Patient safety culture: study of some intervening factors

  • Manuela Ferreira Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde
  • João Consciência
  • João Duarte
  • Daniel Silva
Keywords: Safety culture, Quality of care, Communication

Abstract

Introduction: Patient’s safety has a multidimensional and multidisciplinary character. In its multidimensional nature, WHO highlights the importance of the quality interaction and communication as determinants of quality and safety in health care delivery.

Objetive: To analyze the extent to which sociodemographic and professional variables influence nurses’ communication skills and what the impact of nurses’ communicational competencies on the safety culture of care.

 

Methods: A quantitative, descriptive-correlational, analytical and cross-sectional study with a sample of 138 nurses. We used the Hospital survey on Patient Safety Culture (Eiras, 2011), and the Clinical Communication Skills Scale (ECCC), validated by (Ferreira; Silva & Duarte 2016) for the evaluation of communication skills.

Results: The population has 32.51 years as average, with a standard deviation of 7.958. They are mostly female (77.54%) with a degree (94.4%) and have, on average, 9.41 years of professional experience. Age, marital status, work experience does not influence the safety culture of the patient. After the inferential analysis through a multivariate multiple regression, we note that all manifest variables (Years of professional experience, collects information, share information and allows to terminate the dialogue) showed significant values. The greater the years of professional experience less punitive error response.

Conclusions: The results point to the importance of some variables in the patient’s safety culture. This reality is circumscribed by new presuppositions and attitudes; Professionals who have to attend, in a timely manner, the evolution of knowledge, ensuring safe practices, assuring the quality of the care provided.

References

Antunes, N. S. (2015). Notificação de incidentes e segurança do doente: Perceção dos enfermeiros (Dissertação de mestrado, Instituto politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde)

Babiker, A., El Husseini, M. E., Nemri, A. A., Frayh, A. A., Juryyan, N. A., Faki, M. O., Assiri, A., Saadi, M. A., Shaikh, F., & Zamil, F. A. (2014). Health care professional development: Working as a team to improve patient care. Sudanese Journal Of Paediatrics, 14(2) 9-16.

Costa, M. F. S. P. (2014). Cultura De Segurança Do Doente Num Hospital Da Região Centro, Percepção Dos Profissionais. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Coimbra

Eiras, M. (2011). Avaliação da cultura de segurança do doente em meio hospitalar: Investigação ação numa unidade de radioterapia (Tese de doutoramento, Universidade de Lisboa).

Ferreira, M., Silva, D., & Duarte, J., (2016). Estudo psicométrico da escala de competências de comunicação clinica (ECCC). Millenium, 2(ed espec nº1), 287-299.

Fragata J., Sousa P., & Santos R. S. (2014). Organizações de saúde seguras e fiáveis/confiáveis. In Sousa, P., Mendes, W., (Eds.), Segurança do paciente, criando organizações de saúde seguras. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz

Garcia, C. (2015). Cultura de segurança na criança hospitalizada num centro hospitalar da zona Centro - perceção dos enfermeiros. Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Saúde de Viseu.

Kohn, L. T., Corrigan, J., & Donaldson, M. S. (2000). To err is human: Building a safer health system. (L. T. Kohn, J. Corrigan, & M. S. Donaldson, Eds.). Washington DC: National Academies Press, Institute of Medicine. https://doi.org/10.17226/9728

Mendes, C., & Barroso, F. (2014). Promover uma cultura de segurança em cuidados de saúde primários. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 32(2), 197-205. https://dx.doi.org/10.1016/j.rpsp.2014.06.003

Nogueira, J. W. S., & Rodrigues, M. C. S. (2015). Comunicação efetiva no trabalho em equipe em saúde: Desafio para a segurança do paciente. Cogitare Enferm. 20(3):636-640

OMS. (2008). World alliance for patient safety: Forward programme 2008 – 2009. 1st ed Consultado http://www.who.int/iris/handle/10665/70460

Pereira, N. G. G. (2008). Comunicação de enfermeiro/utente num serviço de urgência (Dissertação de mestrado, Universidade Aberta de Lisboa).

Phaneuf, M. (2005). Comunicação, entrevista, relação de ajuda e validação. Lusociência: Edições Técnicas e Científicas, Lda

Pimenta L. C. (2013). Avaliação da cultura de segurança do doente e propostas de melhoria (Dissertação de mestrado, Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa; Escola Superior de Saúde da Universidade do Algarve). Acedido em http://hdl.handle.net/10400.21/2929

Portugal, Ministério da Saúde, Direcção Geral da Saúde. (2015, A). Norma nº 025/2013 atualizada a 19/11/2015: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Hospitais. Lisboa: DGS. Acedido em https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-ecirculares-normativas/norma-n-0252013-de-24122013.aspx

Reis, C. T. (2014). Cultura em segurança do paciente. In Mendes, P. S. W. (Eds.), Segurança do Paciente criando Organizações de Saúde Seguras (1ªed., pp 75-99). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz

Santos, M. C., Grilo, A., Andrade, G., Guimarães, T., & Gomes, A. (2010). Comunicação em saúde e a segurança do doente: Problemas e desafios. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 28(vol. temático 10), 47-57. Acedido em http://hdl.handle.net/10400.21/3120

World Health Organization (2007a). Patient safety: The nine patient safety solutions. Acedido em: http://www.who.int/patientsafety/events/07/02_05_2007/en/

Published
2018-05-30
Section
Life and Healthcare Sciences