Aprender na era digital: Do currículo para todos ao currículo de cada um

Learning in the digital age: from the curriculum for everyone to the curriculum of each

Palavras-chave: conceito de currículo, tecnologias digitais, aprendizagem, currículo pessoal de aprendizagem

Resumo

As tecnologias digitais em educação têm vindo a desafiar-nos à reflexão sobre o currículo e sobre a aprendizagem. Será que tendo as tecnologias digitais, e mais concretamente o online, como contexto de aprendizagem (não formalizado), em que cada pessoa pode decidir o que aprender e como aprender, é viável considerar o currículo como referencial enquadrador dessa aprendizagem? Foi isso que nos propusemos investigar. Partindo de uma análise teórica e conceptual sobre o currículo, entendido enquanto conceção, organização e estruturação do processo de aprender, analisam-se as representações que diferentes adultos têm acerca de aprendizagens que realizam em contexto online e as suas conceções gerais sobre o currículo. Os dados empíricos provêm da aplicação de um questionário distribuído online e da realização de entrevistas semiestruturadas. Foram inquiridas 833 pessoas e entrevistadas sete, todas adultas com um perfil sociodemográfico diverso. Conclui-se que o espaço e o tempo, as estratégias e os intervenientes constituem os componentes do currículo que mais se alteram nestas circunstâncias. Consolida-se a conceção currículo pessoal de aprendizagem, um currículo autónomo, individualizado, cujo desenvolvimento o digital propicia e facilita.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.

Biografias do Autor

Joana Viana, Instituto de Educação - Universidade de Lisboa

Joana Viana é licenciada e mestre em Ciências da Educação, e doutorada em Educação, na área de especialidade Teoria e Desenvolvimento Curricular, pelo Instituto de Educação, da Universidade de Lisboa.

Professora Auxiliar Convidada no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, investigadora colaboradora da Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação (UIDEF), da mesma instituição, e investigadora associada do Núcleo de Leiria do CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa. É Perita Externa do Instituto de Educação ao abrigo do Programa TEIP (DGE) e consultora pedagógica para várias entidades, no âmbito de diferentes projetos com caráter educativo. 

Situando a sua atividade académica nas áreas de Currículo e Tecnologias Educativas, tem vindo a dedicar-se a questões relacionadas com a utilização de tecnologias digitais em contextos de aprendizagem, quer formais quer informais, e nos modos como o currículo é equacionado, desenhado e implementado. É nesse âmbito que tem desenvolvido o seu trabalho de investigação e realizado várias publicações. 

 

Helena Peralta, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Helena Peralta é doutora em Ciências da Educação (FPCE-UL), mestre em Literatura Alemã (UNL) e licenciada em Filologia Germânica (UL). Professora Auxiliar aposentada do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Referências

AUTOR, 2017
ALMEIDA, M. E. & VALENTE, J. A. (2014). Currículo e contextos de aprendizagem: integração entre o formal e o não-formal por meio de tecnologias digitais. Revista e-curriculum, 12 (2), 1162-1188.
AMADO, J. (Coord.) (2013). Investigação qualitativa em educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.
ANDREWS, D. et al. (2003). Eletronic survey methodology: a case study in reaching hard-to-involve internet users. International Journal of Human-Computer Interaction, 16 (2), 185-210.
BARDIN, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
BEYER, L. (2004). Direcções do Currículo: as realidades e as possibilidades dos conflitos políticos, morais e sociais. Currículo sem fronteiras, 4 (1), 72-100.
BROWN, R. (2007). Curriculum Consonance in Technology Education Classrooms: The Official, Intended, Implemented, and Experienced Curricula. Cambridge: ProQuest, Indiana University - School of Education.
BRUNO, A. R. (2011). A mediação partilhada em redes rizomáticas: (des)territorialização de possibilidades para a discussão sobre o ser tutor e a tutoria em cursos online. In: H. FONTOURA & M. SILVA (Org.). Práticas pedagógicas, linguagem e mídias: desafios à pós-graduação em educação em suas múltiplas dimensões (pp. 116-131). Rio de Janeiro: ANPEd Nacional.
CANÁRIO, R. (2005). O que é a Escola? Um “olhar” sociológico. Porto: Porto Editora.
CANÁRIO, R. (2006). Aprender sem ser ensinado. A importância estratégia da educação não formal. In L. LIMA; J. A. PACHECO; M. ESTEVES e R. CANÁRIO. A Educação em Portugal (1986-2006): alguns contributos de investigação (pp. 195-254). Porto: SPCE.
CASTELLS, M. (2002). A Sociedade em Rede. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
COHEN, L., MANION, L., & MORRISON, K. (2000). Research Methods in Education. New York: Routledge.
CORMIER, D. (2008). Rhizomatic education: community as curriculum. Innovate: Journal of Online Education, 5 (4).
COSTA, A. F. et al. (2015). A sociedade em rede em Portugal – uma década de transição. Coimbra: Almedina.
COSTA, C. (2007). O Currículo numa comunidade de prática. Sísifo, 3, 87-100.
CUBAN, L. (1993). The Lure of Curricular Reform and its Pitiful History. Phi Delta Kappan, 75 (2), 182-185.
CRESWELL, J. W. (2009). Research Design. London: SAGE Publications.
DENZIN, N. K. & LINCOLN, Y. S. (Eds.) (2000). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications.
DILON, J. T. (2009). The questions of Curriculum. Journal of Curriculum Studies, 41 (3), 343-359.
DOLL, W. (1997). Currículo: Uma perspetiva pós-moderna. Porto Alegre: Artes Médicas.
EDSON, J. (2007). Curriculum 2.0: user-driven education. The Huffington Post. Disponível em: http://www.huffingtonpost.com/jonathan-edson/curriculum-20-userdriven_b_53690.ht ml (acedido em dezembro de 2017).
GASPAR, M. I. & ROLDÃO, M. C. (2007). Elementos do desenvolvimento curricular. Lisboa: Universidade Aberta.
GIMENO SACRISTÁN, J. (1989). El curriculum: una reflexión sobre la práctica. Madrid: Ediciones Morata.
GIMENO SACRISTÁN, J. (1999). Comprender y transformar la enseñanza. Madrid: Ediciones Morata.
GOODSON, I. (2001). O Currículo em mudança. Estudos na construção social do currículo. Porto: Porto Editora.
GRUNDY, S. (1987). Curriculum: product or praxis? Lewes: Falmer Press.
HARGREAVES, A. (1998). Os professores em tempos de mudança. O trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Alfragide: Mc Graw Hill.
HILL, M. M. & HILL, A. (2009). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo.
KELLY, A. V. (1981). O currículo. Teoria e Prática. São Paulo: Harbra.
KLIEBARD, H. (2011). Os Princípios de Tyler. Currículo sem Fronteiras, 11 (2), 23-35.
LEECH, N. & ONWUEGBUZIE, A. (2009). A typology of mixed methods research designs. Quality & Quantity, 43 (2), 265-275.
LIMA, L. (2005). A educação de adultos em Portugal (1974-2004). In R. CANÁRIO e B. CABRITO (Orgs.). Educação e formação de adultos. Mutações e convergências. Lisboa: Educa/IEFP.
MARSH, C. J. & WILLIS, G. (1995). Curriculum: alternative approaches, ongoing issues. Englewood Cliffs, New Jersey: Merrill.
MEANS, B. (2008). Technology’s Role in Curriculum and Instruction. In: CONNELLY, M. (Ed.). The Sage Handbook of Curriculum and Instruction (pp. 123-144). Thousand Oaks: Sage Publications.
MOREIRA, J. M. (2004). Questionários: teoria e prática. Coimbra: Almedina.
ORNSTEIN, A. C. & HUNKINS, F. (2009). Curriculum: foundations, principles and issues. Boston: Pearson.
PACHECO, J. A. (2013). Estudos curriculares. Génese e consolidação em Portugal. Educação, Sociedade & Culturas, 38, 151-168.
PATTON, M. (1990). Qualitative Evaluation and Research Methods. Newbury, Califórnia: Sage Publications.
PERALTA, M. H. (2005). Currículo: o plano como texto. Um estudo sobre a aprendizagem da planificação na formação inicial de professores de alemão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; FCT.
PINAR, W. (2008). Curriculum Theory Since 1950. Crisis, Reconceptualization, Internationalization. In: CONNELLY, M. (Ed.). The Sage Handbook of Curriculum and Instruction (pp. 491-513). Thousand Oaks: Sage Publications.
REA, L. M. e PARKER, R. A. (1992). Designing and conducting survey research. A comprehensive guide. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.
RIBEIRO, A. (1990). Desenvolvimento Curricular. Lisboa. Texto Editora.
ROLDÃO, M. C. (2011). Um currículo de currículos. Chamusca: Edições Cosmos.
ROLDÃO, M. C. (1999). Gestão curricular: fundamentos e práticas. Lisboa: DEB.
SCHIRO, M. (2013). Curriculum theory. Conflicting visions and enduring concerns. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc.
SCHUBERT, W. (1986). Curriculum: perspective, paradigm, and possibility. New York: MacMillan.
SELWYN, N. (2011). Em defesa da diferença digital: uma abordagem crítica sobre os desafios curriculares da Web 2.0. In: P. DIAS & A. OSÓRIO (Orgs.) Aprendizagem (In)Formal na Web Social. Braga: Centro de Competência da Universidade do Minho.
TABA, H. (1974). Elaboración del currículo. Teoria y práctica. Buenos Aires: Ediciones Troquel.
TANNER, D. & TANNER, L. (1995). Curriculum Development: Theory into Practice. New Jersey: Prentice-Hall.
TASHAKKORI, A. & TEDDLIE, C. (Eds) (2003). Handbook of mixed methods in social & behavioral research. Thousand Oaks: Sage Publications Inc.
TYLER, R. (1949). Basic Principles of Curriculum and Instruction. Chicago: The University of Chicago Press.
VASCONCELLOS, C. S. (2009). Currículo: a atividade humana como princípio educativo. São Paulo: Libertad.
WENGER, E. (1998). Communities of practice. Learning, meaning and identity. Cambridge: Cambridge University Press.
Publicado
2020-06-29
Como Citar
Viana, J., & Peralta, H. (2020). Aprender na era digital: Do currículo para todos ao currículo de cada um: Learning in the digital age: from the curriculum for everyone to the curriculum of each. Revista Portuguesa De Educação, 33(1), 137-157. https://doi.org/10.21814/rpe.18500
Secção
Artigos