Interpretação Crítica dos Resultados Estatísticos de uma Meta‐Análise: Estratégias Metodológicas

Eduardo Santos, Madalena Cunha

Abstract


A meta-análise é uma investigação secundária que
envolve um método sistemático e rigoroso, passível de
replicação por outros investigadores, e que permite combinar
resultados provenientes de diferentes estudos.
Na área da saúde, um exemplo clássico consiste na
combinação do risco relativo estimado entre dois tratamentos
em diferentes estudos.
Ao longo deste artigo é apresentada a lógica do
processo, alguns conceitos básicos, a definição de modelo de
efeito fixo e modelo de efeitos aleatórios, testes de
heterogeneidade, técnicas de escolha do modelo e
possibilidades de apresentação dos resultados de uma
meta-análise.
Não serão alvo de escrutínio a descrição de
metodologias adequadas para revisão sistemática.
Neste sentido este artigo tem como objetivo a
descrição e análise do processo de meta-análise (interpretativo
e conclusivo) em estatística.


Keywords


meta-análise; revisão sistemática; medidas de efeito

Full Text:

PDF (Português)

References


- Berwanger, O.; Suzumura E. A.; Buehler, A. M. & Oliveira, J. B. (2007). Como Avaliar Criticamente

Revisões Sistemáticas e Metanálises? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 19(4): 475-480.

- Carneiro, A. (2008). Como avaliar a investigação clínica: O exemplo da avaliação crítica de um ensaio

clínico. J. Port Gastrenterol., 15(1): 30-36. ISSN 0872-8178.

- Craig, J. & Smyth, R. (2004). Prática baseada na evidência: Manual para Enfermeiros. Loures:

Lusociência. ISBN: 972-8383-61-4.

- Dinnes, J.: Deeks, J.; Kirby, J. & Roderick, P. (2005). A methodological review of how heterogeneity has

been examined in systematic reviews of diagnostic test accuracy. Health Technol Assess, 9 (12): 1-113.

- Egger, M.; Smith, G. D. & Altman, D. G. (Ed.s) (2001). Systematic reviews in health care: Meta-analysis in

context. 2ª ed. Londres: BMJ Books.

- Fortin, M-F. (1999). O Processo de Investigação: Da concepção à realização. Loures: Lusociência. ISBN:

-972-8383-10-7.

- Higgins, J. P. T. & Green, S. (2011). Cochrane handbook for systematic reviews of interventions: version

1.0 [Em linha]. London: The Cochrane Collaboration. [Consult. 10 Maio. 2012]. Disponível em:

WWW:.

- Higgins, J. P. T.; Thompson, S. G.; Deeks, J. J. & Altman, D. G. (2003). Measuring inconsistency in

meta-analyses. BMJ, 327: 557-60.

- Higgins, J. P. T. & Thompson SG. (2002). Quantifying heterogeneity in a metaanalysis. Stat Med., 21: 1539-58.

- Lau, J.; Ioannidis, J. P.& Schmid, C. H. (1998). Summing up evidence: one answer is not always enough.

Lancet; 351: 123-127.

- Lau, J.; Ioannidis, J. P. & Schmid, C. H.. (1997). Quantitative synthesis in systematic reviews. Ann Intern

Med., 127: 820-826.

- Martinez, E. Z. (2007). Metanálise de ensaios clínicos controlados aleatorizados: aspectos quantitativos.

Medicina; 40 (2): 223-35. Ribeirão Preto.

- Mulrow, C.; Langhorne, P. & Grimshaw, J. (1997). Integrating heterogeneous pieces of evidence in

systematic reviews. Ann Intern Med., 127: 989-995.

- Pocinho, M. (2008). Lições de revisão sistemática e metanálise. Disponível em:

. Consultado a 20/02/12.

- Ramalho, A. (2005). Manual para redacção de estudos e projectos de revisão sistemática com e sem

metanálise. Coimbra: FORMASAU. ISBN 972-8485-54-9.

- Rodrigues, C. & Ziegelmann, P. (2010). Metanálise: um guia prático. Revista HCPA. 30(4): 435-446. ISSN:

-5485.

- Rodrigues, C. L. (2010). Metanálise: um guia prático. Trabalho de conclusão do bacharelado em estatística.

[Em linha] UFRGS. [Consult. 10 Maio. 2012] Disponível em:

WWW:.

- Sousa, M. R.& Ribeiro, A. L. P. (2009). Revisão Sistemática e Meta-análise de Estudos de Diagnóstico e

Prognóstico: um Tutorial. Arq Bras Cardio., 92(3): 241-251.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.