Ética e proposta de aproveitamento de dados não utilizados do trabalho científico

  • Serafim Camalhão Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento (CeiED) Instituto de Educação – Universidade Lusófona, Lisboa, Portugal.
  • Isabel Camalhão ISCTE IUL, Lisboa, Portugal
Palavras-chave: Dados não utilizados, Metodologia, Conhecimento, Ética

Resumo

Introdução: Todo o trabalho científico nas áreas das Ciências Sociais e Humanas não utiliza todos os dados que recolhe e exclui elementos que não vão integrar os resultados finais. Estes dados podem ser úteis para outras investigações, mas colocam-se problemas éticos que dificultam o seu aproveitamento.

Objetivos: Desenvolver uma metodologia para usar os dados não utilizados e propor uma interpretação ética que facilite a utilização destes dados.

Métodos: Utilizaram-se os procedimentos e fases de construção de um projeto de investigação, tendo por centro uma área e um problema metodológico.

Resultados: A criação uma proposta de uma metodologia especificamente destinada à utilização de dados não utilizados, aberta e flexível.

Conclusões: A utilidade de aproveitar não só os dados não utilizados, assimcomo, todos os elementos de uma investigação social,que vem beneficiar todo o conhecimento. No campo da ética, centrou-se na questão de proteger as comunidades, os participantes e o investigador como critério central no aproveitamento de dados. As questões éticas são demasiado complexas para caber num único artigo.

Referências

Bernard, H. R & Ryan, G. W. (2010). Analysing Qualitative Data: Systematic Approaches London: Sage Publications, Ltd.

Camalhão, I. e Camalhão, S. (2017), Os “despojos” do trabalho científico em Ciências Sociais: O potencial do conhecimento dos “restos”. 6º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa de 12 a 14 de julho de 2017. Salamanca, Espanha. Acedido em http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1137/1103.

Carpenter D. R. (2013). Método Fenomenológico. In Streubert, H. J. & Carpenter, D. R. (Ed.). Investigação Qualitativa: Avançando o Imperativo Humanista (5 th e. pp. 73 - 96). Loures: Lusodidactica.

Chang, H., Ngunjiri, F. W. & Hernandez, K.-A. C. (2013). Collaborative Autoetnography. Walnut Creek: Left Coast Press inc.

Flick, U. (2005). Métodos Qualitativos na Investigação Científica. Lisboa: Monitor.

Ghiglione, R. & Matalon, B. (1992). O Inquérito: Teoria e Prática. Oeiras: Celta Editora.

Glasser, B. G. (2013). No Preconceptions: The Grounded Theory Dictum. Mill Valley: Sociology Press.

Glasser, B. G. (2007). Doing Formal Grounded Theory: A Proposal. Mill Valley: Sociology Press.

Glasser, B. G. (2001). The Grounded Theory Perspective: Conceptualization Contrasted with Description. Mill Valley: Sociology Press.

Glasser, B. G. (1992). Basics of Grounded Theory Analysis. Mill Valley: Sociology Press.

Glasser, B. G & Strauss, A. L. (1967). The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research. New York: Aldine.

Hammersley, M. & Traianou, A. (2012). Ethics in Qualitative Research: Controversies and Context. London: SAGE Publications Ltd.

Paillé, P. & Mucchielli, A. (2009). L'Analyse Qualitative en Sciences Humaines et Sociales. (3 rd ed.). Paris: Armand Colin.

Patton, M. Q. (2015). Qualitative Research & Evaluation Methods: Integrating Theory and Practice (4 th ed.) London: SAGE

Publications Ltd.

Quivy, R. & Campenhoud, L. (2011). Manuel de Recherche en Sciences Sociales. (4 th ed.). Paris: Dunod.

Miles, M. B & Huberman, A. M. (1994). Qualitative Data Analysis: An Expanded Sourcebook. (2nd ed). London: SAGE

Publications, Ltd.

Ragin, C. C. (2014). The Comparative Method: Moving Beyond Qualitative and Quantitative Strategies. Oakland: University of California Press.

Ricour, P. (2013). Teoria da Interpretação: O Discurso e o Excesso de Significação. Lisboa: Edições 70.

Rodríguez, G. R. (2011). Análisis de Datos Incompletos en Ciências Sociales. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas.

Rossman, G. B. & Rallis, S. F. (2012). Learning in the Field: An Introduction to Qualitative Research (3 rd ed.). London: SAGE Publications, Ltd.

Saldaña, J (2013). The Coding Manual for Qualitative Researchers (2 nd ed.). London: SAGE Publications, Ltd.

Strauss, A. & Corbin, J. (2008). Basics of Qualitative Research: Techniques and Procedures for Developing Grounded Theory (3 rd Ed.). London: SAGE Publications, Ltd.

Wästerfors, D., Åkerström M. & Jacobsson, K. (2014). Reanalysis of Qualitative Data. In Flick, U. (Ed.). The SAGE Handbook of Qualitative Data Analysis (pp. 467 – 480). London: SAGE Publications Ltd.

Wernet, A. (2014). Hermeneutics and Objective Hermeneutics. In n Flick, U. (Ed.). The SAGE Handbook of Qualitative Data Analysis (pp. 234 – 246). London: SAGE Publications Ltd.

Wolcott, H. F. (2009). Writing Up Qualitative Research (3 rd ed.). London: SAGE Publications Ltd.Research (3ª Ed.). London: SAGE Publications Ltd.

Publicado
2018-01-31
Secção
Educação e desenvolvimento social