, D., de Mello Padoin, S. M., Lutterbach Riker Branco, M. B., & de Mattos Pereira de Souza, R. (2015). A qualidade de uma rede integrada: acessibilidade e cobertura no pré-natal. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 7(2). Acedido em: http://www.redalyc.org/html/5057/505750946010/

Silva, M. A. I., Mello, F. C. M. D., Mello, D. F. D., Ferriani, M. D. G. C., Sampaio, J. M. C., & Oliveira, W. A. D. (2014). Vulnerability in adolescent health: contemporary issues. Ciencia & saude coletiva, 19(2), 619-627. Acedido em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v19n2/1413-8123-csc-19-02- 00619.pdf

Souza, J. P., Gülmezoglu, A. M., Vogel, J., Carroli, G., Lumbiganon, P., Qureshi, Z., ... & Neves, I. (2013). Moving beyond essential interventions for reduction of maternal mortality (the WHO Multicountry Survey on Maternal and Newborn Health): a cross-sectional study. The Lancet, 381(9879), 1747-1755. Acedido em:

http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(13)60686-8/fulltext

Sousa Campos, G. W., & Pereira Júnior, N. (2016). A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciência & Saúde Coletiva, 21(9). Acedido em: http://www.redalyc.org/html/630/63047411002/

Starfield, B. (2002). Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO/Ministério da Saúde.

Published
2018-01-31
Section
Life and Healthcare Sciences