EFEITO DA TEMPERATURA NO DESENVOLVIMENTO DO BRÓCOLO DE INDÚSTRIA NA REGIÃO DO VALE DO TEJO

  • Artur Amaral Escola Superior Agrária de Santarém, Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém, Centro de Investigação em Qualidade de Vida, Instituto Politécnico de Santarém, Portugal
  • Marina Casimiro Escola Superior Agrária de Santarém, Instituto Politécnico de Santarém, Portugal
Palavras-chave: Brassica oleracea L. var. italica Plenck, crescimento, data de plantação, desenvolvimento, somatório de temperaturas.

Resumo

A modelação do desenvolvimento e crescimento da couve-brócolo, de acordo com o somatório de temperaturas, é uma ferramenta importante para a estimativa das fases fenológicas e época de colheita, permitindo ainda um melhor posicionamento dos tratamentos fitossanitários no combate aos inimigos chave da cultura.

Foi instalado em Almeirim, região do Vale do Tejo, no período de setembro de 2016 a janeiro de 2017, um ensaio com objetivo de avaliar o efeito da temperatura no desenvolvimento e crescimento da couve-brócolo para indústria, usando o somatório de temperaturas. Consideraram-se quatro tratamentos, as datas de plantação (D1-7 setembro; D2-16 setembro, D3-26 de setembro e D4-1 de outubro). Procedeu-se à colheita aleatória de 8 amostras de 6 plantas em cada tratamento, observando-se o número de folhas, o diâmetro da cabeça, o peso verde e seco das folhas, caules e cabeças.

São necessários cerca de 60 dias e um somatório de temperatura na ordem dos 700-800ºC, com temperaturas médias compreendidas entre 10°C e 24° C, para se dar o início do desenvolvimento da cabeça. Para se alcançar na colheita o diâmetro de cabeça comercial são necessários cerca de 90 dias e um somatório de temperatura de cerca de 950°C.

Publicado
2018-12-22