Teachers’ perception of the head of department’s performance and of pedagogical supervision

  • Alice Abreu Agrupamento de Escolas do Viso, Viseu, Portugal
  • Ana Paula Cardoso Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Educação, CI&DETS, Viseu, Portugal http://orcid.org/0000-0001-5062-4098
  • João Rocha Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Educação, CI&DETS, Viseu, Portugal
Keywords: Teachers, Specialized training, Pedagogical supervision, Head of Department

Abstract

Introduction: Within Portuguese schools the Head of Department is an intermediate manager, a supervisor and a leader who must be capable of playing a leading role and demonstrating the appropriate communicative skills so that he can mobilize the teachers who are part of his team to fulfill their educational ideals. For this reason, pedagogical supervision takes on a prominent role in the activities he has to develop.

Objectives: To know how teachers at the several levels of education, other than that of Higher Education, perceive head of department’s performance within the current Portuguese school organization and of some factors that can influence that performance, notably the specialized training in pedagogical/instructional supervision.

Methods: A descriptive and cross-sectional methodology was used using a survey carried out through the application of a questionnaire. The sample was composed of 106 teachers from all academic departments who were working in a school grouping located in the Viseu district. The data collected were subject to a descriptive and inferential statistical analysis.

Results: The teachers seem to value the promotion of an articulated work between the different teachers of the academic department to which they belong and between teachers from different departments, the creation of encouragement actions that would foster a reflection on their teaching practices and an openness to change and innovation. They also consider that the Head of Department should promote collaborative work, as well as generate and share knowledge. However, they state that the Head of Department’s workload and the consequent lack of time to respond to all requests that his position requires may have a negative influence on his performance.

Conclusions: The Heads of Academic Department should assume the need for training in their activity to ensure legitimacy and credibility in the most wide-ranging aspects and dimensions, both at a personal/relational level, and at a professional level.

Author Biography

Ana Paula Cardoso, Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Educação, CI&DETS, Viseu, Portugal

Departamento de Psicologia e Ciências da Educação

Área disciplinar de Ciências da Educação

References

Alarcão, I. (2002). Escola reflexiva e desenvolvimento institucional: Que novas funções supervisivas? In J. Oliveira-Formosinho (Org.), A supervisão na formação de professores I – Da sala à escola (pp. 217-238). Porto: Porto Editora.

Alarcão, I. (2003). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez Editora.

Alarcão, I., & Canha, B. (2013). Supervisão e colaboração: Uma relação para o desenvolvimento. Porto: Porto Editora.

Alarcão, I., & Tavares, J. (2003). Supervisão da prática pedagógica: Uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Livraria Almedina.

Barroso, J. (2001). Relatório global da primeira fase do programa de avaliação externa. Lisboa: Centro de Estudos da Escola, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação- Universidade de Lisboa.

Borg, W. R., & Gall, M. D. (2003). Educational research: An introduction (7.ª ed.). Nova Iorque: Longman.

Cabral, I. M. (2009). As funções supervisivas dos coordenadores do departamento de línguas (Dissertação de Mestrado). Universidade dos Açores, Ponta Delgada. Retrieved from https://repositorio.uac.pt/bitstream/10400.3/455/1/DissertMestradoIsabelMartinsCabral.pdf.

Cardoso, A. P. (2000). A receptividade à inovação pedagógica: O professor e o contexto escolar (Tese de Doutoramento não publicada). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Coimbra, Coimbra.

Costa, J. A. (2000). Liderança nas organizações escolares: Revisitando teorias organizacionais num olhar cruzado sobre as escolas. In J. A. Costa (Ed.), Liderança e estratégia nas organizações escolares (pp. 28-31). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril (regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário).

Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro (décima primeira alteração do Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário).

Decreto-Lei n.º 137/2012, 2 de julho (segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, alterado pelo

Decreto-Lei n.º 224/2009, de 11 de setembro, que aprova o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário).

Decreto-Lei n.º 22/2014, de 11 de fevereiro (regime jurídico da formação contínua dos docentes das escolas públicas e do ensino particular e cooperativo, assim como dos professores que exercem funções legalmente equiparadas ao exercício de funções docentes).

Despacho Conjunto n.º 198/99, de 15 de fevereiro (perfis de formação na formação especializada de professores).

Diogo, J. (2004). Liderança das escolas: Sinfonia ou jazz? In J. Costa, A. Neto-Mendes & A. Ventura (Orgs.), Políticas e gestão local da educação: Actas do III Simpósio sobre Organização e Gestão Escolar (pp. 267-277). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Estrela, M., & Estrela, A. (2006). A formação contínua de professores numa encruzilhada. In R. Bizarro & F. Braga (Orgs.), Formação de Professores de Línguas Estrangeiras: Reflexões, estudos e experiências (pp. 73-80). Porto: Porto Editora.

Fortin, M-F. (2009). O processo de investigação: Da concepção à realização (5.ª ed.). Lisboa: Lusociência.

Ghiglione, R., & Matalon, B. (2001). O inquérito: Teoria e prática (4.ª ed.). Oeiras: Celta Editora.

Harris, B. (2002). Paradigmas e parâmetros da supervisão em educação. In J. Oliveira Formosinho (Org.), A supervisão, na formação de professores II. Da organização à pessoa (pp. 135-223). Porto: Porto Editora.

Hill, M., & Hill, A. (2005). Investigação por questionário (2.ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Howell, D. C. (2010). Statistical methods for Psychology (7.ª ed.). Boston: Allyn and Bacon.

Ingvarson, L. (1990). Schools: Places where teachers learn. In J. D. Chapman (Eds.), School based decision-making and management (pp. 162-182). London: Falmer Press.

Marques, R. (2002). O Director de Turma e a relação educativa. Lisboa: Editorial Presença.

McMillan, J. H., & Schumacher, S. (2010). Research in education: A conceptual introduction (2.ª ed.). Glenview: Scott, Foresman and Company.

Morgado, J. C. (2007). Formação e desenvolvimento profissional docente: Desafios contemporâneos. In J. C. Morgado & M. I. Reis (Orgs.), Formação e desenvolvimento profissional docente: Perspetivas europeias (pp. 41- 57). Braga: CIEd.

Oliveira, M. L. (2000). O papel do gestor intermédio na supervisão escolar. In I. Alarcão (Org.), Escola reflexiva e supervisão. Uma escola em desenvolvimento e aprendizagem (pp. 43-54). Porto: Porto Editora.

Pestana, M. H, & Gageiro, J. N. (2014). Análise de dados para Ciências Sociais: A complementaridade do SPSS (6.ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Pires, I. M. G. (2012). Lideranças intermédias: Tomada de decisão e comunicação em Departamento Curricular num Agrupamento de Escolas: Estudo de caso (Dissertação de Mestrado). Universidade Aberta, Lisboa. Retrieved from https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/2182/1/Isabel%20Pires.pdf

Ramalho, H. M. (2012). Escola, professores e avaliação: Narrativas e racionalidades da avaliação do desempenho docente na escola básica portuguesa (Tese de Doutoramento). Universidade do Minho, Braga.

Reis, E. (2008). Estatística descritiva (7.ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Ricardo, L. F. (2010). Supervisão pedagógica: À procura de uma objetividade. Ensinar & Aprender. Revista eletrónica para professores, formadores e educadores. Retrieved from http://revistaensinareaprender.blogspot.pt/.

Rocha, J. (2016). Prática de Ensino Supervisionada: Que possibilidades de desenvolvimento profissional na formação inicial? (Tese de Doutoramento), Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal.

Roldão, M. C. (2012). Supervisão, conhecimento e melhoria: Uma triangulação transformativa nas escolas? Revista Portuguesa de Investigação Educacional, 12, 7-28.

Sequeira, A. (2012). A Importância e as competências dos coordenadores de departamento enquanto estrutura de gestão intermédia das escolas. PROFORMA, 7, 1-12. Retrieved from http://cefopna.edu.pt/revista/revista_07.htm.

Sergiovanni, T. J., & Starratt R. J. (1986). Supervisão: Perspectivas humanas. S. Paulo: EPU.

Tuckman, B. W. (2000). Manual de investigação em educação (4.ª ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Vieira, F. (1993). Supervisão: Uma prática reflexiva de formação de professores. Porto: Edições Asa.

Vieira, F., & Moreira, M. A. (2011). Supervisão e avaliação do desempenho docente: Para uma abordagem de orientação transformadora. Lisboa: ME – Conselho Científico para a Avaliação de Professores.

Zenhas, A. (2006). O papel do Director de Turma na colaboração escola-família. Porto: Porto Editora.

Published
2019-04-16
Section
Education and Social Development Sciences